MARCOS ANDRÉ - DADO & TRAÇADO

Perder bichinho de estimação pode traumatizar tanto quanto perder um ente querido. Que o digam os psicólogos com seus consultórios lotados, em atendimento de pessoas com desanimo e profunda melancolia (depressão) por conta da perda do querido animal.

A tendência de famílias com baixa taxa de filhos, somada a longevidade do brasileiro, instintivamente, os leva ao hábito de se criar animais de estimação como forma de companhia, cada vez mais presentes nos nossos lares. Em sua grande maioria, cães e gatos.

Somos o segundo país em números com maior população canina do mundo. Esse apego ao “melhor amigo do homem” fez o próspero mercado “pet” movimentar algo em torno de R$ 34,4 bilhões, só em 2018.

Por isso, nos causa indignação quando se sabe que, por conta de tradição e, portanto, é uma questão cultural, alguns povos ainda cultivarem o hábito de se alimentarem dos cães (algo inconcebível para nós). China, Indonésia, Coréia, Filipinas, Polinésia, Vietnan, etc.

CONTRASTE

Em nosso país, é costume se promover algum tipo de festa/festival de alguma iguaria, que movimenta o turismo e a economia daquele local. De norte a sul do país vamos encontrar a festa da tainha, do camarão, da lagosta, do suíno, do frango, da ostra, etc. A gastronomia sempre é um forte atrativo para se promover um costume/tradição de algum lugar.

Na China, na cidade de Yulin, vamos encontrar o polêmico festival de carne de cachorro, onde milhares deles são sacrificados para consumo e alegria da região.

CORÉIA DO NORTE

Na Coréia do Norte, o ditador Kim Jong-Um, deu ordens para a população entregar seus cães para restaurantes, conforme noticia veiculada na imprensa internacional.

CORÉIA DO NORTE INCENTIVA CIDADÃOS A MATAR E COMER CACHORROS – manchete de vários veículos de comunicação.

Clique nos itens abaixo para ler as matérias:

Ditador norte-coreano Kim Jong-un manda abater cães de estimação contra vontade das famílias

Norte-coreanos são forçados a entregar cães para restaurantes, diz jornal

VENEZUELA

Na Venezuela, nem foi preciso o ditador Maduro baixar decreto. A forte crise econômica do regime socialista, além de causar mortandade de vários animais de zoológico, muitos foram abatidos para matar a fome dos venezuelanos.

Tigre sem alimento no zoológico de Caracas.

Imagens de animais esqueléticos nos zoológicos da Venezuela, e a população se alimentando de cachorros correram o mundo.

Por falta de comida, os cachorros sempre acabam pagando o pato.

14 pensou em “O CACHORRO QUE PAGA O PATO

  1. Animalescos “seres” humanos… Ato de extrema covardia abater uma vida indefesa para alimentar outra. Pagam os animais a “insanidade” e incompetência política de ditadores espahados pelo mundo.

    Seu texto, caríssimo Marcos é daqueles que nos colocam,queiramos ou não, em um ringue encarando um feroz Mike Tyson, que sem delongas nos ataca com jab, direto, upper, gancho e finaliza com cruzado no fígado. Dez segundos apenas e nocaute, blecaute, fim.

    Jeremias 17:5: Maldito o homem que confia no homem, e… Maldito o homem que confia no homem, e faz da carne o seu braço, e aparta o seu coração do SENHOR!

      • Meu querido e eclético colunista, Sancho, não foi minha intenção perturbá-lo nem causar tristeza ou indignação aos leitores. Perdoe!
        Tanto é que, advirto a questão da tradição e culturas de alguns povos.
        Os indiano sente semelhante indignação. conosco porque nos alimentamos de carne de vaca que, pra eles, são animais sagrados.
        A ingestão de carne canina é tradição em inúmeros países (Goiano pesquisou). Tem até restaurantes especializados neste seguimento de carne.
        Eu, que sou criador de boxer, talvez a mais dócil raça de cão que possa existir, não consigo conceber tal procedimento.
        São como um membro da familia, amado, paparicado e têm direito a tudo dentro de casa.

  2. Eu sempre tive cachorros e amo os animais, em geral – tanto que sou vegetariano há quase sessenta anos.
    Mas os orientais têm tido uma relação diferente com os cães: A carne dos cachorros ainda é altamente consumida na Coreia do Norte, um hábito alimentar que era comum em períodos de fome no pós-guerra em outros países da Ásia, como China e Coreia do Sul.
    Em 2017 houve até um festival de carne de cachorro na China.
    Coisa típica de comunista, comer qualquer tipo de bicho? Consta que também os comem na Nigéria e no Vietnã e… na Suíça! Uai, então não são só os comunas safados e sanguinários?!
    Pois é, tem gente comendo cachorro no Ártico, na Antártida.
    Mas quer saber do pior? Tem gente comendo cachorro aqui mesmo nas Américas, ou seja, no México.
    Eu achei que era bafo, mas fui pesquisar e encontrei esses e mais alguns, estou vendendo o cachorro pelo preço que comprei.
    Quanto à Coreia do Norte, a alegação é que o povo anda revoltado com a elite, que é que possui cachorro, sendo essa elite inclusive pertencente ao governo, gente do mais alto escalão.
    Diz o Exame que “Como apenas uma pequena parte da população possui os pets, incluindo altos oficiais do país, os cães são vistos como artigo de luxo. Nesse sentido, a decisão do governo do ditador Kim Jong-Un, que teria sido tomada em julho deste ano, tenta amenizar os ânimos da população mais pobre em meio à crise, ainda segundo o jornal sul-coreano, citando fontes da Coreia do Norte.”.
    Os cachorros estariam comendo e sendo tratados melhor do que a população em geral, que vive um regime de fome, segundo o noticiário internacional.
    Mas, cuidado com o castigo: eu vi um documentário de um cara que se perdeu na mata e depois de uns trinta ou mais dias vagando pela floresta resolveu comer o seu cachorro, que o acompanhava. Não prestou: ele comeu o cachorro e vomitou tudo em seguida. Continuou com fome e sem a companhia do amigo.

