CARLOS EDUARDO SANTOS - CRÔNICAS CHEIAS DE GRAÇA

Na Pensão de D. Berta, no Recife, como em várias outras que funcionavam na Boa Vista, eram acolhidos rapazes que vinham do interior de Pernambuco e estados vizinhos para fazer cursos superiores no Recife.

Eram hóspedes, entre outros, nomes que se fizeram notáveis na cena pernambucana. Capiba, Carnera e Ariano Suassuna, que estudavam Direito; João, Marcos e Bráulio Baraúna, cursavam Medicina.

Grande galhofeiro, Carnera sempre zoava dizendo que Bráulio não seria bem sucedido na especialidade de proctologia dado ao avantajado tamanho de seu dedo indicador.

Bráulio diplomou-se e Instalou seu consultório, tornando-se renomado na especialidade. Mas, à boca pequena, se tornou conhecido como o “Terror do Edf. Ouro Branco”, em face das conversas que ouviam pelos corredores e no elevador.

Quando havia alguma questão mal resolvida entre eles, o adversário soltava o impropério; que representava uma praga infernal:

– Que um dia o satanás te dê uma hemorroida tratada por Dr. Bráulio!…

Certa feita fui acompanhar um parente que fizera cirurgia de hemorroida. À medida que as pessoas iam saindo do gabinete e passavam pela Sala de Espera observávamos que as fisionomias estavam carregadas de sofrimento. Como se todas esperassem um sacrifício.

Naqueles anos da década de 50 se medicava os pacientes pôs-operados de hemorroida, com a aplicação de nitrato de prata. Um medicamento terrível. Ardia que só pimenta, quando entrava no ânus, segundo os pacientes.

A temida caixinha do remédio e os bastões que eram introduzidos nos ânus

Na sala de espera, todos estavam circunspectos, calados e apavorados. Era o estágio mais tenebroso da cura das hemorroidas: a aplicação do nitrato de prata. Era muito incômodo: o cirurgião enfiava o dedo indicador levando ao ânus um pouco de pomada e em seguida empurrava o bastão medicinal. Para alguns, algo desmoralizante.

Observei que havia um senhor moreno, bem forte, que estava inquieto e trêmulo, com quem fiz certa camaradagem, mas fiquei surpreso quando ele se dirigiu a um dos pacientes que deixara o gabinete do médico.

– Amigo, perdoe a pergunta, mas… ardeu muito?…

De tão sofrido, o infeliz balançou a cabeça afirmativamente, ainda com os olhos lacrimejando.

Naquele momento Abílio me disse que estava quase “cagando fino”, de tanto medo. E ainda lhe incomodava a “dor moral” de levar dedo no fiofó. Foi mais além, na confidência. Falou-me que quando saia de casa, “operação” que fez na maior moita, evitando que o assunto de sua cirurgia não viesse cair nos ouvidos da vizinhança, deu-se a merda.

Ao entrar no táxi, apareceu um conhecido, aposentado, daqueles velhotes chatos, que lhe indagou por que estava mancando, ao que Abílio informou ter sido uma má jogada no basquete; um adversário deu uma cotovelada seu ovo.

A Sala de Espera foi se esvaziando. Chegada sua vez, o afro-nordestino mudou de cor. Entrou quase empurrado pela esposa. Lá dentro, demorou um bocado a conversa preliminar com o médico, a fim de acalmar o homem, que transfigurado, tinha os olhos fixos na mão do médico; principalmente no “dedão” direito, segundo me disse a enfermeira.

Depois se ouviu um silêncio aterrador, o que me fez imaginar seu sofrimento suportando o “dedão” do Dr. Bráulio, sem um único gemido. Ao sair e vê-lo suando mais do que tampa de chaleira, fui eu quem indagou muito discretamente:

– Seu Abílio, ardeu mesmo como pimenta?

– Ardeu que só a bexiga; mas suportei porque sou macho!…

5 pensou em “O DEDÃO DE DR. BRÁULIO

    • Eu me lembrei de uma história de Agildo Ribeiro sobre doenças venéreas. Ele deu um entrevista a Jô que é hilária

  1. Vichi ! E saber que dizem que pimenta no…………… Será que não existe uma maquina computadorizada para fazer este serviço? Seria por assim dizer “mais humano” .

  2. Caro Dr. Joaquim Francisco. Que bom saber que o senhor leu uma das minhas crônicas. Nos conhecemos quando lhe entrevistei para o livro VALE DO SIRIJI e de outra feita quando fui à Prefeitura em Comissão e o senhor decidiu salvar a Lagoa do Araçá, na Imbiribeira, de um aterro. Ao ler seu nome sempre me lembro do grande líder que foi seu pai. Abraços.

Deixe uma resposta para Carlos Eduardo Carvalho dos Santos Cancelar resposta