NÚMEROS, ESTATÍSTICAS, PANDEMIA E PÂNICO

Refletir, pensar, analisar, enfim, raciocinar, são atributos exclusivos da raça humana. E, embora, tenhamos esta ‘exclusividade’, não são ações que praticamos regularmente. Alguns por falta de tempo, outros por falta de hábito e, a grande maioria, por falta de capacidade.

Àqueles que, como eu, fazem uso, mesmo que esporádico, destas faculdades devem ficar extremamente incomodados com a atual situação do dito ‘confinamento’ e, com o atropelo midiático e governamental aos nossos direitos constitucionais e fundamentais mais básicos.

Nestes tempos propensos à reflexão e ao ócio criativo é muito difícil não ficar enraivecido com o surgimento destes protoditadores (por nós eleitos, diga-se de passagem) travestidos de bons moços, defensores dos interesses do povo. Claro que os interesses ‘do povo’ são somente aqueles do povo ‘deles’, os políticos, a mídia e a esquerdopatia travestida novamente de defensora dos oprimidos.

Nenhum dos números e argumentos utilizados sobrevive a uma análise crítica e racional, vejamos.

Números e estatísticas

Se analisarmos tudo o que a mídia tem posto, veremos, em uma análise rápida, que todas as previsões de contaminados e mortes, especialmente no Brasil, são extremamente infladas.

Não condizem, se fizermos a análise matemática, nem aos números percentuais daqueles países mais atingidos pelo COVID, como a Itália.

Se considerarmos as previsões, o pico, que seria em meados de abril, depois seria em maio e agora será em junho ou quiçá em agosto, ‘eita’ viruzinho indeciso! Mas, considerando a previsão, teremos mais ou menos alguns milhões de mortes (já estão abrindo covas) e uns 300 milhões de infectados (embora tenhamos 220 milhões de habitantes). Devem ser infectados todos aqueles que o Lula tirou da pobreza, todos os 300 milhões de brasileiros (segundo dados do Desgoverno Dilma Roussef).

É, mas minha cidade, com 400 mil habitantes, teve 9 contaminados até agora, todos recuperados ou em recuperação.

Mas para a mídia o que há é terror, as previsões, são de que não há nenhuma esperança. É isto que tentam nos fazer engolir, estatísticas e previsões tipo ‘Datafolha’, com uma margem de erro de 200 milhões de pessoas, para mais ou para menos.

Números

Se olharmos números oficiais, de agentes do Governo, da Europa ou EUA vamos ver o seguinte o percentual de contaminados, de mortes, de mortes por faixa etária é mais ou menos o mesmo e constante. Mais ainda, não há diferença estatística significativa entre a contaminação com ou sem isolamento social. Os números são quase os mesmos.

Basta ver os números da Suécia comparados ao resto da Europa. Organismos e pesquisadores sérios, já vem constatando, embora não tenham espaço para divulgar isto, que o confinamento e isolamento não são efetivos ou significantes. Ou seja, embora retarde um pouquinho o pico de contágio, ao fim e ao cabo não vai afetar o número de contaminados e/ou mortos.

Pior na Itália o confinamento agravou as mortes de idosos e na Itália e França se observou uma enorme diferença de mortalidade entre os contaminados que foram hospitalizados e os que ficaram em casa, morreram muito mais pessoas nos hospitais.

Então por que ficar preso em casa? Por que o confinamento? Pelos números mostrados até agora não há motivo plausível, apenas a vontade de alguns.

Mais números

Alguém acredita que a China, hiperpopulosa, com um fluxo diário de milhões de pessoas aglomeradas em transportes públicos e transitando de lado para outro conseguiu controlar e restringir o Coronavírus em uma só região e de lá o ‘bichinho’ só se propagou para o exterior e não dentro da China?

Alguém acredita que Cuba não tem quase nenhum caso de Coronavírus graças a vacina milagrosa que desenvolveu? Ou que a Coréia do Norte não teve casos?

E a Venezuela? O Maduro já disse que o vírus não existia, depois que era uma arma biológica americana contra a China. Hoje o país está fechado, não há estatísticas, mas não estranhem se, na Venezuela, o Covid só matar oposicionistas. Claro será um vírus seletivo e, provavelmente o Governo determinará cremação dos corpos para evitar contágio (e fazer desaparecer as marcas de bala).

Sei que muitos defenderão estes ‘dados’, mas afinal estamos falando de governos sérios e de países onde não há censura. Apenas aqueles que não concordam com os dados do Governo são enviados para debater com o capeta.

Mais números

Pior são os números da Globolixo, conseguiram dizer que tiveram 1,5 bilhão de pessoas votando no tal BBB.

Meu Deus! Raciocinem, um programa que ninguém mais tinha saco de ver, fracasso de audiência nos últimos anos e, que no pico da audiência (há muito tempo atrás) teve a votação recorde de cerca de 10 milhões de pessoas.

E de uma hora para outra 1,5 bilhão. Ou seja, um em cada sete, isso mesmo, 1 em cada 7, habitantes da terra votaram no BBB. Mas a abrangência não é mundial. Então cada brasileiro votou 6 vezes pelo menos. Mas descontem crianças, velhinhos, gente que não tem acesso a tv. Dá 12 votos por brasileiro. Mas eu e, ninguém que eu conheça (liguei para familiares e muitos conhecidos), ninguém votou nessa merda.

Então o que houve? Ou foi chute exagerado ou foram robôs (aqueles que eles dizem que o Bolsonaro usa). Pior é que depois o programa sumiu do mapa. Deve ter sido vergonha do absurdo. O cômputo dos votos deve ter sido feito pela mesma equipe que faz as estimativas e pesquisa da Datafolha.

Lembrete

No final das contas são só números, manipulados, cortados e interpretados de acordo com o gosto do freguês. Neste momento quem nos vende este número quer apenas terror, então solta números e dados desconexos, sem precisão e nós engolimos.

Lembre-se que somos racionais, olhe os números, interprete você mesmo o que eles dizem. E, se você achar que há alguma coisa errada naquilo que o repórter da TV, seu Governador ou Prefeito estão dizendo, tenha certeza que há. E, um conselho, na dúvida, vá pela sua intuição e por aquilo que seus olhos enxergam. O resto é balela.

TV, mídia e imprensa

Chamar nossa imprensa de suja e antiética, é chover no molhado. Como vampiros, viram uma jugular e querem sugar todo seu sangue. Parece-me o abraço de um afogado.

É claro que com as pessoas presas em casa, o dia todo, por muitos dias, todos acabam vendo TV e a audiência aumenta. Mas o povo já tá de saco cheio. Não pensem que passado o confinamento isto vai perdurar? Acho muito difícil.

Mas, mais do que isto, a grande mídia pesou a mão, a princípio assustou, mas agora é que nem história de terror (o homem do saco, p.e.) assusta crianças pequenas, mas com tempo perde o efeito e vira chacota.

Eu mesmo, no início do confinamento fui chamado a Brasília, por questões de serviço, cheguei no domingo e no hotel resolvi assistir o Fantástico. Ao final do programa perdi o sono, pensava em locar um carro e fugir de volta para casa na segunda pela manhã (mesmo morando a 3000 km de Brasília).

Na madrugada comecei a fazer as contas e vi que nada mais era do que pânico embutido em minha mente, de forma bastante efetiva. Dormi, trabalhei e voltei para casa (faz 15 dias) e nada do COVID.

Para acabar o medo e o pânico, bastou uma atitude simples. Desliguei a TV e não leio jornais. Busco as informações nos órgãos oficiais e em sites sérios como a Revista Oeste e o JBF.

Me assustam coisas que a mídia está fazendo, não a Globo, deles nada espero além de merdas e lixo. Mas sites como O Antagonista, anteontem noticiaram a cura de uma velhinha com 90 e poucos anos, festejando (com muita justiça) sua cura, mas não citaram uma linha sobre os testemunhos dos médicos da senhora que afirmaram que a cura se deu com o uso da cloroquina. Omitiu simplesmente, até porque o site, diuturnamente, vem se posicionando contra o medicamente, isto não jornalismo, nem aqui nem na China!

Cloroquina e outros

A Cloroquina é uma esperança. E isto pelo menos pode dar um alento a população confinada. Mas isto não é bom para políticos e seus interesses, nem para mídia. Ademais Bolsonaro e Trump são seus defensores logo todos são contra.

Me causa surpresa, ou não, o seguinte fato, todos os médicos que ouço falar ou médicos conhecidos, que adoeceram são taxativos em dizer que usaram a cloroquina. Cheque esta informação, está na imprensa. Ora a cloroquina não funciona? Ou não temos dados se funciona? Mas os médicos, aqueles que serão responsáveis por tratar-nos (inclusive médicos famosos), tão logo ficam doentes, usam sem medo ou restrições a Cloroquina.

