NEM PENSAR EM IR PRAS RUAS

A agenda de Lula, segundo a Folha de S. Paulo, inclui um encontro organizado por seus advogados e uma partida de futebol com Chico Buarque no campo do MST.

Ele foi solto pelo STF, mas continua enclausurado, sem poder pisar na rua.

* * *

A notícia aí de cima fala que a pelada vai ser “no campo do MST.

Ou seja, no campo criminal, no campo terrorista.

Quanto ao fato de Lapa de Corrupto estar enclausurado, não custa nada lembrar que se ele pisar na rua, ou em qualquer outro canto, a chuva de ovos será certeira.

Ontem em Paraty isto ficou provado.

O povão abriu os olhos.

Lapa de Corrupto achava que sua embromação demagógica seria eterna.

Se fudeu-se.

Quebrou o cínico fucinho.

Esta reação que as pessoas estão adotando nos últimos dias é plenamente explicada numa célebre frase de Abraham Lincoln:

Não custa nada esclarecer que nunca, jamais, em tempo algum, esta frase poderá ser aplicado a Ceguinho Teimoso.

A moléstia que assola Ceguinho é incurável.

Um caso irremediavelmente perdido. 

4 pensou em “NEM PENSAR EM IR PRAS RUAS

  1. Se o MST é o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra onde teriam um campo de futebol ?
    Porque não fazer o jogo no campo do Chico Buarque ou no do SCCP, ,a quem doou um estádio a ser pago com dinheiro de todos os brasileiros ?

  2. Bem…pra mim nenhuma novidade. Conheço o carniça desde 1988 fazendo seus costumeiros discursos criminosos nas portas das fábricas (já contei essa história aqui nesta gazeta escrota da porra). Carniça estava em plena campanha para presidente e era aplaudido freneticamente por quem deveria renegá-lo. Hoje, mais de 30 anos depois, são menos os frenéticos que o aplaudem. Geralmente são os comunistas/socialistas que sentem o cheiro de um regime “coletivista”, mesmo que esse cheiro seja o cheiro do carniça.

  3. O Larápio, uma vez solto, está relevado à sua insignificância, como eu já previ.

    Se tivesse coragem, sairia para a rua com alguns que ainda o aplaudem e caçava confusão, para depois dizer que o fascismo impera no Brasil.

    Mário Covas, quando era governador e estava em fase avançada do câncer foi para a Secretaria da Educação, onde alguns do Sindicato dos professores diziam que ele não entraria. Tomou algumas cadeiradas, sangrou, mas entrou.

    Isso foi logo depois do pacifista do Zé Dirceu dizer que os adversários tinham que apanhar nas ruas.

    Vai, Demiurgo Valentão, tenha um pouco de dignidade e enfrente as ruas, não fique escondido atrás de um muro de 4 metros em uma casa em Parati.

Deixe uma resposta