PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

Já rumores não há, não há; calou-se
Tudo. Um silêncio deleitoso e morno
Vai-se espalhando em torno
Às folhagens tranquilas do pomar.

Torna-se o vento cada vez mais doce…
Silêncio… Ouve-se apenas o gemido
De um pequenino pássaro perdido
Que ainda espaneja as suas asas no ar.

Ouve-me, amiga, este é o silêncio, o grande
Silêncio feito só de sombra e calma,
Onde, às vezes, noss′alma,
Penetrada de mágoas e de dor,
Se dilata, se expande,
E seus segredos íntimos mergulha…
Prolonga-se a mudez: nenhuma bulha;
Já se não ouve o mínimo rumor.

Esta é a mudez, esta é a mudez que fala
(Não aos ouvidos, não, porque os ouvidos
Não conseguem ouvir esses gemidos
Que ela derrama, à noite, sobre nós)
À alma de quem se embala
Numa saudade mística e tranquila…
Nossa alma apenas é que pode ouvi-la
E que consegue perceber-lhe a voz.

Escuta a queixa tácita e celeste
Que este silêncio fala a ti, tão triste…
E hás de lembrar o dia em que tu viste
Perto de ti, pela primeira vez,

Alguém a quem disseste
Uma frase de amor, de amor… ó louca!
E que, no entanto, só mostrou na boca
A mais brutal e irônica mudez!

Francisca Julia César da Silva Münster, Eldorado Paulista-SP (1871-1920)

2 pensou em “MUDEZ – Francisca Júlia

  1. Me senti calmo, me imaginei em um pomar tranquilo.

    Este poema me fez bem.

    Eldorado Paulista não nos deu só o Capitão, que se não nasceu lá, a considera como sua terra natal..

Deixe uma resposta