JOSÉ DOMINGOS BRITO - MEMORIAL

Antônio Vicente Mendes Maciel nasceu em Quixeramobim, CE, em 13/3/1830. Líder messiânico, conhecido como “Antônio Conselheiro”. Autodenominado “o peregrino”, atraiu para o arraial de Canudos milhares de sertanejos, escravos recém libertos e índios sem aldeia. Atraiu, também, a ira dos latifundiários carentes de mão-de-obra barata; da Igreja Católica carentes de fiéis e do Exército Brasileiro, que o acusava de monarquista, que após quatro expedições militares, exterminou toda a população do arraial num combate desigual com mais de 20 mil mortos, a chamada “Guerra de Canudos”, em 1896. Segundo alguns historiadores, ali foi cometido um genocídio.

Estava destinado a seguir a carreira sacerdotal. Porém, com morte da mãe, em 1834, o sonho de se tornar padre foi preterido. Aos 25 anos, com o falecimento do pai, assumiu o pequeno comércio de secos & molhados mantido pela família. Em 1857 casou-se com uma prima e muda-se para Sobral, onde passou dar aulas no curso primário. Exerceu, também, a função de “Rábula” (advogado prático). Vagueou por alguns povoados buscando melhores condições de vida e passou a residir na Vila de Ipu. Em 1861 flagrou a esposa numa traição conjugal. Abatido e envergonhado, saiu pelo mundo e encontrou abrigo nos sertões do Cariri, uma região seca, mas fértil de penitentes e flagelados em busca de alguma esperança. Aí inicia a vida de “peregrino”, conselheiro dos pobres, construtor de casebres, capelas e cemitérios. Além do carisma, conhecia as leis e a religião, e acolhia bem os necessitados. A primeira notícia de sua aparição pública se deu em 1874, no jornal “O Rabudo”, de Sergipe. A notícia ridicularizava sua figura: “Esse misterioso personagem, trajando uma enorme camisa azul que lhe serve de hábito a forma de sacerdote, pessimamente suja, cabelos mui espessos” e desfazia seu caráter religioso: “Chegado (diz ele) do Ceará, infesta um aventureiro santarrão que se apelida por Antônio dos Mares. O que, a vista dos aparentes e mentirosos milagres que dizem ter ele feito…”. A notícia ampliou sua fama e chegou até a Bahia.

O ano de 1877 foi marcado como uma das maiores secas na história do Nordeste. Era grande o número de flagelados perambulando pelas estradas É nesta situação de desespero que sua figura de “santo” e “milagreiro” se agiganta, pois acolhia a todos, sabia conversar, dar-lhes conselhos e a promessa de um mundo melhor, mais justo e, sobretudo, cristão. Em pouco tempo, passou a ser chamado de “Bom Jesus” e “Antônio Conselheiro”, um profeta enviado por Deus. Em 1888, com o fim da escravidão, ex-escravos sem meios de subsistência e os índios com suas aldeias desfeitas, passam a vagar pelos sertões, onde vão encontrar aconchego com o “enviado” de Deus. Assim, a figura do “Conselheiro” e seu movimento vão tomando vulto. Em 1893, em Massaté, BA, seus seguidores entraram em conflito com a polícia local, pois se recusavam a pagar impostos à recém-criada República. Neste ano, decidiu se fixar nas margens do Rio Vaza-Barris, no vilarejo de Canudos. Ali os desabrigados constituíram uma comunidade, onde tinham a propriedade comum da terra, tida como um “lugar sagrado”. Em pouco tempo o local foi tomado por mais de 20 mil habitantes. Não foram apenas pequenos jornais, como “O Rabudo”, que denegriam sua imagem. A imprensa em geral dos primeiros anos da República, segundo Walnice Nogueira Galvão, em sua tese de livre-docência e publicada no livro No calor da hora: a Guerra de Canudos nos jornais, todos os jornais adotaram a versão do militares e as reportagens desconheciam a humanidade do “inimigo”. Desse modo e querendo ou não, justificavam o genocídio ocorrido em seguida.

O Arraial de Canudos passou a preocupar o poder da recente Republica e o clero que perdia fiéis. Em 24/11/1896, o Exercito enviou uma expedição militar para acabar com o “movimento”. A tropa foi surpreendida num combate corpo a corpo, onde foram mortos mais de 150 conselheiristas. O Exército achou que tinha vencido a guerra, mas venceram apenas uma batalha. Em 29/12/1896 uma segunda expedição militar foi debelada pelos fiéis. A terceira expedição, comandada pelo capitão Antônio Moreira Cesar, foi reforçada, mas o capitão foi abatido logo no início da batalha e sua tropa fugiu em disparada, deixando armamentos e munição à disposição dos beatos. O fato reforçou a convicção da santidade e do poder do seu líder. Em 5/4/1897 inicia a quarta e última expedição. Desta vez, munidos de canhões, cercaram o povoado e foram implacáveis. Até mesmo muitos dos que se renderam foram mortos. Eliminar Canudos e abater o “Conselheiro”, tornou-se uma questão de honra para o Exército. Em outubro de 1897 foram mortos os últimos defensores do povoado. No dia seguinte encontraram seu cadáver enterrado no Santuário de Canudos.

