DEU NO JORNAL

Alex Fiuza de Mello

O Brasil não está imune a um levante popular. Ao contrário. O presente cenário político apresenta todos os ingredientes indispensáveis à emergência do aludido lanço: insatisfação popular generalizada; hostilidade exacerbada entre agentes sociais; abuso de poder por parte de autoridades constituídas; difamação trivializada de reputações; manipulação e tendenciosidade da informação pelos meios de comunicação de massa; perversão e desfaçatez de condutas de agentes públicos; desrespeito sistemático ao Estado de Direito; desarmonia, assédio e desvios de função entre Poderes da República; ativismo judicial; descrédito progressivo do Poder Judiciário (STF na cabeça); impunidade criminal; fomentação de conspirações; tentativas de golpe, etc. – eventos que, somados, fermentam a descrença crescente nas instituições e em seus representantes, conduzindo impreterivelmente a sociedade à condição de barbárie e ao estado de guerra.

Acostumadas à passividade das massas e à sua ordeira submissão, as tradicionais elites políticas, em sua “bolha brasiliense”, ignoram e desdenham da possibilidade de uma contundente reação popular às suas ardilosas intrujices, ainda acreditando em seu incontestável e habitual mandonismo ou, no limite, na suposta ingenuidade e ignorância dos costumeiros súditos.

Vaidades e empáfias, com condimentos de egolatria psicopática, impedem Suas Excelências de perceber a gravidade do quadro que se desenha sob o seu próprio nariz e o movimento agitado das insondáveis correntes submarinas, que se deslocam, desapercebidas, no oceano turbulento da já convulsionada sociedade civil.

Por muito menos o estamento no poder da França do final do século XVIII foi guilhotinado em praça pública pelas multidões, cansadas de tanto descaso, injustiça e tirania, numa demonstração tácita de que ninguém está imune a repentinas “surpresas históricas”.

O que “Suas Majestades” ainda não compreenderam é que, em tempos de internet e de redes sociais, o tradicional “coronelismo analógico”, ancorado nos ordinários “currais eleitorais”, definhou de vez, juntamente com o antigo monopólio da informação, outrora reservado, com exclusividade, aos grandes e seletos grupos de comunicação – dos quais sempre foram sócias ou afiliadas.

Hoje, o terreno da política é outro. Como a extensão de sua arena e o alcance e pluralidade das alternativas da informação. Não há mais espaço para pensamento único, para mentiras veladas, para farsas impenitentes – sempre sujeitas a impetuosos e nivelados ricochetes e reações. Tampouco há ambientação para “esquecimentos seletivos” de reveladores fatos do passado – sempre passíveis de ressuscitação pelo resgate de imagens arquivadas na globosfera. O rei, o estamento corporativo-cleptocrático, portanto, está nu, em sua sanha delitosa – e toda a corte palaciana do entorno, acostumada à privacidade impune de suas privilegiadas e secretas regalias, ao custo da extorsão indecorosa de seus eternos e submissos acólitos e vassalos.

Sim, os tempos não estão para brincadeiras! O agravamento da crise política e moral empurra o país para o pântano de uma guerra civil, mesmo que oficialmente ainda não declarada. Os sinais e sintomas do esfacelamento de todo lastro de ordem social, com a falência do desempenho estatal e da legitimidade representativa (sobretudo no Congresso Nacional e na Suprema Corte), projetam o pessimismo e o descontentamento crescente da população, ameaçando a sua crença no futuro – a perdurarem os contornos da presente paisagem.

Eis que, depois de tanta bandidagem e humilhação, parecem emergir em cena os primeiros sinais de que o gigante acordou! A situação está por um fio! A corda, a qualquer momento, pode arrebentar – com chances de que a “revolução”, desta vez, não se dê pelo “alto”, mas pela base, pela ação direta do povo, finalmente despertado de seu sono secular.

Setores mais bem informados da sociedade já estão cientes da armação do golpe de Estado em andamento, previamente orquestrado nos bastidores mais recônditos dos escaninhos do poder, em concertação interinstitucional, suprapartidária e transnacional – tal-qualmente em outras paragens.

Grupos armados e organizados, à esquerda e à direita, já ensaiam, em surdina, suas táticas e meneamentos para o instante ainda indeterminado do presumível confronto, numa projeção antecipada dos territórios e trincheiras a serem ocupados quando chegar a hora “H”. Até lá, continuará a ser testada, de várias maneiras, entre as partes, a correlação de forças presente no cenário, a exemplo de um tabuleiro de xadrez, por meio de jogadas inesperadas de ataque e defesa, ação e reação, em lances sequenciais e surpreendentes, aos moldes de “gambitos da rainha”.

