MARCOS ANDRÉ - DADO & TRAÇADO

Quando estudante, pobre de periferia, no antigo segundo grau, fui quase que, naturalmente, arrebatado pelo sonho do socialismo. Aliás, estava fazendo parte (e com muito fervor) da profética frase de Che Guevara “Ser jovem e não ser revolucionário é uma contradição genética” . E alí estava eu, prontinho para não contrariar a genética.

Estava pronto para difundir e defender o sonho da partilha das riquezas, o bem estar do trabalhador, uma vida igualitária sem divisão de classes… coisas do tipo. Trabalhando num banco estatal, fiz parte do sindicato da categoria. Vigor e convicção contra banqueiros, empresários, militares e “o imperialismo americano”, não me faltava. Eu era o dono da razão.

Já na faculdade, fazia parte do diretório ou centro acadêmico. Colegas, em maioria esmagadora, navegavam nas águas agitadas do “socialismo”. Muitos planos para mudar o mundo e livrá-lo da tirania ianque, militar e empresarial que tanto atormentava os povos.

Formados, cada qual tomou seu rumo. Voltei a encontrar alguns colegas na pós graduação e mestrado. Em sua maioria, tornaram-se notórios advogados de respeitáveis bancas. Outros, juízes, escritores, procuradores e promotores. A diretora da faculdade sempre se gabava daquela turma. Todos estavam bem colocados, financeira e profissionalmente falando. Quiçá, eu representava o patinho feio da turma.

Num daqueles encontros de confraternização, fui questionado por um juiz da turma, como estava meu ímpeto socialista. Logo ele, um juiz federal com direito a seguranças e toda espécie de auxílios e penduricalhos inerentes ao cargo. Respondi que continuava, principalmente agora, mais socialista do que nunca. Mas um socialista de verdade. Não daquele socialismo traçado pelos news eruditos, cuja morfologia, propositadamente criados para nada explicar – socialismo, comunismo, marxismo, anticapitalismo, e outras baboseiras “etnoliguisticas” do termo – Tipo: o socialismo conduz ao comunismo… tendo em vista que… conforme a teoria e a definição de fulano… haja saco!

Expliquei que, antes, eu só ficava no discurso, no mundo da fantasia, na ilusão juvenil – percebi que não consertava nem minha vida e queria solucionar a do mundo todo. A ficha caiu, meu caro colega!. Não deu pra acabar com a pobreza do mundo. Paciência, né? Hoje, vivo razoavelmente confortável para os modestos padrões atuais. Como socialista voluntário, vou tocando meu comunismo particular. Ajudo em creches e abrigos. Por conta própria, distribuo alimentos (sopa e sanduíches) e roupas aos sem tetos. Dou até orientação jurídica gratuita de pequenos problemas do cotidiano deles. Nesta convivência, percebi o quão vasto é o mundo comuno-socialista. Ele deve começar no seu recinto, na sua família, seu vizinho, seu quarteirão ou sua rua. Estenda ao seu bairro. Isto é quase impossível um jovem entender.

Esqueça que com a mesada do pai e uma camisa do Che se mudará o mundo. Quando ele se der conta, terá constituído família. Verá que perdeu tempo expressando sua revolta em manifestações onde tudo que tinha a oferecer e mostrar foi destruição e danos ao patrimônio, por conta de suas frustrações pessoais e políticas. Cuidam hoje eles, para que não sobre espaço na mente dos seus filhos, para nutrir rancores ideológicos. Que as pessoas bem sucedidas não sejam o próximo inimigo a ser combatido. Cuidam para a mídia não recrutá-los como mais um soldado progressista que procurará a todo custo não desvirtuá-los da infame contradição genética.

Como foi bom rever os revolucionários da faculdade. A velha turma do diretório acadêmico de esquerda estava toda ali, se refestelando entre frutos do mar, carnes exóticas nobres e degustando finas bebidas de grife, como todo bem sucedido capitalista gosta e merece (cadê os colegas socialistas?). Boas lembranças, beijos e abraços. Antigas paqueras e casos relembrados. Já marcando outro encontro de confraternização para o mais breve possível. Uns negociando o próximo encontro. Quem sabe até trimestral, ou antes, mesmo. Com meu proselitismo de realidade socialista, consegui até “aliciar” alguns colaboradores da “honoris causa”.

