MARCOS MAIRTON - CONTOS, CRÔNICAS E CORDEIS

Queridos frequentadores desta coluna, tenho me divertido com esse novo brinquedo, que é a edição de vídeos.

Gosto de adquirir novos conhecimentos. Vou aprendendo um recurso aqui, um efeito ali, e, a meu juízo, os vídeos vão ficando melhores.

Desta vez, aproveitando o clima romântico da semana passada, editei um clipe com o meu xote “O que é que eu faço com essa saudade?”.

O resultado está aí. Espero que gostem.

14 pensou em “O QUE É QUE EU FAÇO?

  1. Dia 21/02/2020, véspera do meu aniversário, fui presenteado com duas mensagens pelo WhatsApp. Uma escrita, outra em áudio.
    A escrita dizia “Minha participação no II Festival de Música da Assembleia Legislativa do Ceará.”
    O áudio trazia a música “O que é que eu faço com essa saudade?”
    Ouvi direto do som do carro.
    Eu, que trabalho andando por todo o RN, fiquei imaginando e planejando: quando eu viajar de novo passarei esse áudio para minha mulher.
    Aí, em março, veio tudo isso e eu não pude ainda executar o planejado.
    Mas tenho tempo e um resto de vida todinho ainda.
    Valeu, Marcos!

  2. Noooossa ……. !!!!!

    Grande poeta e agora, técnico em montagem de vídeo…. !!!!

    Que inicio de domingo legal……. Minha alma nordestina fica encantada….

    Que forrozinho delicioso, independente de estar ou não na estrada ….. !!!!

    Se estiver, com ela uma maravilha, senão, uma dorzinha no coração …..

    Obrigado por esta pausa nas tragédias que o nosso Brasil vive …..

    Saudações Fubanas……

  3. Meu caro amigo Marcos Mairton, creio que corremos o risco de perder um juiz.
    Essa produção, menos pelo clip que pela música, está de arrasar.
    Se um medalhão grava, e na sequência lança outras de tua autoria, vais ter de mergulhar de cabeça.
    Ah, em tempo, o clip está legal! O que eu quis dizer é que mesmo sem ele a música se segura sozinha.
    Tua apresentação também está correta, dá o recado legal.
    Ou seja, vem aí sucesso garantido.

    • Goiano, um medalhão querer gravar minha música; depois, ser possível viver de arte… É muita coisa. Difícil crer nessa possibilidade. Mas, se sonhar ainda é de graça… bem que eu gostaria! Abração!

  4. Meu caro amigo MM, creio que não corremos o risco de perder um juiz e muito menos o poeta, mas ganhamos agora, técnico em montagem de vídeo. Isso é que é polivalência.

    Disse Goiano:Tua apresentação também está correta, dá o recado legal.
    Pô, Goiano, confessa que o cara é ótimo, porra!!!!

    • Esse Goiano é exigente pra caramba, Sancho.
      Quando ele diz que uma coisa tá mais ou menos, a gente já pode comemorar.
      Muito grato pelo incentivo, amigo.
      Abraço!

  5. Opinião de um leigo que nem curte música apaixonadamente: “gostei prá caramba do clip”. Certamente, iria para a minha pequena coleçao musical.

  6. Marcos Mairton,

    Dediquei-os, clip e música, a minha esposa Virgínia Portella Tavares que, mesmo estando na presença dela, eu sinto saudade.São mistérios da alma que a gente não sabe explicar.

    Valeu Mestre! Só o JBF para nos proporcionar essa emoção!

Deixe uma resposta