Tudo, por ora, são planos. Mas os planos são concretos e efetivos – e não fictícios –, em plena cinesia e execução, constituindo, por isso mesmo, parte significativa (e sinalizadora) da nebulosa realidade.

Quem sabe já não se vive o limiar de uma ensolarada “primavera tupiniquim” (de instauração de uma verdadeira república), até bem pouco tempo impensável nos quadros de nossas fleumáticas tradições? Ou, ao inverso, o advento de um rigoroso e prolongado “inverno brasílico” (de explícita ditadura cleptocrática), a congelar em grau máximo os vestígios mais lancinantes dos choros e rangeres de dentes sobejados? Quem sabe?!

Talvez tenha chegada a hora da inevitável encruzilhada; de ter-se que escolher, de uma vez por todas, entre a república democrática (da liberdade, da transparência e da justiça) e a cleptocracia oligárquica (da criminalidade legalizada, do engodo e do arbítrio) – por bem ou por mal.

Decerto, só o tempo dirá! Porém, pelo andar da carruagem, fica patente que tudo pode acontecer nesse contexto tão sombrio e gelatinoso, de difícil e laborioso prognóstico.

Enquanto isso, malgrado o perigo à vista, os protagonistas do caos continuam a brincar, desajuizadamente, de CPIs (caricatas e patéticas) e de reescrever, ao seu “estilo”, à sinistra – sem legitimidade para tal –, a Constituição, segundo seus devaneios e ambições, alheios e moucos ao clamor ensurdecedor das ruas, sem se aperceberem do rumor ameaçador que se avizinha e do timbre agudo de aviso prévio unissonamente entoado pelos inúmeros intérpretes, em vigília – já com exalação de hálito de pólvora nas notas sofregamente solfejadas.

8 pensou em “O RISCO DE UM LEVANTE POPULAR

  1. Querido Berto,
    Que felicidade em ver aqui no nosso JBF um texto do Professor Alex Fiuza de Mello, ex-reitor da Universidade Federal do Pará. Seus textos são um primor, pela coerência e honestidade com os fatos, algo raríssimo, hoje em dia, no meio acadêmico.
    Bem vindo Professor Alex, que venha nos abrilhantar com mais textos como este, nesse espaço, que considero único, no Brasil de hoje em que o jornalismo tradicional não existe mais, vendido para “O Mecanismo”, que o senhor tão bem já definiu.

  2. Uma coisa é certa, pelo voto, jamais mudaremos o país para melhor. A classe política, e gente do andar de cima, só pensam em seus interesses e vantagens que levam. Não pensam no país de forma nenhuma., Votamos em um cara que julgamos merecer nosso voto, ao chegar lá, o filho da puta se esquece de todas as suas promessas e passa a jogar no time dos sem vergonha. Temos que fazer uma reforma geral mas, para isso é necessário coragem e desprendimento.

  3. FHC ,membro do Clube de Roma,agente de George Soros,é o número 1 da lista de fuzilamento (9dedos em 2°).Artigo 357 do STM,parte de “nossa” constituição comunista de 1988,uma das maiores do mundo,ao contrário da americana (sete artigos contra 250 ,e 245 anos contra 32 )….

  4. Gente, tá na hora de relembrar que a base de toda essa excrescência política que tentamos exorcizar teve ou tem como base essa tal de constituição cidadã, gestada por mentes doentias, ainda hoje endeusadas com se fossem portadas por arautos da democracia.
    De cidadã não tem nada, a não ser a miséria que nos foi legada.

    • Professor, o senhor acertou na mosca. Com essa constituição elaborada por uma assembleia constituinte fajuta, já que um congresso eleito para uma legislatura ordinária, por sua própria conta, designou-se em assembleia constituinte usurpadora sem que o povo tivesse o direito de escolher seus constituintes. Mais uma vez, os brasileiros ficaram sem poder escolher seus constituintes em momento histórico, bem como, de fora, também ficou na proclamação da republica.. Com esta “constituição cidadã” o Brasil é um pais ingovernável. Temos que muda-la, mas, pelo voto, certamente, nunca vamos conseguir mudar nada. Abraço de um fubano de São Paulo para outro fubano, do Estado do Grão- Pará ..

Deixe uma resposta