CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

VENEZUELIZAÇÃO

A Venezuela já chegou na Bahia.

Já temos o nosso Óscar Pérez.

PS: um certo colunista poderia ter a cortesia de nos responder a qual partido (tão humanista) pertence o responsável.

19 pensou em “NIKOLAI HEL – MANAUS-AM

  1. Uma observação que também faço a essa tragédia:

    uma pessoa surtada não diz o que esse servo do povo disse. Se ele teve um “surto”, foi de lucidez em meio àqueles que eram seus companheiros, lobotomizados pelo maldito Rui Costa para promoverem um dos principais propósitos da Esquerda que é incutir nas massas o seu ódio ideológico às policias e jogarem a instituição em total desgraça.

  2. Vou preencher a lacuna de um certo colunista, que por acaso sou, ou seria, eu mesmo, e primeiramente dizer que lamento a morte do policial, não posso esclarecer se poderia ter sido evitada, ante o noticiário que diz que foram muitas horas de tentativa de apaziguamento e que ele foi morto quando atirava de fuzil contra os que o cercavam.
    Não posso garantir se os que atiraram contra ele o fizeram por serem petistas lobotimizados pelo governador petista Rui Costa, como informa o insuspeito Nikolai Hel, mas tenho de admitir que essa crença me parece meio maluca, tipo coisa que seria dita por Jair Messias Bolsonaro ou por Ernesto Araújo antes de cair.
    O noticiário diz que o soldado Wesley Soares foi morto por agentes do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) após 3h30 de negociações sem sucesso. Pouco antes de ser atingido, ele disparou com um fuzil pelo menos dez vezes contra agentes que cercavam a área do Farol da Barra, em Salvador.
    Entretanto, certamente o caso será investigado para saber se houve excesso (eu mesmo perguntaria em inquérito se não havia a possibilidade de uso de balas de borracha, gás incapacitante ou outra medida não mortal).

    • “Certo colunista”,

      a integração de Rui Costa ao PT agora se tornou uma “crença amalucada”?

      Sem contar que o “certo colunista” ignora o mais importante: o motivo pelo qual tudo isso se desencadeou (e isso está em fonte maior na foto postada).

      • Vamos e venhamos, né Nicolau, tás na hora de fazer cursinho de interpretação de leitura.

        Quanto ao motivo, parece certo que a defesa que o infeliz policial fazia da dignidade e honra do trabalhador era, pela forma como feita, fruto de um surto psicótico.

        Acho lamentável o desfecho da tragédia e gostaria de não explorar politicamente esse assunto.

        • “Certo colunista”, ainda que eu possa carecer de capacidade interpretativa, com certeza ela é bem menor do que sua capciosidade de quem finge alheamento.
          Surto? Só se for de lucidez, e acho que agora tá um pouquinho tarde pra não explorar a política das coisas depois da Esquerda politizar a pandemia em todos os aspectos, não acha?

    • Embora se tenha essa questão da negociação, cabe uma dúvida: se ele estava resistindo por aquilo que acreditou defender? A dignidade do trabalhador! Cabe outra dúvida: não poderiam ter atirado com bala de borracha? Com um tranquilizante? Goiano, a gente sabe que fatalismo só no instante da morte e “os escândalos hão de vir, mas aí daqueles por os quais os escândalos virão”.

  3. Brasileiros atirando em brasileiros… Triste Brasil dos atuais tempos.
    Brasileiros matando brasileiros… Triste NAÇÃO onde o termo POVO é usado e abusado para a tudo justificar.
    Infeliz NAÇÃO onde matar é tão rotineiro que anualmente MORREM de “morte matada” quase 100 mil filhos da PÁTRIA AMADA.
    Amaldiçoada PÁTRIA onde o centro da maior de nossas capitais se transforma em shopping center a céu aberto do tráfico e consumo de drogas sem que as AUTORIDADES ponham um fim em tantos criminosos a MATAR o trabalhador.
    Tudo isso, caríssimos senhores, torna-se tão rotineiro que um corpo estendido no chão só incomoda alguém se estiver atrapalhando a passagem ou a ambição política de alguém.

    • San Sancho de los cocos,

      quando uma alma de luz como a tua compõe um lamento dessa magnitude é pq realmente a situação é crítica.

      Vc só disse verdades. Verdades bem duras e tristes.

  4. Começou o que tanto temíamos:

    Um brasileiro ousa ir contra a maré avassaladora de autoritarismos atrabiliários de quem nos desgoverna e é abatido a tiros.

    Logo, caso não demos um basta nesse festival de canalhices, muitos mais seguirão neste mesmo triste destino.

