DEU NO JORNAL

O Ministério da Cidadania fez as contas: 

O investimento do governo federal no auxílio emergencial chegou a R$ 200 bilhões, nesta sexta-feira (18).

São 67,2 milhões de pessoas beneficiadas com os recursos.

* * *

É gente que só a porra: mais de 67 milhões de lascados.

E é dinheiro que só a peste: duas centenas de bilhões.

Tô doido pra ouvir as opiniões dos especialistas fubânicos sobre este assunto.

Isto é bom ou é ruim?

Quero saber o que pensam os nossos doutores nestes assuntos financeiros.

E também gostaria de ouvir os otimistas e os pessimistas.

Pois é, é isso mesmo que eu disse.

Agora tem uma nova classe de gente aqui nessa gazeta escrota pra se contrapor ao otimistas: os pessimistas e de mau humor.

Sempre de cara fechada e sempre sendo do contra, eles dão um brilho muito especial a este nosso jornaleco.

Espero que eles também se manifestem.

4 pensou em “MILHÕES E BILHÕES

  1. Por vontade de Jair Messias Bolsonaro o governo poderia ter gasto um terço disso, tipo duzentos reais, mas o Congresso Nacional impôs uma contribuição maior, de quinhentos reais, e o presidente foi, realmente, arguto em dar a volta por cima e cobrir a oferta e destinar seiscentos reais. Palmar para o Congresso e palmas para o presidente. O povo, penhorado, agradece.

  2. Acho que o pessimista a que o Berto se referiu sou eu. Aqui no JBF tem direitista, tem esquerdista, tem socialista, tem fascista, tem tenista, tem enxadrista, tem contista, tem romancista, e tem pessimista também.

    Os duzentos bilhões não são investimento. São dívida, dinheiro que o governo gastou mas não tinha. Para (tentar) botar as contas em ordem, vai ter aumento de imposto e inflação. É uma pena, mas é o que é.

    • Pego carona… É uma pena, mas é o que é.

      Um Brasil tão rico, que sempre manteve o mesmo diapasão: péssimas administrações, que levaram a grana para “sabe-se lá onde” e deixaram a população a “ver navios”. Como esquecer a população de 90 milhões em ação (lembram-se da musiquinha da copa de 70?) chegando a mais de 200 milhões, gente que, em sua, maioria, vive com até um salário mínimo…

      É uma pena, mas é o que é…

      Peguemos o governo atual (presidente, vice e 22 ministros) e num exercício de viagem no tempo, instalemos tais homens e mulheres em 1982, sendo substituídos de 4 em 4 anos por similares equipes até a presente data. Que Brasil teríamos?

    • Deixe de querer bancar o adivinho, seu cabra.

      Você é um otimista de mão cheia!!!

      Uma coisa é certa: é um privilégio editar um jornal que tem um colaborador do seu quilate.

      Abraços e um domingo feliz e cheio de otimismo!!!!

Deixe uma resposta para Luiz Berto Filho Cancelar resposta