A PALAVRA DO EDITOR

Pesquisando o que escreveu o historiador de filmes épicos, Paulo Telles, chegamos ao ano de 1964, e no deparamos com o diretor italiano Paolo Pasolini, MARXISTA e ATEU, quando lança O Evangelho Segundo São Mateus, a versão mais polêmica (ao lado de A Última Tentação de Cristo, de 1988, de Martin Scorsese) da vida de Cristo. Sem a aura de santidade expressa em Rei dos Reis (1961) de Nicholas Ray, A Maior História de Todos os Tempos (1965) de George Stevens, e Jesus de Nazaré (1977) de Franco Zeffirelli. Neste filme o CRISTO é um Messias bárbaro, um agitador das massas que usa seus sermões em defesa dos oprimidos, com o intuito de transformar um mundo socialmente injusto.

O leitor poderá perguntar por que um ATEU se interessar em filmar a vida de Jesus Cristo. Muito simples: a figura de Cristo exercia nele uma fascinação não religiosa, mas poética e política. E em Cristo ele admirava sua poesia, força, e carisma. Apenas não aceitava Jesus conforme a Igreja Católica e a teologia, mas acreditava que a mensagem de Jesus conforme o Evangelho de Mateus era revolucionária, ao passo que, para o cineasta italiano, Cristo era uma personalidade corajosa, rebelde, e revolucionária tal qual sua mensagem. Era o Cristo que ia salvar o povo não das penas do inferno, mas da própria ignorância do ser humano.

A película épica que tem a duração de mais de duas horas segue de maneira fiel os textos de Mateus sobre todas as etapas da vida de Cristo, de seu nascimento à ressurreição. O Cristo pasoliniano( referência feita ao cineasta e escritor italiano Pier Paolo Pasolini), no entanto, é revolucionário, mais HUMANO que DIVINO, com muitos traços de doçura e que reage com raiva à hipocrisia e à falsidade dos homens. A obra prima de Pasolini, consegue, com recursos limitados realizar um filme belo, cativante e intenso. Uma forma poética em alguns aspectos de se contar a história de Cristo, já conhecida por muitos. É um filme simples, belo e poético e político também!!!

A Igreja e os fiéis censuraram o diretor italiano Pasolini pela falta de doçura do intérprete de Jesus, no entanto era um Cristo destinado a ser um nativo rebelde à prepotência colonialista profeta apocalíptico da riqueza ilícita, de açoite em punho fazendo a reforma agrária para perplexidade e horror dos falsos pregadores e beatos apegados à propriedade privada. Pasolini põe as melhores parábolas e ensinamentos na boca de seu intérprete principal, ora doce, ora feroz, tudo emoldurado por uma fotografia linda e trilha sonora espetacular, trilha esta que, além do erudita, traz até um emocionante blues de raiz, para quem prestar bastante atenção.

O Evangelho Segundo São Mateus traz uma figura que repassa seus ensinamentos, mas ao mesmo tempo é reacionário, gritando por muitas vezes, humano, chorando em outros momentos, assustador, sussurrando acontecimentos futuros. Todos já conhecem a história bíblica e Pasolini é extremamente sagaz ao se aproveitar disso para contar uma história sutil, sem muitos diálogos em seu início mas de uma profundidade enternecedora. No filme, Jesus não é apenas um barbudinho bonitinho de olhos azuis, com cara de coitado e fala mansa. De fato, Cristo foi muito mais do que isso. As Suas palavras eram afiadas como espadas, provocavam as paixões humanas, e mudaram o mundo para sempre. E a fita capta essa essência, sem sentimentalismo barato, sem enfeites ou rodeios.

É curioso que, recentemente, há cerca de pouco mais de 10 anos, o Vaticano tenha elegido o filme como o melhor sobre a vida de Jesus quando que na época do seu lançamento não foi bem visto por eles. Como já disseram é realmente espantoso que o melhor filme sobre Jesus (por muitas pessoas e até mesmo o Vaticano) tenha sido feito justamente por Pasolini(UM ATEU CONVICTO!!!). Há quem diga que o filme perde alguns pontos pelo elenco amador, pois é justamente o contrário, vê-se que esse é o ponto mais bonito do filme e que torna ele mais especial e comovente, é o povo representando o povo, é ter um Jesus com algumas características diferente do que temos em mente e acho que com elenco profissional não teria a mesma força.

Como não poderia deixar de ser, houve protestos violentos contra o filme, e a EXTREMA DIREITA jogou ovos podres no Palácio do Festival de Veneza durante seu lançamento, que, paradoxalmente, acabou ganhando o prêmio do Escritório Católico Internacional de Cinema, e cuja obra foi dedicada à memória de João XXIII, por Pasolini considerá-lo o papa mais próximo das ideias progressistas do evangelista Mateus, que procurou mostrar Jesus Cristo para os judeus como o Messias esperado, o Messias das profecias, enfim, o Messias do povo.

Há quase um quarto de século, mais precisamente no ano de 1995, quando o cinema completou 100 anos de existência, esta obra de Pasolini foi inclusa entre os 100 melhores filmes de acordo com o Vaticano, que elaborou uma intensa lista, na categoria de Religião, ao lado de obras como A Vida e paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo (1905) de Ferdinand Zecca, Nazarín que é um filme de drama mexicano de 1959 de Luis Buñuel, e Ben-Hur (1959) de William Wyler.

Deixe uma resposta