PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

A caixa de letras.
Minha filha brinca.
Espalha-as na mesa,
compõe as palavras,
pessoas e coisas,
plantas e animais,
deslizam na mesa
consoantes, vogais.

A caixa de letras
de matéria plástica,
brancas, amarelas,
vermelhas e pretas.
Minha filha brinca,
os nomes desfaz,
faz os objetos,
as letras empilha,
no mundo alfabético,
consoantes, vogais.

Do O faz a cara
limpa da boneca
com os olhos bulindo
dos pontos dos i i .
Do Q faz a rosa
suspensa no talo.

Lápis e papel,
mas o poema informe.
As letras, as letras
brancas e amarelas,
vermelhas e pretas.
Que faço com elas?

Mauro Ramos da Mota e Albuquerque, Nazaré da Mata-PE (1911-1984)

Deixe uma resposta