A PALAVRA DO EDITOR

Nunca pensei que eu iria viver o suficiente pra ver o Recife sem carnaval.

Sem o gigantesco bloco do Galo da Madrugada explodindo de vida e de alegria no Sábado de Zé Pereira.

O pânico que tomou conta do mundo conseguiu essa inacreditável proeza.

Hoje, domingo de carnaval, se alembrei-se-me dos tempos em que botava na rua O Bloco da Besta Fubana.

Uma respeitável e impoluta instituição carnavalesca, fundada em 2004, que juntava gente que só a porra e desfilava na Praça da Casa Forte, sob a proteção do nosso magnífico estandarte.

Um imponente estandarte, no qual a Besta Fubana aparecia com a sua magnífica parajaraca, pronta pra enrabar qualquer cabra safado.

Uma animação contagiante, uma turma animada, vibradora e cheia de vida, frevando e fazendo o passo ao som de uma orquestra.

A concentração antes do desfile era feita num dos pontos mais folclóricos e lendários do Recife, o Bar Largura.

Eu participava do respeitável evento devidamente paramentado de Pai Babachola, o maior catimbozeiro dessa beirada de Atlântico.

Incorporado na pele de Pai Babachola, cansei de tirar o Cão, o Tinhoso, o Cramulhão, o Capeta que baixava no couro de foliãs fogosas e com exuberantes pés-de-rabo.

Chega fazia fila pra receber meus santos passes!

O proprietário do estabelecimento, meu amigo Wilson, é um personagem que entrou pra história da cidade.

Na virada de 1999 para 2000, ele acrescentou à placa do Bar a inscrição “Desde o Século XX”, conforme vocês podem ver na foto abaixo, onde ele aparece:

O nome do bar, “Largura” é uma fina ironia com o apertadíssimo espaço do ambiente.

No corredor de entrada, não cabem duas pessoas nem se espremendo!

Como estou em abstinência compulsória, já tem mais de quatro anos que não vou ao Largura tomar uma lapada.

Sempre que passo por lá, como aconteceu hoje de manhã, chega me bate  uma assuspiração na caixa dos peitos de tanta saudade.

Neste incrível domingo de carnaval sem carnaval, fecho a postagem com uma composição magnífica do Maestro Levino Ferreira, intitulada Última Dia.

O frevo preferido de Aline, que fez a montagem do vídeo abaixo.

7 pensou em “O BLOCO DA BESTA FUBANA

  1. Aqui, em LONDRINA tem um self service que se chama ” DÁ LICENCA” porque comecou, jcomo o “lLARGURA” em um corredor . todos tinham de pedir licenca para chegar em algum ponto do recinto.. Cresceu, ocupa espacos no centro e também nos shoppings.

  2. Postagem lindíssima e emocionante, Luiz Berto! Adorei!

    Parabéns a Aline, pela excelente montagem do vídeo!

    Abraços! Bom Carnaval em casa!

  3. Berto
    O frevo “Último dia” pra mim, é o melhor de todos os frevos..E olha que são muitos os bons frevos. Dê meus parabéns e agradecimentos à Aline pela colocação dos cabras frevando que nem só vendo.

  4. Pingback: BAITOLAGEM JURÍDICA | JORNAL DA BESTA FUBANA

Deixe uma resposta