PERCIVAL PUGGINA

Arthur Lira diz não haver acordo para criar a comissão necessária ao andamento da PEC que pretende restabelecer a idade de 70 anos para aposentadoria compulsória de ministros do STF. Com isso, ele quer dizer que ouviu os líderes e não percebeu suficiente apoio à medida. Ouviu? Não ouviu? Ouviu os que queria ouvir? Difícil saber.

Episódios assim, se sucedem nas duas casas do Congresso, com os presidentes ora impondo monocraticamente seu querer, ora “ouvindo os líderes” que, por sua vez não agem diferentemente em relação às bancadas. Você lembra, leitor, da visitinha do ministro Roberto Barroso à Câmara dos Deputados? Instantes depois, alguns líderes substituíram os parlamentares convictos da importância e necessidade da urna eletrônica com impressora por outros incumbidos de votar contra. É por essa combinação de meios que vamos morrer sem saber, por exemplo, quais os congressistas que são contra o fim do foro privilegiado, quais os que são contra a prisão após condenação em segunda instância e quais os que consideram todos os ministros do STF como zelosos e perfeitos cumpridores de suas obrigações.

De quanto se vê e se sabe, sobram às nossas reflexões duas questões.

A primeira é uma pergunta

Para que servem 513 deputados se não mais de onze pessoas tomam todas as decisões realmente importantes? De fato, por princípio, o plenário só vota o que o presidente quer, e os deputados, ao votar, salvo exceções, seguem os líderes. Estes, por seu turno, não deixam digitais nessas decisões de colegiado.

A segunda é o segredo

De onde vem o poder dos líderes de bancada? Como obtêm essa submissão de seus comandados que, afinal, são titulares de mandato popular até recentemente merecedor de respeito (por respeito ao eleitor, mas este é outro assunto)? O poder dos líderes provém do pacote de atribuições políticas e burocráticas que lhes corresponde. Entre outras: indicações para integrar e presidir comissões, designação para representações internas e externas, liberação de meios, nomeação de indicados para cargos de confiança, e, principalmente, emendas parlamentares, verbas partidárias e de campanha eleitoral.

Estes assuntos são de grande importância para uma sociedade que não se sente representada e a cujo querer e a cujas manifestações Congresso e STF voltam as costas. Contudo, tais temas passam longe do interesse dos grandes grupos de comunicação do país.

A nação precisa dos poderes de Estado, mas estes fazem o possível para descartá-la de suas preocupações.

4 pensou em “ONZE HOMENS E UM SEGREDO

  1. Para não ter dúvida de quem manda no Brasil, o Ministro do Centrão e da Casa Civil, Ciro Nogueira, mandou fechar os aeroportos para voos que vêm da África.

    Falta entender alguma coisa?

    • Ciro Nogueira – “A decisão foi tomada em conjunto e será assinada pela Casa Civil, pelo Ministério da Infraestrutura, Ministério da Saúde e Ministério da Justiça. A restrição atingirá os passageiros oriundos de: África do Sul, Botsuana, Eswatini, Lesoto, Namíbia e Zimbábue”.

      A decisão foi tomada numa emergência, pois ontem surgiu a notícia da tal cepa africana.. O PR não estava em Brasília nesta sexta-feira, porém certamente deu sinal verde para tal medida.

      Bolsonaro tem uma equipe de ministros como nunca antes houve. Não há brigas entre eles. Administrativamente quem tem o poder de fazer a ponte entre os ministérios e o PR é a Casa Civil. Não é um primeiro ministro, pois tecnicamente não tem influência na nomeação dos outros ministros nem nas decisões das pastas.

      Bolsonaro está a quase 3 anos no governo e não houve um caso de propina denunciado pela PGR até hoje.

      Moro, ao indicar sua intenção de concorrer a PR, se aliou a um investigado do petrolão, o Senador A. Dias, dentre outros ex tucanos.

  2. “A decisão foi tomada numa emergência, pois ontem surgiu a notícia da tal cepa africana.. O PR não estava em Brasília nesta sexta-feira, porém certamente deu sinal verde para tal medida”

    Você está mal informado ou está dando uma de desentendido? Bolsonaro falou, logo cedo no Chiqueirinho, que não iria fechar os aeroportos e que provavelmente esta nova variante já estaria no Brasil. Ocorre que os verdadeiros donos do poder, o Centrão, mandaram fechar e ponto final.
    Você deve saber também o que Bolsonaro estava fazendo fora de Brasília, politica paroquial junto ao seu sindicato.

    Ou é Centrão ou impeachment, Bolsonaro pode escolher. Ele já fez sua escolha. Arriou as calças. O que Ciro fez foi uma demonstração de quem manda e quem obedece.

  3. C. Eduardo, quem está sendo hipócrita é v.. De manhã, quando o PR disse que não fecharia fronteiras ele falava da Europa, onde há um recrudescimento da doença.

    Depois que ele falou isso, a Anvisa recomendou a suspensão de voos de 6 países, o que foi acatado pelo seu único ministro que pode emitir decretos (todos passam por ele), o da Casa Civil.

    O PR deixa seus ministros trabalharem e viaja ao Brasil para inaugurar obras, participar de formaturas militares, ter contato direto com a população de estados e municípios, como nenhum outro PR fez.

    Acreditar que Ciro Nogueira sequestrou a PR e manda no país é de uma cretinice sem precedente.

    Quem tem a população ao seu favor é Bolsonaro ir contra ele é ir contra a maioria da população. Políticos espertos (no bom sentido) já perceberam isso. Como tem eleição no ano que vem, eles querem estar do lado vencedor. Ser reeleito é o maior sonho de todo político.

Deixe uma resposta para João Francisco Cancelar resposta