A PALAVRA DO EDITOR

Para um país que viveu sob a gestão econômica do presidente José Sarney, de seus ministros seriais da Fazenda e dos planos de professor Pardal que anunciavam de meia em meia hora para salvar a economia – e cuja única distinção era darem sempre errado -, o Brasil se acostumou a ficar arisco quando ouve falar em inflação. A última vez foi em 2015, já na agonia, paixão e morte do governo Dilma Rousseff. Comparada com os números espetaculares e inesquecíveis de Sarney, a inflação de Dilma foi uma mixaria – mas, ainda assim, ninguém gostou do que viu. Agora, já ao final deste primeiro ano de devastação da covid-19, turbinada pela promoção do pânico, pela demagogia dos governos e por sua inépcia na administração do problema, o bicho volta a se fazer notar.

As últimas cifras a respeito são uma brincadeira, é claro, diante das memórias vivas da inflação brasileira – 0,90% de aumento do IPCA no mês de novembro, acima do índice de outubro, e 4,30% nos últimos doze meses, o que é mais do que os 4% pretendidos pelas metas do Banco Central. Mas 4 vírgula pouco no ano é melhor do que 40% no mês, como nos tempos da inflação de verdade. Ao final de 2020, de janeiro a dezembro, o resultado deve ficar em algo mais que 3%. Bico.

Mas aí é que está: no Brasil de hoje, o único que interessa, nada é bico quando se trata de inflação – basta o índice deixar de cair, ou deixar de ficar parado, para os decisores se preocuparem e para os escritórios de análise econômica ouvidos pela mídia começarem a anunciar que o tempo está ficando ruim. Os investidores, até o momento, não parecem realmente aflitos. A Bolsa de Valores está operando acima dos 114.000 pontos, depois de ter ficado abaixo dos 70.000 em março. Está se aproximando do seu recorde de 120.000 pontos em janeiro – e Bolsa em alta nunca foi sinal de inflação, recessão, Tesouro em recuperação judicial e outras desgraças desse tipo. Os primeiros sinais de recuperação da economia, ao mesmo tempo, já começaram a aparecer. Mas, como dito acima, inflação é inflação.

Todo o mundo, é claro, vai estar atento à evolução das próximas semanas e do começo de 2021. A gestão econômica do governo não deve ter maior impacto nos índices de inflação – tem limites para diminuir, e não tem planos para aumentar. Mas isso é coisa que não se esconde, e nem se inventa. A situação da economia será exatamente a que os fatos mostrarem.

1 pensou em “O BICHO DA INFLAÇÃO

  1. Infelizmente ninguém observa os indicadores econômicos. O produto cresceu 7,7% no terceiro trimestre e ninguém comenta porque é um dado positivo. Comentam a inflação que na minha aula de macro eu expliquei se tratar de inflação de demanda. Essa semana o ibge divulgou isso. Uma enxurrada de críticas sobre o imposto das armas, particularmente não sou favorável ao uso de armas, mas o ano passado o governo isentou 1152 produtos de imposto de importação, dentre eles, remédio pra câncer, equipamentos de informática, etc e ninguém comentou. Ninguém aplaudiu.

Deixe uma resposta