DEU NO JORNAL

Alexandre Garcia

A Segunda Turma do STF decidiu, por três votos a dois, que o ex-juiz Sergio Moro foi parcial no julgamento do tríplex do ex-presidente Lula. Na prática, as situações foram invertidas, Lula foi inocentado e Moro é culpabilizado. Então, o bandido é Moro e o mocinho é Lula.

O julgamento também ficou marcado pelos comentários furiosos de Gilmar Mendes contra Nunes Marques e o voto de “la donna è mobile” da ministra Cármen Lúcia, que em dezembro de 2018 afirmou que era “Moro é insuspeito” nesse mesmo julgamento.

No entanto, ela mudou o voto, agora pela suspeição do ex-juiz, porque se viu diante de “fatos novos”. Isso são provas obtidas ilegalmente, ou seja, as mensagens do Telegram atribuídas a membros da Lava Jato, cujos celulares foram hackeados. No entanto, essas provas são inadmissíveis no processo, segundo a própria lei.

Isso derruba mais uma narrativa: a de que a anulação das condenações de Lula em Curitiba eram para “salvar” Sergio Moro. Alguns levaram a sério essa afirmação, até saiu em colunas nos jornais.

Agora eu me pergunto: o que os mais de 100 corruptos condenados na Lava Jato de Curitiba estão fazendo? Com toda certeza, uma festa, porque eles poderão usar o mesmo argumento de que Moro não foi imparcial.

Afinal, depois dessa ênfase de tribuno de Gilmar Mendes, certamente eles terão esperança de serem inocentados.

6 pensou em “O BANDIDO AGORA É MORO E O MOCINHO, LULA

  1. Moro a esta hora deve estar arrependido de ter feito o que fez com Bolsonaro ao sair atirando e apunhalando pelas costas.

    Se tivesse no Governo ainda hoje certamente milhões de brasileiros sairiam às ruas para protestar contra esta atitude do STF e proteger o que na época era um herói nacional e representava um ser incorruptível, ético e inatacável.

    Vamos ver quem vai às ruas agora, os “isentões”?

    • Essa é defesa de quem ajudou a chegar a este resultado . O Moro se tornou um bandido e traidor quando deixou o governo ( ser traidor quando sai do governo não é privilégio só dele , é claro ) . As pessoas não irão as ruas porque não estão indo mesmo e quando vão não saí em mídia alguma. Outros tempos , o povo teria ido as ruas pra defender o deputado preso e se colocar com o careca e repetiria a dose quando Fachim transferiu os processos do Lula .

  2. Alguém tem que parar esta corja de vagabundos e este “alguém” é o senado, mas como, se a maioria dos senadores tem o rabo preso no STF? Sobrou apenas o art. 142. Quem se habilita?

    • Constituição da República Federativa do Brasil Art. 142
      15-20 minutos

      Título V
      Da Defesa do Estado e das Instituições Democráticas

      Capítulo II
      Das Forças Armadas

      Art. 142. As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica, são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República, e destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem.

      § 1º Lei complementar estabelecerá as normas gerais a serem adotadas na organização, no preparo e no emprego das Forças Armadas.

      § 2º Não caberá habeas corpus em relação a punições disciplinares militares.

      § 3º Os membros das Forças Armadas são denominados militares, aplicando-se-lhes, além das que vierem a ser fixadas em lei, as seguintes disposições:

      I – as patentes, com prerrogativas, direitos e deveres a elas inerentes, são conferidas pelo Presidente da República e asseguradas em plenitude aos oficiais da ativa, da reserva ou reformados, sendo-lhes privativos os títulos e postos militares e, juntamente com os demais membros, o uso dos uniformes das Forças Armadas;

      II – o militar em atividade que tomar posse em cargo ou emprego público civil permanente, ressalvada a hipótese prevista no art. 37, inciso XVI, alínea c, será transferido para a reserva, nos termos da lei;

      III – o militar da ativa que, de acordo com a lei, tomar posse em cargo, emprego ou função pública civil temporária, não eletiva, ainda que da administração indireta, ressalvada a hipótese prevista no art. 37, inciso XVI, alínea c, ficará agregado ao respectivo quadro e somente poderá, enquanto permanecer nessa situação, ser promovido por antiguidade, contando-se-lhe o tempo de serviço apenas para aquela promoção e transferência para a reserva, sendo depois de dois anos de afastamento, contínuos ou não, transferido para a reserva, nos termos da lei;

