COMENTÁRIOS SELECIONADOS

Comentário sobre a postagem NA PRAÇA DA CASA FORTE

Ronaldo Ferreira:

Sr. Berto,

tenho o prazer de trabalhar em um dos prédios situados na Praça de Casa Forte, quase ao lado da Casa Paroquial.

E tive a honra de conhecer o Padre Edvaldo, não intimamente, mas que deu para sentir a personalidade impar.

Já vi vossa senhoria tomando café ou almoçando na Padaria Delicias da Praça !!!

Esta vista torna o trabalho mais leve e a chegada mais linda !!!

* * *

Nota do Editor:

De fato, caro leitor, sou freguês da Padaria Delícias da Praça, e costumava almoçar e tomar o café da manhã por lá, antes deste fechamento geral dos restaurantes determinado pelas nossas apavoradas autoridades.

A sopa de legumes na hora da janta era um dos meus pratos prediletos.

Com o restaurante da padaria desativado, atualmente eu apareço por lá só pra me abastecer de pão, queijo de coalho, mortadela, bolacha, biscoito, patê de queijo do reino, pamonha e canjica.

Vou lá mesmo quando a despensa está abastecida: é só pretexto pra bater pernas na rua e rever a minha encantada Praça da Casa Forte.

Dá próxima vez que você me ver por lá, caro leitor, se identifique, por favor, pra gente jogar conversa fora. Será um grande prazer.

Pois a frente da padaria dá exatamente para a lateral da igreja do bairro, onde brilhava e espargia paz o nosso saudoso e sereno Padre Edvaldo.

Um ícone, um símbolo, uma figura querida do bairro de Casa Forte e da cidade do Recife.

Nomeei Padre Evaldo como sacerdote da minha igreja, a Igreja Católica Apostólica Sertaneja, e ele sempre me chamava de “Papa Berto” e me pedia a bênção quando nos encontrávamos.

Era a maior zorra!!!

De vez em quando eu e meu amigo Zelito íamos à casa paroquial acompanhá-lo numas talagadas de uísque, que ele tomava com muito gelo e em goles miúdos. Levava a noite toda pra secar um copo.

As fotos abaixo foram feitas em outubro de 2006 (já lá se vão 14 anos…), durante a tradicional Festa da Vitória Régia, que Padre Evaldo criou para arrecadar fundos pras suas obras em favor dos necessitados.

Nestas fotos eu apareço com os queridos amigos Zelito e Adelmo, posando ao lado do nosso saudoso e amado padre.

E nós, caridosos e prestativos, contribuíamos para as obras fazendo despesa nas muitas barracas que eram instaladas em redor dos canteiros da praça, enchendo a cara e mastigando com firmeza.

Tinha uma barraca que oferecia um sarapatel maravilhoso!!!

Excelente cachaça, cerveja gelada e tira-gostos de primeira.

Era bem significativa a contribuição que dávamos para as obras do Padre Edvaldo com as nossas farras!

Essa abstinência compulsória me deixa com o peito cheio de saudades…

3 pensou em “O PADRE NOSSO

  1. Que haja fé, apesar das tempestades POLÍTICAS que assolam a pátria mãe gentil… Por Santa Aline, Padroeira desta gazeta escrota, que Deus dê vergonha a essa gente simples como Sancho, que entra diariamente nesta Igreja Bertiniana (alguém se lembra da “Iglesia Maradoniana”, fundada em 1998, na cidade de Rosário, Argentina!?) em busca de palavras de conforto.
    Conforto este que pode vir em prosa ou em verso. Indico os apóstolos poetas de Papa Berto (Jesus de Ritinha de Miúdo, Dalinha e Pedro Malta).

Deixe uma resposta