JOSÉ NARCELIO - AO PÉ DA LETRA

Quem trafega pela orla de Natal na confluência das praias Areia Preta e Pinto, no início da Via Costeira, encontra um casarão inacabado sem qualquer sinal de retomada dos serviços. Causa estranheza o abandono da edificação porque está encravada num pontal privilegiado de onde se obtém a melhor e a mais limpa visão do Oceano Atlântico para um observador postado ao nível do mar.

Crédito: Arquiteto Fabiano Pereira

O clima de mistério que envolve o imóvel advém da curiosidade popular pelo descaso com a conservação e o tempo de paralisação – 50 anos desde o início da construção. A obra, hoje, está entregue às intempéries e à disposição de vândalos. O enigma consiste na falta de informações que ponha alguma luz sobre a origem do imóvel e o motivo do abandono. Nada além disso.

Na verdade, a casa foi esboçada pelo engenheiro e empresário Moacir Maia, que convidou o arquiteto Moacyr Gomes da Costa para elaborar o projeto, no final dos anos 60. No início da nova década, com Moacyr associado ao colega Ubirajara Galvão, os desenhos se integraram ao acervo técnico do escritório UM Arquitetura.

Moacir Maia (1926-2005), natalense, com apenas 22 anos de idade formou-se em engenharia civil e mecânica pela Universidade do Recife, em 1948. No retorno para Natal trabalhou na Rede Ferroviária Federal (DNEF), passou pelo IPASE, IAPC e IAPI, antes de fundar a Companhia de Investimentos e Construções Ltda – Cicol.

O jovem engenheiro, herdeiro de enorme patrimônio em imóveis em Natal, por décadas, dominou o setor de entretenimento da capital com os cinemas Rio Grande (1949-1999) e Panorama, e com o Cine Poti, arrendado dos Diários Associados.

Com a Cicol, Moacir construiu obras no Rio Grande do Norte e pelo Brasil afora. A construtora figurava entre as maiores do Estado quando partiu para grande empreitada na Tanzânia, pais da África Oriental. O contrato acarretou dificuldades operacionais e financeiras à Cicol, que foi desativada no início dos anos 80.

Na opinião do arquiteto Moacyr Gomes, não foi a falta de apoio financeiro que emperrou a conclusão da casa: O que fez Moacir Maia se desiludir com a construção foi a dificuldade encontrada para a sua regularização junto ao Patrimônio da União por se tratar de obra edificada em “terreno de marinha”.

O projeto abrigava sob uma cobertura de 500,00 m2, dois pavimentos, suítes, salas amplas, garagens e espaços para criadagem e lazer, todos os predicados para se tornar uma das mais emblemáticas casas de praia do município. Tal patrimônio ocupava apenas um naco da área de quase 2,5 hectares de natureza ainda intocada.

Crédito: Arquiteto Fabiano Pereira

O terreno estava coberto por coqueiros quando projetei a obra. Na locação da casa tivemos o cuidado de preservar a flora existente – afirmou o arquiteto. Perguntado acerca do percentual executado antes de paralisados os serviços, Moacyr esclareceu: Cerca de 85%, incluindo aí esquadrias, pisos e revestimentos. Estávamos na fase de acabamentos.

Os registros fotográficos de agora mostram uma construção deteriorada por intempéries e pela depredação, e sem o coqueiral presente na época. Moacir Maia faleceu há 15 anos, e o imóvel continua no patrimônio da família.

É lastimável ver a bonita obra de engenharia definhar com o passar dos anos ante o olhar de circulantes da Via Costeira. Enquanto isso, continuará sendo o ponto de parada obrigatório para a curiosidade de turistas, que especulam sobre o mistério do casarão abandonado no pontal que, do alto, lembra o mapa do Brasil.

Google Maps

4 pensou em “O CASARÃO DA VIA COSTEIRA

  1. Pura verdade, que Narcelio tão bem descreveu após uma minuciosa pesquisa.
    Essa casa Inclusive no início da década de 80, foi cogitada para ser a casa do governador, que funcionava em uma casa alugada na Av. Hermes da Fonseca que pertencia a M Brito.

Deixe uma resposta