      IV – ao militar são proibidas a sindicalização e a greve;

      V – o militar, enquanto em serviço ativo, não pode estar filiado a partidos políticos;

      VI – o oficial só perderá o posto e a patente se for julgado indigno do oficialato ou com ele incompatível, por decisão de tribunal militar de caráter permanente, em tempo de paz, ou de tribunal especial, em tempo de guerra;

      VII – o oficial condenado na justiça comum ou militar à pena privativa de liberdade superior a dois anos, por sentença transitada em julgado, será submetido ao julgamento previsto no inciso anterior;

      VIII – aplica-se aos militares o disposto no art. 7º, incisos VIII, XII, XVII, XVIII, XIX e XXV, e no art. 37, incisos XI, XIII, XIV e XV, bem como, na forma da lei e com prevalência da atividade militar, no art. 37, inciso XVI, alínea c;

      IX – (Revogado).

      X – a lei disporá sobre o ingresso nas Forças Armadas, os limites de idade, a estabilidade e outras condições de transferência do militar para a inatividade, os direitos, os deveres, a remuneração, as prerrogativas e outras situações especiais dos militares, consideradas as peculiaridades de suas atividades, inclusive aquelas cumpridas por força de compromissos internacionais e de guerra.
      Histórico de Alterações do Artigo
      EMC-018 de 05/02/1998
      Dispositivo Texto Anterior Alteração
      Par. 3 § 3º Os membros das Forças Armadas são denominados militares, aplicando-se-lhes, além das que vierem a ser fixadas em lei, as seguintes disposições:
      Par. 3 Inc. I I – as patentes, com prerrogativas, direitos e deveres a elas inerentes, são conferidas pelo Presidente da República e asseguradas em plenitude aos oficiais da ativa, da reserva ou reformados, sendo-lhes privativos os títulos e postos militares e, juntamente com os demais membros, o uso dos uniformes das Forças Armadas;
      Par. 3 Inc. II II – o militar em atividade que tomar posse em cargo ou emprego público civil permanente será transferido para a reserva, nos termos da lei;
      Par. 3 Inc. III III – o militar da ativa que, de acordo com a lei, tomar posse em cargo, emprego ou função pública civil temporária, não eletiva, ainda que da administração indireta, ficará agregado ao respectivo quadro e somente poderá, enquanto permanecer nessa situação, ser promovido por antigüidade, contando-se-lhe o tempo de serviço apenas para aquela promoção e transferência para a reserva, sendo depois de dois anos de afastamento, contínuos ou não transferido para a reserva, nos termos da lei;
      Par. 3 Inc. IV IV – ao militar são proibidas a sindicalização e a greve;
      Par. 3 Inc. V V – o militar, enquanto em serviço ativo, não pode estar filiado a partidos políticos;
      Par. 3 Inc. VI VI – o oficial só perderá o posto e a patente se for julgado indigno do oficialato ou com ele incompatível, por decisão de tribunal militar de caráter permanente, em tempo de paz, ou de tribunal especial, em tempo de guerra;
      Par. 3 Inc. VII VII – o oficial condenado na justiça comum ou militar à pena privativa de liberdade superior a dois anos, por sentença transitada em julgado, será submetido ao julgamento previsto no inciso anterior;
      Par. 3 Inc. VIII VIII – aplica-se aos militares o disposto no art. 7º, incisos VIII, XII, XVII, XVIII, XIX e XXV, e no art. 37, incisos XI, XIII, XIV e XV;
      Par. 3 Inc. IX IX – aplica-se aos militares e a seus pensionistas o disposto no art. 40, §§ 4º, 5º e 6º;
      Par. 3 Inc. X X – a lei disporá sobre o ingresso nas Forças Armadas, os limites de idade, a estabilidade e outras condições de transferência do militar para a inatividade, os direitos, os deveres, a remuneração, as prerrogativas e outras situações especiais dos militares, consideradas as peculiaridades de suas atividades, inclusive aquelas cumpridas por força de compromissos internacionais e de guerra.
      Par. 3 Inc. III