P.S 1 – Tinha ido de UBER ao encontro no restaurante do hotel. Na volta, como estava demorando contatar o serviço, recebi um mimo todo especial de um colega: Esquenta não, compadre! Faço questão que o meu motorista te deixe em casa. Oferta do maior e mais ferrenho comunista da turma.

P.S 2 – Ao adentrar no luxuoso automóvel, mais incontidos que os abraços foram os sorrisos e gargalhadas, que provoquei em todos quando bradei:

HASTA LA VICTORIA SIEMPRE!!!

E VIVA LA REVOLUCION!!!

20 pensou em “O MEU SOCIALISMO

  1. Marcos, meu nobre Marcos… você ajudou a solidificar ainda mais a minha teoria sobre o socialismo que diz assim: O socialismo termina no primeiro boleto que o indivíduo tem a pagar.

    Excelente texto… Meus parabéns… instrutivo e com uma limpidez que, só cegos por vontade não o verão e estúpidos por convicção não o entenderão.

    • Só cegos por vontade não o verão e estúpidos por convicção não o entenderão.
      Caro Roque,
      Vasculho este JBF de fio a pavio em minhas insones madrugadas e constato a quase inexistência neste espaço de tais seres que perderam a consulta ao oftalmo e ao psiquiatra. O universo fubânico no agora é constituído por 99% de conservadores e 1% de enrustidos, que não o confessam, mas que teclarão 13 em 2022.

      • O Besta Fubana é feito coração materno, cabe filhos de toda espécie. Pródigos ou não.
        Desconfio que nas urnas dos bestafubanenses aniquilaram a tecla treze. Ela só trouxe tristezas e decepções.
        Me parece que Barroso quer melar de barro a conferência dos votos.

        Bem aventurada seja sua participação neste humilde espaço, compadre.
        Hasta lá vista, Sancho!

    • Caríssimo Roque, lisonjeado me sinto com vosso parecer crítico.
      Somos feito soldados da batalha diária. Os generais de gabinete almejam vecer a guerra, mas quem dá sua vida está no pelotão de frente. É a infantaria do cotidiano que nos leva a traçar cada passo dado.
      O socialismo de botequim é o típico argueiro no olho dos outros.
      A trave da ideologia deles é imaginaria.

  2. Caríssimo,
    Lendo seu texto aprendi que contrariei a genética guevariana por toda a minha vida. E a culpa não foi minha, foi de minha Desengano querida, que de tão pequena e atrasada, não viu chegar a BOA NOVA vermelha aos grêmios estudantis ou às ruas.
    A famosa boina do QUERVARA nunca ornou cabeças desenganenses, muito menos o fétido charuto do genocida cubano, chefe guevariano. A China e a Rússia são tão distantes de Desengano que nunca foram desenhados nos mapas das aulas de geografia. Nossos professores de história e socialogia jamais falaram na luta de classes e o método freireano jamais rondou nosso currículo escolar ou pesadelos.
    Isso me faz pensar se minha Desengando na verdade não pertence a algum distrito de Nárnia.
    Vou pesquisar.
    HASTA LA VICTORIA SIEMPRE!!!
    Viva la verdadera amistad!
    E VIVA LA AMISTAD ENTRE MARCÃO E SANCHÃO!!!

    • Hasta lá vista, Sancho!

      A genética do teu DNA é pura literatura e lucidez Sanchiana.
      Quem “vevi”, verá!

  3. Caros colegas Sancho Pança e Marcos André.

    Não entendi direito a polêmica de vocês, mas gostei assim mesmo.
    O que gostaria de saber de vocês, é como pode-se ajudar a entender e resolver esse impasse/tragédia sanitária, politica, social, econômica, ambiental, cultural…. que assola o País?

    Objetivamente, quem terá mais chances em 2022?: o coisa ruim ou o coisa menos ruim?

    • O coisa ruim não tem a população a seu favor, conforme atestam os movimentos vermelhos em fotos e vídeos com meia dúzia de gatos pingados.
      O coisa menos ruim arrasta multidões atrás de si.
      Dizem boas e más linguas que as urnas não são confiáveis, insinuando alguns que isso favoreceria o coisa ruim em detrimento do coisa menos ruim.
      Em 2022 votarei no coisa menos ruim, a quem chamo Jair.

