CONSTÂNCIA UCHÔA - "IN" CONSTÂNCIAS

Todo ano era certo, o Carnaval. Certo no sentido de ser sagrado, porque o Carnaval desfilava ritmado e pulsante, liberto, portanto, das algemas das correições excessivas tão incansavelmente realizadas por comissões que se creem julgadoras (A “Santa” Inquisição Social). Sagrado apenas por fielmente existir, porque era festa da carne e da subversão à ordem. Fidelidade também não costumava casar com a festa momesca e, sob vertigem da pandemia, fomos obrigados a conjugar o referido existir no pretérito (de preferência no mais-que-perfeito).

Confesso que não mais sei se o período carnavalesco de fato existira, ou se fora apenas fantasia de um coração em folia. Uma grande – e boa! – ilusão coletiva, onde a comunhão dos interesses alegóricos preenchera de cor, com alegria, as lacunas de uma realidade crua.

As máscaras foram então substituídas, sem festejo algum. As atuais, as de proteção, nos isolam do que há de mais intrínseco ao ser humano: o direito aos seus sonhos.

O enredo obscuro dos últimos tempos nos tirou o carnaval, pero o amor jamais.

E, na fumaça de outros carnavais, trago Amor de Rebuliço.

AMOR DE REBULIÇO

Tem ex que fica valente
Tem amigos na folia
Tem beijo na alegria
Dança sacudindo a gente
Tem beijo que é diferente
Para unir o casal
Tem cheiro ao natural
Coisa botada e feitiço
Tem tudo que é rebuliço
Num amor de carnaval

Tem frevo que vem primeiro
Tem pingo de meio dia
Tem moído e tem magia
Tem boca e banho de cheiro
Tem chuva de fevereiro
Tem suor sabor e sal
Tem lambida que é normal
Sem gostar de compromisso
Tem tudo que é rebuliço
Num amor de carnaval

Tem também desconfiança
Que o clima ali é leve
Empatador que se atreve
A querer entrar na dança
Tem pinote que não cansa
Tem cachaça sem igual
Tem o bem e tem o mal
Que a carne é feita disso
Tem tudo que é rebuliço
Num amor de carnaval

Tem fantasia enganchando
Tem encontro por acaso
Tem prestação sem ter prazo
Pra pagar amor amando
Tem sorriso derramando
Num lugar especial
Tem encaixe que afinal
Derruba um cílio postiço
Tem tudo que é rebuliço
Num amor de carnaval

22 pensou em “O QUE É QUE A FOLIA TEM?

  1. Constância, depois de ler O QUE É QUE A FOLIA TEM, só me resta pedi socorro a FALCÃO:

    “Você é a letra x da palavra love
    Você é o que sobrou do que nunca houve
    Na matemática do amor
    É o seis de um 69
    Você é o que move, remove e o que me comove
    Você pra mim é uma vírgula antes de um zero
    Você é o que eu quero, venero e o que eu mais espero
    E até que o professor Pasquale
    Ao contrário me prove
    Você é a letra x da palavra love.”

    Genial mais uma vez!

    Jesus Ritinha de Miúdo nos apronta cada uma!

  2. Mestre Assuero. Presente.
    Não esqueci que é domingo. O domingo é que esqueceu de mim.

    A Poeta dominical. Angelical. Hoje, nos brinda com outro primor de poesia, em seus versos sobre carnaval.
    “Carne vale” ou “Carnis levale”. Abster-se da carne. Jejuar de carne. Entre nós mortais pecadores é o símbolo do profano, dos encontros e desencontros de amor.
    Onde, ela lindamente versejou, no seu mote: “Tem tudo que é rebuliço. Num amor de Carnaval”.

    Quem nunca brincou Carnaval. Ao ler seu poema, com certeza, fará um passeio de conhecimento e descobrimento sôbre a festa de “Amor de Rebuliço”.

    Essas “In” Constâncias da Constância. Acende em todos nós um pavio explosivo, misterioso, imaginário e fantasioso. Basta olharmos e admiramos sua beleza. Mais ainda, nessa foto de foliona sorridente e feliz da vida. Com essa camiseta estampando um “Vamos evitar processos”. Sábia mulher. Diante desse constante encantamento, eu teria sido condenado à morte ou à prisão perpétua dentro do seu coração. Disso eu não tenho dúvida.
    “Tem tudo que é rebuliço
    Num amor de carnaval”

    Constância. Escrevo para você. Estou respondendo ao Sr. Assuero para firmar minha presença, aqui.