      Retificação publicada no DOU de 16/02/1998 III – o militar da ativa que, de acordo com a lei, tomar posse em cargo, emprego ou função pública civil temporária, não eletiva, ainda que da administração indireta, ficará agregado ao respectivo quadro e somente poderá, enquanto permanecer nessa situação, ser promovido por antigüidade, contando-se-lhe o tempo de serviço apenas para aquela promoção e transferência para a reserva, sendo depois de dois anos de afastamento, contínuos ou não transferido para a reserva, nos termos da lei; III – o militar da ativa que, de acordo com a lei, tomar posse em cargo, emprego ou função pública civil temporária, não eletiva, ainda que da administração indireta, ficará agregado ao respectivo quadro e somente poderá, enquanto permanecer nessa situação, ser promovido por antigüidade, contando-se-lhe o tempo de serviço apenas para aquela promoção e transferência para a reserva, sendo depois de dois anos de afastamento, contínuos ou não, transferido para a reserva, nos termos da lei;
      EMC-020 de 15/12/1998
      Dispositivo Texto Anterior Alteração
      Par. 3 Inc. IX IX – aplica-se aos militares e a seus pensionistas o disposto no art. 40, §§ 4º, 5º e 6º; IX – aplica-se aos militares e a seus pensionistas o disposto no art. 40, §§ 4º,7º 5º e 6º8º;
      EMC-041 de 19/12/2003
      Dispositivo Texto Anterior Alteração
      Par. 3 Inc. IX IX – aplica-se aos militares e a seus pensionistas o disposto no art. 40, §§ 7º e 8º; IX – aplica-se aos militares e a seus pensionistas o disposto no art(Revogado). 40, §§ 7º e 8º;
      EMC-077 de 11/02/2014
      Dispositivo Texto Anterior Alteração
      Par. 3 Inc. II II – o militar em atividade que tomar posse em cargo ou emprego público civil permanente será transferido para a reserva, nos termos da lei; II – o militar em atividade que tomar posse em cargo ou emprego público civil permanente, ressalvada a hipótese prevista no art. 37, inciso XVI, alínea c, será transferido para a reserva, nos termos da lei;
      Par. 3 Inc. III III – o militar da ativa que, de acordo com a lei, tomar posse em cargo, emprego ou função pública civil temporária, não eletiva, ainda que da administração indireta, ficará agregado ao respectivo quadro e somente poderá, enquanto permanecer nessa situação, ser promovido por antigüidade, contando-se-lhe o tempo de serviço apenas para aquela promoção e transferência para a reserva, sendo depois de dois anos de afastamento, contínuos ou não, transferidos para a reserva, nos termos da lei; III – o militar da ativa que, de acordo com a lei, tomar posse em cargo, emprego ou função pública civil temporária, não eletiva, ainda que da administração indireta, ressalvada a hipótese prevista no art. 37, inciso XVI, alínea c, ficará agregado ao respectivo quadro e somente poderá, enquanto permanecer nessa situação, ser promovido por antigüidade, contando-se-lhe o tempo de serviço apenas para aquela promoção e transferência para a reserva, sendo depois de dois anos de afastamento, contínuos ou não, transferidos para a reserva, nos termos da lei;
      Par. 3 Inc. VIII VIII – aplica-se aos militares o disposto no art. 7º, incisos VIII, XII, XVII, XVIII, XIX e XXV, e no art. 37, incisos XI, XIII, XIV e XV; VIII – aplica-se aos militares o disposto no art. 7º, incisos VIII, XII, XVII, XVIII, XIX e XXV, e no art. 37, incisos XI, XIII, XIV e XV, bem como, na forma da lei e com prevalência da atividade militar, no art. 37, inciso XVI, alínea c;

      Me diga quem pode fazer o que ?

  3. A TRAIÇÃO ESTÁ CUSTANDO CARO PARA O BIOGRAFADO. FOI ACREDITAR NO DITADÓRIA QUE SERIA PRESIDENTE NO PRIMEIRO TURNO E SE DEU MAL. QUANDO DORIA VIU QUE O POVO CONTINUOU COM BOLSONARO E FOI CONTRA MORO SAIU DE FININHO E FOI TENTAR COM GUEDES. PEDIU QUE GUEDES SAÍSSE DO GOVERNO PORQUE BOLSONARO IRIA CAIR FEIO.GUEDES, COMO TEM CARÁTER, DISSE QUE FICARIA E CAIRIA JUNTO. QUEM ESTÁ QUASE CAINDO É DÓRIA . HOJE ESTARIA COMO MINISTRO DA JUSTIÇA E COM VAGA GARANTIDA NO STF. TODOS OS TRAÍRAS ESTÃO PAGANDO, CADA UM DE UM JEITO MAS ESTÃO.

Deixe uma resposta para LUCIA OLIVA Cancelar resposta