FRANCISCO ITAERÇO - MEUS RISCOS E RABISCOS

Nada a ti pertence
Nem meus olhos
Nem minha boca
Nem essa vontade
Louca de te beijar

Nada a ti dedico
Nem meu silêncio
Nem o meu grito
Nem meus sonhos
Nem meus pesadelos…
Se a mim pertencem
De ti não há de sê-los

Nada a ti eu inspiro
Nem um poema
Nem uma poesia
Nem a primavera
Orlada de flores
Porque sem flores
Ela não existe.

Nada em mim eu te dou
Nem em qualquer
Tempo eu te darei
Tudo que eu tinha
A muito já te dei
Na primeira vez
Em que eu te vi
Me dei a ti por inteiro
E nem eu percebi.

Deixe uma resposta