MARCELO BERTOLUCI - DANDO PITACOS

Segundo meus parentes, meu bisavô era um dos homens mais ricos de sua cidade. Ele não tinha TV, nem rádio, nem telefone. Não tinha luz elétrica nem água encanada. Para suas “necessidades”, ele se dirigia a uma casinha nos fundos do quintal.

“Que riqueza é essa?”, devem estar pensando meus leitores. Bem, era a riqueza de 1910. Significava ter uma boa casa na rua principal (além dessa, a cidade só tinha mais três ou quatro), usar roupas boas e ir para a cama sem medo de não ter o que almoçar no dia seguinte.

O conceito de riqueza mudou com o tempo. Principalmente, porque passou a ser possível ter coisas que antes não existiam. De onde vieram estas coisas? Quase sempre, vieram da vontade de alguém de ganhar dinheiro fazendo algo que as outras pessoas queiram. Thomas Edison achou que as pessoas pagariam para ter lâmpadas elétricas ao invés de lampiões. Henry Ford achou que as pessoas pagariam para ter um automóvel no lugar de um cavalo. Steve Jobs achou que as pessoas pagariam para ter um troço chamado computador. A isso chamamos LIVRE MERCADO.

“Ahhh, mas meu professor falou que o capitalismo é malvado e opressor!”, estão pensando alguns leitores. Bem, antes de mais nada, “capitalismo” é dessas palavras que mudam de significado de acordo com as convicções (e intenções) de quem fala, como “democracia” e “justiça social”. Seu uso era muito raro até que um certo Marx a usou como sinônimo de algo “do mal”, e desde então muita gente seguiu este conceito.

Fundamentalmente, “capitalismo” vem de “capital”, óbvio. É um sistema econômico onde existe o dinheiro como meio de troca, e a acumulação de bens como forma de aumentar a produtividade e a riqueza.

Acumulação de bens não tem nada a ver com tomar a comida da mão das velhinhas e das criancinhas. É o processo de transformar os recursos em bens de capital ao invés usá-los para o consumo. Alguém que ganha a vida fabricando cadeiras pode, ao invés de gastar o lucro, investir em máquinas para produzir mais cadeiras a um custo menor. E depois investir este lucro em mais máquinas para fabricar também mesas e armários, e assim por diante. Resumindo, acumulação de bens = investir ao invés de gastar (presumindo que os bens sejam úteis, claro. Quem acumula bens inúteis apenas pelo prazer de tê-los é um colecionador)

“Ahhhh, mas querer ganhar mais é ganância!”. Claro. O ser humano é movido por incentivos. O capitalismo tem como princípio dar a todos a chance de enriquecer através de TROCAS VOLUNTÁRIAS. Se você faz algo que os outros gostam, você se dá bem e fica rico. Se os outros não gostam, não compram e você fica pobre. Funciona melhor do que fingir que todo mundo é bonzinho e trabalha pensando apenas no bem comum, coisa que já foi tentada várias vezes e nunca deu certo.

“Ahhh, mas os monopólios…” O Capitalismo de Livre Mercado não presume a existência do governo; pelo contrário, considera-o dispensável. Sem governo, cada um é livre para escolher a quem dar seu dinheiro. Você gosta de funk? Compre o CD da Anitta. Prefere axé? Compre o da Ivete Sangalo. Não gostou de nenhum? Não compre. Por definição, em um sistema livre não pode existir monopólio: qualquer um que ache que pode fazer melhor ou mais barato é livre para fazer e concorrer.

Infelizmente, a natureza humana tem muitas imperfeições. Um dos nossos grandes defeitos é gostar que alguém “nos proteja” tomando decisões e assumindo responsabilidades por nós. Esse alguém se chama governo. A existência do governo permite a existência de uma degeneração do capitalismo chamada Capitalismo de Estado (ou Capitalismo de Compadres). Nele, o livre mercado deixa de ser livre: em nome de proteger os cidadãos, o governo cria regras, regulamentos, controles, etc., que limitam a escolha. Você não pode mais comprar aquilo que prefere, apenas aquilo que o governo permite que seja oferecido, o que geralmente significa conceder privilégios aos que são amigos do dito governo. O paradoxal é que quase sempre que isso acontece, as pessoas clamam por mais governo, esperando que ele resolva os problemas que ele mesmo criou.

