ALTAMIR PINHEIRO - SEGUNDA SEM LEI

A brilhante e talentosa atriz Olivia de Havilland, estrela de “… E o Vento Levou” e uma das últimas sobreviventes da era de ouro de Hollywood, morreu na noite de domingo dia 26 de julho de 2020 aos 104 anos. A atriz morreu de causas naturais enquanto dormia. De Havilland venceu dois Oscar em sua carreira, por “Só Resta Uma Lágrima” (1946) e “Tarde Demais” (1949). Foi indicada outras três vezes, por “… E o Vento Levou” (1939), “A Porta de Ouro” (1941) e “Na Cova da Serpente” (1948). Olivia de Havilland como Melanie em “… E o Vento Levou”. Famosos usaram as redes sociais para lamentar e prestar homenagens à atriz, ícone da era de ouro do cinema. Entre eles, o ator Antonio Banderas: “Olivia de Havilland, um grande ícone da cinematografia, faleceu. Descanse em paz.”…

No filme E O Vento Levou não se deve confundir os papéis da protagonista Vivien Leigh que tinha como personagem Scarlett O’Hara com Olivia de Havilland que representava a personagem de Melanie Hamilton. O cinéfilo Paulo Telles nos faz uma brilhante observação quando diz que “Não foi só de canduras que viveu esta grande atriz dentro e fora das telas. Ela se impôs como mulher e artista, desafiando o sistema hollywoodiano de estúdios e com isso, conquistando o respeito de seus amigos e colegas de profissão (entre os quais, se destaca Bette Davis”. Ela foi premiada pela Academia em duas ocasiões. Dame Olivia Mary de Havilland é uma atriz britânico-américo-francesa NASCIDA NO JAPÃO, por muito tempo, radicada na França e tinha como seu esporte predileto o ciclismo que praticava diariamente até os 100 anos de idade.

Um dos maiores estudiosos do cinema, o brasileiro e natalense Antonio Nahud, é um profundo conhecedor da história pessoal de Olívia de Havilland( nascida no Japão) e sua irmão, também atriz, Joan Fontaine (nascida em Tóquio, Japão, e falecida em 2013 aos 96 anos de idade). O cinéfilo Nahud nos conta que, AS DUAS ATRIZES IRMÃS ERAM INIMIGAS FIGADAL e jamais se conciliaram em vida mesmo vivendo no estrelato em seus longínquos anos. Essas duas atrizes como Havilland, em contraste com sua imagem pública comportada e boazinha, sempre teve um temperamento inflexível e brigão. Fontaine, insossa e sofisticada, em cena parece estar repetindo o mesmo personagem de inúmeros outros filmes que fez: a vítima apaixonada, frágil e desorientada, mas sempre foram duas excelentes atrizes.

Através do livro de Charles Higham e os escritos de Antonio Nahud podemos conhecer os “puxavancos” de cabelos que rolavam entre as irmãs inimigas. Elas sempre tiveram uma relação difícil, começando na infância, quando Olivia teria rasgado uma roupa de Joan, forçando-a a costurá-la novamente. A rivalidade e o ressentimento resultam também da percepção de Joan em relação ao fato de Olivia ser a filha favorita da mãe delas, a atriz Lillian Augusta Ruse. JOAN FONTAINE, certa vez, declarou: “Lamento, mas não me lembro de um ato de bondade de minha irmã durante toda a minha infância. Em 1933, quando ela tinha 17 anos, jogou-me na laje da piscina e pulou em cima de mim, fraturando a minha clavícula”. Segundo o biógrafo Higham, OLIVIA DE HAVILLAND nunca conseguiu dividir a atenção maternal com a irmã mais nova, além disso ela se via como “a mais bonita e a mais talentosa”, chegando a fazer um testamento, em uma de suas brincadeiras de criança, deixando toda a sua beleza para a sua irmã, “que nada possui”. Nos estudos, no entanto, era Joan quem se destacava.

Ambas vencedoras do Oscar, com estrelas na Calçada da Fama de Hollywood e aclamadas por seus papéis em filmes maravilhosos dos anos 30, 40 e 50, Olivia de Havilland foi a primeira a se tornar atriz, estreando na comédia “Esfarrapando Desculpas em 1935. Enquanto sua carreira decolava, através de clássicos de aventuras ao lado de Errol Flynn (com quem fez oito filmes), como “Capitão Blood, “A Carga da Brigada Ligeira de 1936 e “As Aventuras de Robin Hood 1938, JOAN FONTAINE desenvolvia um “complexo de Cinderela” e se via como coitadinha. Para piorar as coisas, sua mãe exigiu que mudasse seu sobrenome para Fontaine, evitando uma possível associação com Olivia, e proibiu-a de aceitar um interessante contrato com a Warner Bros., “porque era o estúdio de sua irmã”.

