JOSÉ DOMINGOS BRITO - MEMORIAL

José Leite Lopes nasceu em 28/10/1918, no Recife, PE. Físico, escritor, professor especializado em física quântica e cientista de renome internacional. Criou o CBPF-Centro Brasileiro de Pesquisas Física e articulou a fundação da CNEN-Comissão Nacional de Energia Nuclear; CNPq-Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico e a FINEP-Financiadora de Estudos e Projetos.

Filho de Beatriz Coelho Leite e do comerciante José Ferreira Lopes, perdeu a mãe ao nascer e foi criado pela avó Claudina. Realizou os primeiros estudos no Colégio Marista e ingressou no curso de Química Industrial da Escola de Engenharia de Pernambuco, em 1935. Aí manteve amizade com seu mestre Luiz Freire, através do qual tomou gosto pela ciência. Iniciou o curso de Física na Faculdade Nacional de Filosofia, no Rio de Janeiro, em 1940 e concluído em 1942. Neste período deu aulas no ensino secundário e trabalhou no Instituto de Biofísica. Em 1943 realizou pesquisas no Departamento de Física da FFCL/USP e no ano seguinte ganhou uma bolsa de estudos do governo dos EUA, onde iniciou o doutorado na Universidade de Princeton.

Sob a orientação de Wolfgang Pauli, prêmio Nobel de Física 1945, recebeu o título de Ph.D em 1946 e no mesmo ano foi nomeado professor de Física Teórica e Física Superior na Faculdade Nacional de Filosofia. Nos anos 1956-1957, a convite de Richard Feynman, foi Pesquisador Visitante no California Institute of Technology. Manteve contatos regulares com os físicos Cesar Lattes, Occhialini e Powell, junto aos quais realizou a descoberta do “Meson Pi” utilizando radiação cósmica incidindo em Emulsão Nuclear. Aproveitando a publicidade desta descoberta, alargou o ciclo de amigos cientistas brasileiros, incluindo Mario Schenberg, e fundaram o CBPF, em 1949. Seu papel de criador de instituições de pesquisas ultrapassou as fronteiras do Brasil e alcançou a América Latina. Em fins da década de 1950 sugeriu ao Ministério das Relações Exteriores e à UNESCO a criação de um Centro Latino-Americano de Física-CLAF, criado em 26/3/1962, reunindo 20 países.

Através de um bolsa de estudos da Fundação Guggenheim, foi trabalhar no Instituto de Estudos Avançados de Princeton, em 1949-1950, a convite de Robert Oppenheimer. Na ocasião escreveu, junto com Richard Feynman, um trabalho referente a descrição do “Deutron”. Um de seus famosos artigos – A Model of the Universal Fermi Interaction -, de 1958, foi a base de outros estudos e suas teses foram comprovadas pelos cientistas Abdus Salam, Steve Weinberg e Sheldon Glascow, que foram premiados, em 1979, com o prêmio Nobel de Física por um trabalho inspirado por Leite Lopes. Os temas que mais o atraiu foram a unificação da forças eletromagnéticas e fracas; teorias das forças nucleares; reações fotonucleares; modelo de estrutura de léptons; estudos sobre possíveis léptons e quarks com spin 3/2, sem falar no tema Ciência & Sociedade que permeia toda a sua carreira, destacando-se o papel da Ciência no Desenvolvimento dos Países do Terceiro Mundo.

Perseguido pelo governo militar de 1964, passou a viver na França, onde foi lecionar na Faculdade de Ciências de Orsay, a convite de Maurice Lévy e permaneceu até 1967. Aí estimulou 5 jovens estudantes de engenharia pernambucanos a seguirem carreira científica na Física, os quais fundaram o Departamento de Física da UFPE-Universidade Federal de Pernambuco. Em 1981, a UFPE retribuiu-lhe o gesto com a concessão do título de Doutor Honoris Causa. Foi vitimado com o AI-5, em 1968, teve os direitos políticos cassados e foi aposentado compulsoriamente em 1969. No ano seguinte foi convidado para lecionar na Universidade de Strasbourg, onde ficou até 1985 e retornou ao Brasil para dirigir o CBPF até 1989.

Além de cientista, teve papel destacado como professor dedicado. Atuou em várias fases da carreira de físico em defesa do ensino em vários níveis. Traduziu, junto com Jayme Tiommo, o famoso livro Física na escola secundária, de Oswald H. Blackwood (Ed. Fundo de Cultura, 1961). Escreveu 20 livros indicados em cursos universitários e outros sobre as relações entre ciência e sociedade. Costumava dizer que “Os cientistas atualmente têm que se preocupar com o problema da educação básica e não podem ficar em seus castelos de marfim. Eles devem dedicar algumas horas por mês (…) e entrar em contato ou fazer com que os colégios secundários ou professores os convidem para dar palestras sobre os últimos avanços da Ciência, como eu fiz. Isso é uma obrigação das universidades.”

Um aspecto menos conhecido de sua biografia é seu apreço pela pintura. Dizia que “precisava pintar pois precisava fazer as mãos trabalharem também junto com o cérebro”. Pintou dezenas de quadros a óleo e muitos desenhos. Seus temas preferidos eram a religião, além de quadros abstratos. Ao completar 80 anos, a crítica de arte Miriam de Carvalho, junto com alguns amigos, organizaram uma exposição de 30 obras no Iate Club do Rio de Janeiro. Faleceu em 12/6/2006 e seu nome passou a denominar diversos logradouros públicos e o Aeroporto de Ribeirão Preto.

Entre os títulos honoríficos e prêmios obtidos, destacam-se: Medalha Jubileu de Prata da SBPC; Medalha do CNPq no 30º aniversário dessa instituição; Prêmio Estácio de Sá de Ciência (RJ); Ordem do Rio Branco, grau de grande oficial; Medalha da Universidade Louis Pasteur, Strasbourg, França; Ordre des Palmes Academiques; Ordre National du Mérite; Prêmio México de Ciência e Tecnologia para a América Latina; Prêmio de Ciência da UNESCO; Grã-Cruz da Ordem Nacional do Mérito Científico.

3 pensou em “OS BRASILEIROS: José Leite Lopes

  1. A inclusão, agora, do cientista no Memorial deve-se à reiterada sugestão do Dr. Juliano Correa, de Sorocaba e apreciador da Coluna.
    “Cabra bom! Queria ter um filho assim!!”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *