J.R. GUZZO

Lula

Presidente Lula comparou os supostos agressores do ministro Alexandre de Moraes a “animais selvagens”

Tem algum propósito, pelas regras rudimentares de qualquer ordenamento legal conhecido, que uma ministra do STF envolva a mais alta corte de Justiça do Brasil numa miserável rixa de aeroporto? Alguém já ouviu falar de uma coisa dessas em alguma democracia razoavelmente séria do mundo? A ministra em questão, para completar o desastre, ainda tomou partido no bate-boca – mandou a Polícia Federal, que funciona cada vez mais como guarda de segurança privada do atual regime, apreender computadores, confiscar celulares e vasculhar o carro de uma das partes envolvidas, e que já foi condenada antes mesmo de prestar o seu primeiro depoimento.

Enfim: como uma briguinha de sala vip, e ainda por cima fora do Brasil, pode ser tratada pelo governo Lula e os seus servidores como “um atentado contra o Estado de Direito”? O presidente da República, sem que tenha havido qualquer decisão judicial no caso, chamou os acusados de “selvagens”, e exigiu que eles sejam “extirpados”. O seu ministro da Justiça foi junto, na mesma linha de linchamento. Isso não é rigor na aplicação da lei. É fanatismo.

O entrevero do ministro Alexandre de Moraes no aeroporto de Roma, num tumulto em que os lados apresentam versões opostas dos fatos, e no qual não apareceram até agora imagens para esclarecer o que realmente houve, é uma mixaria. Se o próprio ministro, que há quatro anos não faz outra coisa que não seja prender, multar e punir, no seu inquérito perpétuo para salvar a “democracia”, deu a entender que houve apenas um caso de injúria, como se explica que a ministra Rosa e a polícia do governo saiam por aí invadindo a casa dos cidadãos para apreender celulares e computadores?

Desde quando a lei autoriza o uso da força armada para investigar um crime contra a honra? É um abuso grosseiro e escancarado da autoridade, como podem atestar dezenas de juristas independentes. A PF, além disso, age como se fosse a parte ofendida no caso, e não como um instrumento imparcial para se manter a ordem. É o resultado da soma de extremismo político e da prática sistemática da ilegalidade por parte dos que mandam hoje no Brasil. Como diz em editorial a Gazeta do Povo: “Transformar injúria em golpismo é delírio sem lógica”.

Há que se considerar, além de tudo isso, a própria viagem de Alexandre de Moraes à Itália, de onde voltava quando houve o incidente no aeroporto internacional de Roma. É uma história sombria. O ministro, como foi noticiado, estava lá para participar de um evento na Universidade de Siena. Só que não foi a Universidade de Siena quem convidou Moraes. Foi uma faculdade particular de Direito de Goiânia, que pertence a um grupo empresarial dedicado a negócios variados, da venda de refrigerantes ao aluguel de carros – tem, também, um laboratório farmacêutico.

Para complicar consideravelmente a coisa, esse laboratório fabrica ivermectina, “o remédio do Bolsonaro” que deixou a esquerda brasileira enlouquecida; por sinal, faturou 500 milhões de reais com a venda da substância durante a Covid. A notícia realmente ruim é que esse laboratório acaba de ser condenado pela Justiça a pagar uma multa de 55 milhões de reais, por dar apoio a médicos que defendiam o uso da ivermectina como tratamento alternativo para a Covid. Vai recorrer da sentença, é óbvio. E aí? Está certo para um ministro do STF (ele mais a família) aceitar convites desse tipo? E se o caso chegar ao Supremo – como chega qualquer coisa, hoje em dia? É o Brasil que temos no momento.

3 pensou em “NO BRASIL DE LULA, RIXA DE AEROPORTO VIRA ATENTADO CONTRA O ESTADO DE DIREITO

  1. Que democracia?? Estado de direito? Suprema Corte?? Aqui em banânia??
    Justiça?? Se existir uma palavra mais contundente que falso, aplique-se a este país vagabundo.

  2. Têm alguns ditados que traduzem bem certas situações. Essa, tá naquele de: “Você colhe o que planta”, né verdade?

    Se a vossa impoluta excrescência tivesse seguindo as leis e não as rasgando. Com certeza a tal situação seria outra. Estaria sendo aplaudido e devidamente reconhecido como “Paladino da Justiça” ou “Defensor da Lei, dos fracos e dos oprimidos”.

    Nunca teríamos que ouvir, uma cidadã, numa comissão, pedir para ter o mesmo tratamento que o bandido tem. Pois assim, estaria sendo melhor tratada pela própria justiça. E tantos e tantos outros exemplos que há pelo menos nos últimos quatro anos vem acontecendo.
    “Dá à César o que é de César e à Deus o que é de Deus”.

Deixe uma resposta