    Para o senhor um forte abraço, agradeço por ter sentido minha ausência, momentânea.

    Constância. Para você, linda e maravilhosa mulher. Uma semana inteira de “Amor de Rebuliço”. Desde que você seja o “Amor” e o “Rebuliço” e eu, o “Rebuliço” e o “Amor”.

  3. Assuero, Luiz Carlos Freitas, Constância, AQUI ESTOU.

    E chego recorrendo a quem sabe escrever: “Tô me afastando de tudo que me atrasa, me engana, me segura e me retém. Tô me aproximando de tudo que me faz completo, me faz feliz e que me quer bem.“ Caio Fernando Abreu

    Retornei agorinha de Três Corações, onde fui levar carregamento de coco. Voltei “tricordiano” após despedir-me da estátua de Pelé às margens da Rodovia Fernão Dias, um convite para visitar na cidade a Casa do Pelé, réplica daquela em que nasceu o jogador, e o Museu Terra do Rei.

    Como agora tenho TRÊS CORAÇÕES, abrigarei em cada um, quem de direito: ganharam moradia própria em meu peito Assuero, Luiz Carlos Freitas e Constância, que já moravam de aluguel no antigo coração,mas (tricordiano mas), agora possuem casa própria devidamente quitada no peito sanchiano, que os leva para onde o Quixote Véi di Guerra me levar…

    Beijo os três com o carinho e a amizade que angariaram junto a Sancho.

    Quanto à poetisa carnavalesca, o que dizer?

    Melhor não dizer e copiar os versos da ruiva poeta:
    “Coisa botada e feitiço
    Tem tudo que é rebuliço
    Num amor de carnaval”.

  4. Pois é……

    Sem querer “fazer fuxico” mas deixar esta poetisa fascinante, na espera, é simplesmente inaceitável…..

    Fiquei aguardando, desde as 12 horas, no meu canto, quieto, para nao parecer “inxirido”

    Só que, “pessoas dizem por aí” que LCF, Sancho e Assuero tinham coisas mais importantes “para fazer” do que paparicar esta menina com a constância que as confissões apaixonadas nos levaram “falsamente” a acreditar

    O povo diz que “quem ama cuida”….

    Sem querer “julgar o mérito” e mesmo sem “acreditar em nenhuma fofoca” acho que esse pessoal não tá nem aí com ela….

    Eu odeio intrigas mas onde tem fumaça tem fogo…..

    Inaceitável mas muito, muito provavel

    • Mas, agora deu a peste mesmo!!!!! Como é que pode paparicar com a constância dita se tem coisas mais importantes para fazer? Ah! meu nobre cidadão nordestinês, Nas prioridades Constância é lexográfica AConstância. Então, deixe de inveja, compre um terço, um rosário, reze um credo, três pai nosso, e cinquenta Ave marias, pra afastar esse sentimento de inveja…. domingo que vem acorde cedo e fique de butica aberta esperando ela aparecer.

      • Pois é …..

        Eu fiquei e aguardando das 12 até 20 horas, até para não ser chamado de “inxirido”…

        Sem querer fazer intriga, acho que a linda Constância ficou triste com este comportamento inaceitável, daqueles que pareciam tão apaixonados mas simplesmente esqueceram dela ……..

        Como cidadão Nordestinês, nao posso aceitar uma descortesia desta com uma dama que só nos dá alegria e de boa índole acredita nas “palavras falsas” de homens “enganadores e mentirosos”…..

        Não é que goste de apagar fogueira com gasolina mas ” li por aí ” que ela também achou inaceitável esta postura de desprezo e deve estar tiririca com vocês ………

        Pensando na saúde desta turma acho que deveriam “se afastarem-se” da moça permitindo que ela se recupere deste amargor e possa achar gente “apaixonada” de verdade por ela…….

        PS: Não gosto de fuxico mas “ouvi por aí” que ela não quer mais saber de vocês …… Só “ouvi dizer”..

Deixe uma resposta