A PALAVRA DO EDITOR

Na casa do sertanejo
Nunca falta um oratório
Tisna de fogão de lenha
Um tripé, um lavatório
Lampião, torno de rede
Corda na meia parede
Servindo de acessório

Tem na casa de um matuto
Um facão rabo de galo
Lata pra guardar xerém
Um chocalho sem badalo
Tem galinha poedeira
Telha rachada e goteira
Um arreio de cavalo

Uma manta de toucinho
Pra servir de refeição
Um chincho de fazer queijo
Gamela e pau de galão
Pilão, peneira, moinho
Na gaiola um passarinho
Saco cheio de carvão

Um pote com água fria
Um jumento no terreiro
Um cachorro vira lata
Com o nome de trigueiro
Uma trave na janela
Cangalha e forro de sela
Tem galinha no poleiro

Tem alguidar, tem quartinha
Paiol de milho da sala
Galinha choca num canto
Trapo de roupa na mala
Machado pra rachar lenha
Miado de gata prenha
Ralo de lata e bengala

Vê-se muito malassombro
No casebre do roceiro
Alma ofertando botija
A palhoça é seu banheiro
Uma porteira na frente
Tronco de pau no batente
Fumaça de candeeiro

Numa casinha do mato
É grande a satisfação
Tem fé e muita alegria
Tem abraço de irmão
Tem sorriso e muita luz
Tem oração pra Jesus
Na hora da refeição

2 pensou em “NUMA CASINHA DO MATO

  1. Bonito !!!!!!!!!!!!!!!. Esta gente que trabalha e vive em condições difíceis , não tem mas merecem tudo de bom e confortável que a vida pode oferecer . Esperamos que um dia tudo melhore mas que a poesia do modo de viver fique.

  2. *
    Eu já vivi no sertão
    Conheço a simplicidade
    E se o dinheiro era pouco
    Sobrava criatividade
    Tinha a lida e brincadeiras
    Nas calçadas as cadeiras
    Tardes de felicidade.
    *
    Dalinha Catunda

Deixe uma resposta