“Ahhh, mas o governo faz muitas coisas…” É importante não esquecer que a palavra “governo” é uma abstração. Um governo é apenas um conjunto de pessoas que conquistaram os privilégios de viver às custas dos demais e de tomar decisões em nome de todos. Embora não seja impossível que os membros do governo ajam de forma criativa, eficiente e produtiva, isso é pouco provável devido à falta de incentivos. Se não há vantagem em correr risco, porque fazê-lo? É mais seguro evitá-los, e é por isso que governos em geral não criam nada novo. Você lembra de algum avanço tecnológico que foi produzido por um governo? O mais comum é que o governo assuma a tarefa de fazer algo proibindo que os outros façam (hidroelétricas, por exemplo). Aí alguns clamam “Está vendo? Sem o governo, não teríamos hidroelétricas!”, quando a verdade é que, se o governo deixasse, não apenas teríamos hidroelétricas como elas poderiam ser construídas sem propinas e superfaturamentos.

“Ahhh, mas no capitalismo existem pobres…” Sim. A pobreza é a condição natural do ser humano. Comida tem que ser plantada e colhida, roupas não se fazem sozinhas, casas não brotam do chão. Há dois ou três séculos atrás, mais de 80% da humanidade ia dormir sem saber se teria o que comer no dia seguinte. Durante boa parte da história, a maior parte da população não era dona sequer de sua própria vida: eram propriedade dos reis, condes ou czares. Hoje, graças ao desenvolvimento tecnológico, a fome é um problema para menos de 20%. Ao contrário do meu bisavô, hoje mesmo quem não nasceu nobre pode ter um carro, um computador, uma máquina para lavar roupa.

Repetindo: todas as facilidades da vida moderna nasceram do interesse de alguém em ganhar dinheiro oferecendo às pessoas coisas que elas queiram; e a possibilidade de fazer estas coisas veio do acúmulo tecnológico. Se podemos comprar um carro hoje, é porque há trezentos anos atrás alguém construiu uma máquina de fazer parafusos. Se até hoje os parafusos fossem feitos à mão, um a um, um carro (se existisse) seria um privilégio de poucos, porque seria caríssimo.

O capitalismo vai acabar com a pobreza? Provavelmente não, já que o progresso modifica constantemente o conceito de pobreza. Nos anos 60, pessoas ricas tinham uma tv (preto-e-branco) na sala. Hoje, quem tem apenas uma tv em casa é pobre (mesmo sendo uma LED full-hd). Mas se considerarmos o conceito de riqueza de um século atrás, hoje quase todas as pessoas do mundo capitalista são ricas, ao contrário dos poucos países que ainda pregam que o capitalismo é ruim, onde até mesmo comer todo dia ainda é um desafio.

Para terminar: o capitalismo é bom? Na verdade, o capitalismo é algo tão inerente ao ser humano que é difícil imaginar o mundo sem ele. Já houve tempos mais livres, em que o conceito de “livre mercado” era mais usado. Hoje, o controle do governo vem aumentando em todo o mundo chamado “democrático”, sob disfarces como “social-democracia”, “estado de bem-estar social” ou “neoliberalismo”. No mundo não-democrático, ainda se tenta fazer de conta que a negação do capitalismo funciona, enquanto se pratica o capitalismo às escondidas. O capitalismo só não é bom para quem tem medo de ser adulto, e prefere viver agarrado na mão do governo. Mas é graças ao capitalismo que eu posso escrever este texto no meu computador e você pode ler no seu.

Deixe uma resposta