7 pensou em “NOEL BRANDÃO – GOIÂNIA-GO

  1. Parece que em 2015 foi aprovado o voto impresso pelo Senado. Derrubaram o veto da dilmanta.
    Será que é possível recuperar essa outra PEC?
    Caso sim. Talvez não se precise dos deputados para outra votação.
    Solicito ajuda dos leitores e amigos fubânicos com conhecimento sôbre o assunto.
    Muito obrigado desde já e um bom dia à todos.

  2. O raciocínio dele está errado . Dos 513 deputados eleitos só 27 foram eleitos diretamente , os demais foram carregados por estes 27 .
    Tem que ser mudado o sistema eleitoral .

  3. Muito obrigado caro João Francisco.
    Então, não adianta chorar o leite derramado.

    Só constatamos mais uma vez que a voz do povo não vale absolutamente nada.
    Como disse o Airton, só 27 deputados, de fato, “foram eleitos diretamente”. Além das evidências de fraudes nas urnas.

    Faltando pouco mais de um ano para as eleições. Só temos uma certeza: “Alea jacta est”.

    • Caro Luiz, ontem fiquei sabendo que já existe uma PEC para ter voto impresso aprovada na câmara em 2 turnos (não sei o nº) e parada no senado. Se Rodrigo Pacheco quisesse poderia por em pauta e votar tal PEC.

      Advinha o que ele falou? Que vai sentar em cima.

      Estou começando a considerar a hipótese de termos uma guilhotina para estes cidadãos.

  4. Meu caro João Francisco. Tens toda razão.
    Acreditamos que essa e outras hipóteses mais, devam ser consideradas.
    Tendo em vista, que as vossas excrescências, já ultrapassaram todos os limites permitidos e tolerados da harmonia dos Poderes.

    A ruptura institucional não é mais uma possibilidade. É uma realidade. Esses sujeitos, calhordas, canalhas, covardes…
    Consideram-se “kamikazes” imorríveis. Partiram para o vale tudo, ou melhor, vale tudo até derrubarem o Presidente.

    Comentam que essas manifestações no dia sete de setembro. Poderão dar um novo rumo ao embate ou desencadearem, se não uma “guilhotina” ou algo parecido. Que tenha o mesmo poder penalizador para os criminosos e traidores da Nação.

    Aguardemos, pois. Se as previsões irão concretizar -se.
    Um forte abraço e uma boa noite.

Deixe uma resposta