Reflitam!!!!

Protoditadores

Eles estão aí, ameaçam prender-nos, abraçam a imprensa. São seus queridinhos. Dizem e desdizem. Confiscam materiais que não tem como usar. Fecham ruas e rodovias. Violam sua privacidade, controlam você pelo gps do celular (meu Deus! Isto é uma catarrada nos direito fundamentais do cidadão), fecham lojas, vão mandar prendê-lo. Tudo pelo seu bem!

O cacete. Vamos reagir, se não o fizermos agora, amanhã, aberta a porta, estaremos sujeitos a cabrestos e mais cabrestos judiciais. E, em breve, a censura das redes sociais. O que vai ser aplaudido pela esquerda, até porque era o sonho de consumo do PT e, pela imprensa, hoje posta de lado por estas mesmas redes sócias. E aí, que maravilha, voltaremos ao controle da grande mídia, dos formadores de opinião e daqueles que os pagam.

Não achem que isto é uma previsão tipo 1984 do George Orwell, o Doria, um pouco antes da crise do COVID, tentou criar uma Coordenação do Governo para mapear as redes sociais e processar seus detratores.

Ele é o ditadorzinho mais a vista, mas existem outros no senado, na câmara, no STF e nos Palácios de Governadores e Prefeituras Brasil afora.

Se não reagirmos logo, logo, estaremos cabresteados. Temos de reagir agora. E na próxima eleição defenestrar estes bostas. Todos, sem exceção.

Lembrem-se os mesmos que nos ameaçam de prisão e aqueles que os aplaudem também são as pessoas que querem soltar os ‘coitadinhos’ dos presidiários, pois, segundo eles, há risco de contaminação na cadeia.

Entendeu? O preso pode ser contaminado na cadeia, então solta. Você cidadão de bem, não pode ficar na rua, então prendam. E o risco de contaminação? Do cidadão honesto? Não é um problema das Associações de Direitos Humanos.

Por fim

Vou seguir no assunto no próximo post, mas encerro agora pois já me alonguei demais.

Mas reitero algo que venho dizendo todos os dias: DENTRO DE TODA SUA LOUCURA, BOLSONARO É O ÚNICO GESTOR E POLÍTICO LÚCIDO NESTE MOMENTO. SE SUPERAR O BOMBARDEIO E A CRISE, A DESPEITO DO QUE MUITOS DESEJAM, DEVERÁ SE CONSOLIDAR COMO O GRANDE LÍDER DO PAÍS.

Por hora lhes digo, Oremos! Boa Sorte a todos nós!

3 pensou em “NÚMEROS, ESTATÍSTICAS, PANDEMIA E PÂNICO

  1. Fazendo juz ao nome LEÓN, rugindo um belíssimo e esclarecedor texto, não deixando pedra sobre pedra. Só faltou desenhar. Escreveu o nosso LEÃO: Eles estão aí, ameaçam prender-nos, abraçam a imprensa. São seus queridinhos. Dizem e desdizem. Confiscam materiais que não tem como usar. Fecham ruas e rodovias. Violam sua privacidade, controlam você pelo gps do celular (meu Deus! Isto é uma catarrada nos direito fundamentais do cidadão), fecham lojas, vão mandar prendê-lo. Tudo pelo seu bem!

    O interessante é que diziam (esquerda, mídia, artistas, especialista, etc) que seria o Bolsonaro (fascista, machista, manoebrista e calista) que faria o papel de ditador quando assumisse o presidência. O malvado Bolsonaro perseguiria e até extinguiria a s minorias, chuteria para escanteio os direitos humanos e governaria com mão de ferro.

    Em cuba, nicarágua e venezuela a bota a chutar os fundilhos do cidadão, que ousa protestar, para dentro das imundas prisões de tais ditaduras, pertence aos homens que dizem querer o bem do povo. Tudo pelo seu, pelo meu , pelo nosso bem!

  2. O confinamento trouxe três gravíssimos problemas. O primeiro de ordem moral, onde covardes e histéricos passaram a ser os Arautos da Consciência cósmica. O segundo de ordem jurídica, onde o estado se torna totalitário, determinando quem e onde pode se locomover, trabalhas, produzir. O terceiro de ordem ética, onde se encontrou mil novas maneiras de se assaltar o Erário. E o resultado é pífio.

Deixe uma resposta