    • Sr. Adônis,

      assim como os demais produtos, o preço pela liberdade nesse país está subindo, e nossas vidas estão como nossa moeda nacional.

      É necessário uma intervenção (seja militar, ou divina).

  5. Alguém sabe quantos projéteis restaram com o soldado abatido , que fez com que os seus companheiros de farda o abatesse ?
    Quantos reféns foram mortos pelo soldado ?
    Os direitos humanos já acionaram o governo do estado para responsabilizá-lo pelas inúmeras mortes de civis ?

  6. Esse é o resultado do comprometimento das esferas do poder entre si. O popular “rabo preso”. Um casamento entre as partes quadrilheiras. Onde juram amor eterno e o indefectível “até que as mortes os separem”.
    Começa na lua de mel, pra nós lua de fel. A cumplicidade em dividir tudo que pertence aos outros.
    Apoderando-se do poder, do dinheiro e da vida dos convidados e testemunhas do enlace do mal, que são, a indefesa, a manipulável, a servil e acuada população.

    Covardia. Foi o que nós vimos. Independente do que o infeliz soldado quis demonstrar, denunciar ou protestar.
    Seus algozes continuaram atirando mesmo depois do policial ter sido abatido.

    O “andar da carruagem” de tiranias, violências, violações, abusos de poder que vinham patrocinando contra o cidadão de bem.
    Pressentia-se um mal maior à qualquer momento.

    Agora, estão surgindo alguns movimentos rebelando-se pela morte, morte não, assassinato do soldado herói.
    Porquê, não o fizeram antes, não estou aqui para julgar ninguém, estou generalizando.
    Porquê esperaram alguém morrer (já havia morrido um senhor nas ruas de São Paulo, quando levaram suas mercadorias. Teve morte súbita, segundo consta).
    Escutávamos todos os dias: “ordens absurdas não se cumprem”. Adiantou de alguma coisa?

    Temos que saber que grau de comprometimento, alguns, tem com o casamento entre o poder, o dinheiro e os políticos. Participando inclusive da lua de mel, lua de fel pra nós.

    O que acontecerá daqui pra frente? Terá o jovem cabo, policial militar, que não queria obedecer as ordens de prender os seus semelhantes. Que teve sua vida ceifada pelos seus irmãos de farda, à mando de algum poderoso. Será em vão?
    Daqui há uma semana ninguém mais irá falar sôbre isso.
    Ou terá outros desdobramentos com consequências sérias e severas para “os noivos”. Os nubentes do poder terão sua lua de mel, lua de fel pra nós, interrompida?

    Se tivermos como resposta: “Está tudo como dantes, no quartel de Abrantes”.
    Conselho: “o último que sair apaga a luz”.

    • Como disse aquele grande jornalista: É mais fácil acreditar que a Terra seja plana, do que acreditar na inocência do Lula. E no entanto…

  7. Nikolai Hel. Não vou comentar sobre o assunto acima. Já há bons comentários , suficientes. Quero teu contato, pois V. é a primeira pessoa que , parece-me , também como eu considerou Shibumi, inspirador. Já li e re-li em português e espanhol. Procuro a ediçaõ em alemão. meu fgehr608@gmail.com

    • Ilustre Fernando,

      fostes o primeiro a decifrar a origem de minha sombra jungiana. “Shibumi” é, absolutamente, o melhor romance que já li em toda a minha vida. Um dos raros divisores de águas que tive em minha existência terrena.

      Gratidão pela sua presença.

  8. Não dá nem para começar a comentar. E ainda tem gente esquisitíssima que apoia, contemporiza, justifica e menospreza a maldição (TODO O TIPO DE ESQUERDISMO, TODO!) que se abateu em nosso país. Não tenho mais estomago para isso não, nem nervos. Deixo para quem ainda tem, apesar de achar que só dão combustível para essa nojeira. Melhor parar de falar desses anormais e focar nas soluções que estamos vendo e apontar as que gostaríamos de ver e deixar a banda podre passar.
    Claro que devem ser denunciados os erros desses cretinos, e meter lhes o pau mesmo, dentro da editoria. É assim que podemos mostrar as diferenças do óbvio.
    O que não farei mais é bater palmas para qualquer maluco dançar, seja ele colunista, comentarista, jornalista ou político.
    Quer vomitar suas escrotices, pois bem, vomite a vontade, não passo da primeira linha.
    Meu bem estar é mais importante do que qualquer razão que eu possa vir a ter, e é muito melhor que eu fique tranquilo com ela.

  9. Para alívio geral, registre-se a abstinência do Goiano, em fazer novos e absurdos comentários sobre o fuzilamento do soldado Wesley Soares.

Deixe uma resposta