Em 1942, elas foram nomeadas para o Oscar de Melhor Atriz. Joan indicada pela atuação em “SUSPEITA”, de Alfred Hitchcock, e Olivia por “A Porta de Ouro. Joan acabou levando a estatueta. O biógrafo Charles Higham descreveu os eventos da cerimônia de premiação, afirmando que Joan avançou empolgada para receber seu prêmio, rejeitando as tentativas da irmã cumprimentá-la. Olivia acabou se ofendendo com essa atitude. Depois, Joan declararia: “Quando foi anunciado o meu nome como vitoriosa, percebi que Olivia teve vontade de dar um salto e me agarrar pelos cabelos”. Anos mais tarde, em 1947, seria a vez de Olivia ganhar o Oscar, pela atuação no melodrama “SÓ RESTA UMA LÁGRIMA”.

A relação entre as irmãs continuou a deteriorar-se após os incidentes na cerimônia do Oscar. Em 1975, aconteceria algo que faria com que elas deixassem de se falar definitivamente: segundo Joan, Olivia não a convidou para um ritual religioso em homenagem a mãe delas recentemente falecida. Mais tarde, Olivia afirmou que tentou comunicar Joan, mas ela se encontrava muito ocupada para atendê-la. Charles Higham também diz que Joan tem uma convivência distante com suas próprias filhas, talvez porque tenha descoberto que elas sempre mantiveram uma amizade secreta com a tia Olivia. Até pouco antes de JOAN morrer as irmãs se recusavam a falar publicamente sobre sua delicada situação, apesar de JOAN FONTAINE ter comentado em entrevista que muitos boatos a respeito delas surgiram dos “cães de publicidade” do estúdio.

Ocasionalmente, uma rara trégua acontece entre elas. Em 1961, passaram o Natal juntas no apartamento de Joan, em Nova York, mas a noite terminou em briga. Oito anos depois, Joan recebeu um pedido de ajuda de OLIVIA DE HAVILLAND, então adoentada e em dificuldades financeiras. “Deixei um gordo cheque”, lembra Joan. Mas os ressentimentos e a mesquinha antipatia continuaram. Quando a mãe morreu de câncer, deixou sua herança para os filhos de Olivia e nada para as filhas (uma delas, adotiva) de Joan. Vingativa, Joan lançou em 1978 a autobiografia “No Bed of Roses” (Nenhum Mar de Rosas), que segundo um dos seus ex-maridos – William Dozier – não contém nenhuma verdade, fazendo um retrato cruel da irmã, inclusive descrevendo-a como venenosa.

Interessante é falarem da Olivia de Havilland pelo seu papel em E o vento levou, pois o principal papel não era dela, mas de Vivien Leigh, que ganhou o Oscar de melhor atriz. Além disso, seu desempenho como Melanie em E o vento levou, apesar de ótimo, e isso lhe rendeu a indicação ao Oscar de melhor atriz coadjuvante (que ela perdeu com justiça para outra atriz de E o vento levou, HATTIE MAC DANIEL, que fez a Mammy, e foi a primeira afro-americana a vencer o Oscar), não foi o melhor de sua carreira. Quem nunca viu Tarde demais (The heiress), de 1949, dirigido por William Wyler, que lhe deu seu segundo Oscar de melhor atriz, veja. Trabalho maravilhoso de Olivia, como uma moça solteirona, de poucos atrativos e talentos, rejeitada pelo pai e enganada e abandonada pelo namorado. O último ato da carreira da atriz foi na TV, vencendo um Emmy e um Globo de Ouro pela minissérie “Anastácia: O Mistério de Ana” (1986). Seguiu atuando até 1988, se afastando então dos holofotes para viver em Paris, na França. No país europeu, era uma figura adorada, sendo premiada com a Legião de Honra em 2010. “Você honra a França por nos escolher como sua morada”, disse o presidente Nicolas Sarkozy na cerimônia de premiação.

2 pensou em “MORRE AOS 104 NOS, OLIVIA DE HAVILLAND, ESTRELA DE “…E O VENTO LEVOU”

  1. Pois é, meu caro. Lembro que você escreve sobre ela por ocasião do seu aniversário. Era uma atriz que eu gostava muito.

  2. Belíssimo texto, Altamir Pinheiro, sobre essa grande dama do cinema mundial que o diretor William Wyler sob moldar o seu talento e beleza na arte cinematográfica.

    Olivia de Havilland não foi só uma grande atriz. Foi uma mulher de beleza estonteante que o tempo não consumiu!

Deixe uma resposta