    • Dileto Dom Duarte, feliz estou com vossa participação e interação.
      Creio que o coisa menos ruim está despiorando a situação. Não é fácil ter os podetes legislativo e judiciário militando contra o executivo. E ainda mais com o auxílio da mídia sedenta de ódio pelo corte das boquinhas. O jogo consiste em saborar qualquer ação que possa positivar o governo, mesmo que prejudique toda população. Ao menos é isto que nos é fartamente demonstrado até agora.
      Em outros países toda população se uniu pra combater a pandemia, aqui a pandemia é usada para tentar derrubar um presidente. Mas ele tem o apoio do povo.

  4. Tbm já fui socialista,frequentava reuniões em sindicatos ,participava de passeatas e etc.Hoje,vejo que, socialismo,comunismo, só é bom para os dirigentes e apaniguados.
    Pena que,em algumas “democracias”,ocorra o mesmo.
    Infelizmente!

    • Pura verdade, Sr. Gilberto. Por isso os nossos comunistas, quando se auto exilam, só procuram países capitalistas. E as férias dos filhos tem a Disney como endereço certo. Levantar bandeiras socialistas rende votos e prestígio junto aos robôs ideologizados. A mídia funerária dá o maior apoio.
      Grato pelo comentário.

  5. Graças ao meu bom Deus, eu nasci e cresci em um lar militar ,conservador e de direita. Fui adolescente , ensino médio, escola pública, assistindo aula de sociologia e filosofia, justamente no tempo do desgoverno do ex-presidente-presidiário e alma viva mais honesta do Brasil. Entretanto, já tinha a minha opinião formada sobre essa “idiotologia” esquerdista- alienatória, cujas mentes fracas são facilmente afetadas e manipuladas. Mas , a minha não. A minha é blindada !

    • Uma sólida formação moral é muito importante Dr. Saulo.

      O ensino médio e o universitário viraram pura arapuca discursiva ideológica que corrompem nossos jovens.

      Há de se ter muito equilíbrio para não sucumbir.

      Obrigado por vossa participação.

      • Sempre à disposição , honorável Dr. E Mestre na filosofia, Marcos André. As universidades são verdadeiros “Campus de Concentração ” alienatórios. Eu sempre faço abservações jocosas, afirmando que deveriam ser pintadas de vermelho , com a bandeira da União Soviética (pano de chão) na entrada principal, e , os quadros dos herois deles, para servirem de inspiriração à conclusão do curso. 😂😂😂😂😂😂

  6. Parabéns pelo excelente texto, prezado Marcos André.

    O sonho do socialismo sempre seduziu os estudantes do 2º grau, e universitários, principalmente da área de Ciências Humanas.. Poder mudar o mundo e lutar contra os poderosos, é uma ideia fixa, na mente dos idealistas, nessa fase da vida. Mas, nem todos conseguem pôr em prática esse ideal,

    Grande abraço!

    • Querida Violante, obrigado pela honrosa participação.
      Seu comentário me lisonjeia e enriquece com sua beleza e graça.
      Do ideal socialista aprendemos com o dito popular: na prática a teoria é outra.
      Saudações!

  7. Marcos André Cavalcanti, excelente texto.

    Considero a frase do genial Millôr Fernandes apropriadíssima para ungir seu excelente texto: “O comunismo é uma espécie de alfaiate que quando a roupa não fica boa faz alterações no cliente.”

    Para mim a melhor definição de socialismo é quando o sujeito se dispõe, voluntariamente, a ajudar aquele seu semelhante que está à beira da estrada esperando carona para seguir adiante sem fazer calo nos pés!

    Parabéns pelo texto, nobre causídico.

  8. Gratissimo pela participação, Mestre Cícero.
    As distorções propositais das teorias de Marx e suas aplicações resultaram em flagelos genocidas onde foram “implantadas.
    Mas isto não é chamado ao debate. Para eles é só um detalhe.
    O bom e velho Millor é que sempre esteve certo
    Forte abraço.

  9. Obrigado, professor Kleber.

    Fico feliz com sua declaração de leitor dos meus artigos.

    Opiniões assim, sempre me incentiva a traçar minhas humildes e sinceras linhas aqui, na coluna.

    Gratificado com sua colaboração.

    Forte abraço!

Deixe uma resposta