    • Esse Goiano não para de nos surpreender!!!

      E não é que o nosso “esquerdista favorito’, além de soltar a voz nos boleros da vida, é vegetariano???

      E ao comentar a matéria, deixa bem claro que comer carne de cachorro não é “Coisa típica de comunista”.
      Imagina a barbaridade quando acusavam os comunistas de comerem criancinhas. Pecha maldosa que perdurou um bom tempo.
      SUÍÇA
      É verdade que até países capitalistas matam cãezinhos pra comer. Na Suíça, por exemplo, o costume ocorre na região dos Alpes. Lá, o Rottweiler tem a carne mais apreciada. O governo da região monitora e exige que o pobre animal seja abatido sem nenhum sofrimento.
      MÉXICO
      Há de se fazer uma ressalva quanto ao México. Lá, os cães serviam de alimento, mas era na época dos astecas, conforme atestam algumas gravuras em cerâmica pré-colombiana.
      CHINA
      Na China, no festival Festival Yulin – onde se come carne de cachorro com licor de lichia – é realizado desde 1990. O governo luta para coibir, ante sério risco de saúde pública. Este ano de 2020, mesmo com o COVID, haverá o festival.

      CORÉIA DO NORTE
      E os comunas safados e sanguinários? R – Isso é ficção. Deixemos Kim Jong Un fora dessa lista.
      Da forma que você colocou, mostrou que o rapaz é de uma candura e sensibilidade enorme. Ele está profundamente preocupado e compungido com a fome do seu povo. E não permite que cães sejam “bem tratados e criados” para não afrontar os pobres do país… é de cortar o coração, mesmo.

      Acho que é por isso que o povo o reelege desde 2011. O pai dele Kim Jong-il, também deve ter sido uma pessoa sensível e querida, pois governou de 1994 a 2011.
      Acho que Tio Sam deve morrer de inveja.

  3. Marcos André, me desculpe, mas o assunto me causou náuseas!!!
    As diferenças culturais entre o Brasil e esses países onde se come carne de cachorro são gritantes. Ô povo feio, é esse povo amarelo…kkkk Agora está explicado….
    Tomara não ter pesadelo comendo cachorro…..kkkk.

    A domesticação de cachorros e gatos já ocorre há milhares de anos. E esses animais são criados como se fossem parte da família. Matá-los e comê-los seria um ato de crueldade. Não consigo imaginar minha saudosa Yorkshire, chamada Mimi, sendo torrada… Misericórdia!!!

    Grande abraço!.

    • Mil perdões eu peço a grande dama do JBF mas, a matéria foi justamente para chamar atenção e uma forma de protesto contra este absurdo costume.

      Realmente, é uma realidade chocante.
      Veja bem, para os hindus, cometemos um pecado ao comermos carne de vaca. A vaca, para todo hindu, é um presente da mãe divina Laksmi e abastece a todos com leite, queijo, manteiga e coalhada.

      Outra tradição absurda, pouco comentada e combatida, é a matança de golfinhos e baleias que ocorre anualmente na Noruega, Dinamarca, Japão, Ilhas Faroe, etc. Mais conhecida como mar vermelho, pelo enorme e nauseante derramamento de sangue causado nos cetáceos, covardemente mortos por arpões e porretes.

      Sou criador de cão da raça boxer (talvez a mais dócil raça que possa existir – são como membro da família), não consigo conceber tão cruel procedimento É chocante.
      Creia, querida colunista, a postagem foi mais como uma forma de alerta e uma maneira de se protestar.

      • Você conseguiu seu intento, querido colunista Marcos André! Balançou o juízo de todos nós fubânicos! Quem já era doido, ficou pior ainda…kkkkkk,

        Meu irmão Bernardo é criador de Labrador, um dos cachorros mais dóceis e amigáveis que você vai encontrar por aí. Não é à toa que ele faz parte da lista dos animais de grande porte mais populares do mundo. Inteligente e focado, ele também é uma ótima opção para o trabalho de cão-guia..

        Grande abraço!

  4. Esse troço de comer qualquer bicho é complicado. Conheço um lance de um cara que na selva amazônica, em treinamento, se recusou a comer macaco porque parecia gente. Os caras nos Andes comeram carne humana. Agora, os chineses dão de lavada porque comem tudo que voa anda e rasteja. É preciso entender que os animais trazem bactérias que são altamente nocivas aos seres humanos.

    • Justamente, Mestre Assuero.
      Existe até a suspeita de que o COVID 19, tenha sido transmitido pelo consumo de morcego pelos chineses, nas biroscas e barracas de várias cidades.

Deixe uma resposta