Convenhamos que o Conselheiro era um “louco” bem diferenciado, conforme pode se ver nos seus manuscritos encontrados em Canudos “Apontamentos dos Preceitos da Divina Lei de Nosso Senhor Jesus Cristo, para a Salvação dos Homens”, uma coletânea de reflexões e relatos diversos sobre como proceder na vida. Só mais tarde este documento foi transcrito e divulgado, possibilitando novas interpretações sobre o fato. Em 1986 a Fundação Casa de Rui Barbosa publicou “Canudos: subsídios para sua reavaliação histórica”, de José Augusto Vaz Sampaio Neto, citando os “Apontamentos” e reivindicando a necessidade de uma revisão na história da Guerra de Canudos. Tal revisão foi ampliada pelo prof. Pedro Lima Vasconcellos no livro “Antonio Conselheiro por ele mesmo”, publicado pela É Realizações em 2017. São dois volumes, onde o primeiro traz os “Apontamentos” na íntegra e o segundo – Arqueologia de um monumento: os apontamentos de Antonio Conselheiro – apresenta um estudo sobre o conteúdo das reflexões mostradas no primeiro volume.

Euclides da Cunha não teve acesso a este documento e escreveu uma série de reportagens n’O Estado de São Paulo assumindo o ponto-de-vista republicano, de combate ao Conselheiro. Só mais tarde, quando foi enviado à Canudos, no final do combate, é que se inteirou da situação e, conforme o historiador Jorge Caldeira, ‘convenceu-se de que tinha defendido uma posição errada”. A partir daí, ele “obriga-se a escrever um livro no qual a versão dos derrotados pudesse ser mostrada”. Cinco anos depois foi publicado “Os Sertões”, um clássico da Literatura Brasileira e pioneiro do que chamamos hoje “Jornalismo Literário”. O livro tornou-se um best-seller imediatamente e até hoje sua história tem atraído o interesse publico, dos literatos e cineastas. Atraiu, por exemplo, Mario Vargas Llosa, Prêmio Nobel de Literatura, a visitar o local, consultar arquivos históricos e escrever “A guerra do fim do mundo”, em 1981, dando uma nova dimensão à figura de Antônio Conselheiro.

Vale lembrar que uma das primeiras revisões históricas do conflito não se deu com os estudiosos da história. Em 1976 a Escola de Samba “Em cima da hora” desfilou com o enredo “Os Sertões”, contando a história do massacre e lembrando a frase de Euclides da Cunha: “O sertanejo é, antes de tudo, um forte”. Hoje existem dois centros culturais referentes ao ocorrido em Canudos. Um em Quixeramobim, na casa em que o beato nasceu e outro em Canudos, o Memorial Antônio Conselheiro, criado em 2002, mantido em parceria com a UNEB-Universidade do Estado da Bahia, com a finalidade de preservar e difundir a memória da Guerra de Canudos. Segundo o historiador José Murilo de Carvalho, até hoje o Exército Brasileiro não gosta de lembrar aquele fatídico episódio

Canudos foi destruída pela segunda vez na década de 1960, com a construção a represa de Cocorobó. Na época historiadores e intelectuais reagiram revoltados, alegando que um episódio triste e polêmico da nossa história estava sendo encoberto, apagado para sempre. Mais tarde, em 2013, uma grande seca esvaziou a represa e revelou o que sobrou daquela cidade. Muito se pesquisou, escreveu e foi publicado sobre Canudos. Desde o “Libello republicano acompanhado de comentários sobre a Campanha de Canudos”, publicado em 1899 por Cezar Zama sob o pseudônimo Wosley e republicado em 1989 pelo Centro de Estudos Baianos, da UFBA, que se constitui numa denúncia explícita a carnificina ocorrida em Canudos; passando por “Canudos: cartas para o Barão”, da historiadora Consuelo Novas Sampaio, publicado em 1999; o livro “O clarim e a oração: 100 anos de Os Sertões”, de Rinaldo de Fernandes, lançado em 2002; até o excelente estudo realizado em “A guerra total de Canudos”, de Frederico Pernambucano de Mello, em 2007.

O cinema também tem se empenhado em mostrar o conflito em documentários e filmes, como “Guerra de Canudos”, realizado por Sergio Resende em 1997. Neste exato momento, o cineasta português Miguel Gomes prepara uma adaptação de “Os Sertões”, que se chamará “Selvajaria”, para lançamento em 2020. Como se vê o episódio continua aguçando o interesse na busca de uma compreensão e um entendimento do que Canudos representa para a História do Brasil. Ariano Suassuna tinha razão quando disse que “quem não conhece Canudos não conhece o Brasil”.

Deixe uma resposta