MARCELO BERTOLUCI - DANDO PITACOS

Minha mulher me disse: “Legal a estória das melancias, mas você podia falar da previdência, que é o assunto do momento.”

Bem, para explicar a previdência nem precisa de melancias:

O João tem dois irmãos e duas irmãs. Quando seus pais ficarem velhinhos, o João sabe que a tarefa de cuidar deles será dividida entre os cinco. Além disso, o pai dele tem irmãos e vários sobrinhos, e a mãe dele também, então sempre vai ter alguém para dar uma mãozinha.

No outro lado do mundo, o Wu é filho único. O pai dele é filho único e a mãe dele também. O Wu sempre pensa que quando os pais dele se aposentarem, ele vai ter que cuidar deles e do vovô e da vovó e do outro vovô e da outra vovó, sozinho.

A situação da previdência do Brasil não é mais a do João. Ainda não é a do Wu, mas está indo nesta direção. Em palavras diretas: tem cada vez mais gente aposentada e cada vez menos gente trabalhando para sustentar a todos. (se fosse para continuar o tema da minha última coluna, todo mundo acha que tem direito a ganhar melancia, mas tem cada vez menos gente plantando).

Se é tão simples, porque parece tão complicado?

Primeiro: Brasileiro gosta muito de privilégio, nem que seja pequeno. Todo mundo gosta de saber que tem um “direito” a mais que o vizinho.

Segundo: Brasileiro acredita que o governo “dá” coisas para nós. Não é uma questão de lógica, é uma questão de fé.

Terceiro: Brasileiro gosta muito de achar culpados. Quando falam que o governo vai mexer no bolso dele, é grande a tentação de sair gritando “a culpa é dos políticos”, “a culpa é dos militares”, “a culpa é dos corruptos”, “a culpa é de sei lá quem, mas minha não é”.

Quarto: Seguindo uma longa tradição, a comunicação do governo trata o brasileiro como idiota. A TV deveria mostrar algo como “Nossa previdência gasta X e nossa arrecadação é Y; X está crescendo Y não; se continuar assim o país vai quebrar”, mostrando os números e os fatos. Ao invés disso, o governo faz comerciais com pessoas sorridentes e frases vazias dizendo “a nova previdência é boa porque o governo sempre está certo; você só precisa confiar cegamente.” A burrice é tanta que ao invés de usar a expressão certa, “reduzir o déficit”, usam “fazer economia”, o que já induz uma reação negativa: “vão fazer economia com a minha aposentadoria?”

Quinto: Temos um monte de gente que, na falta de algo melhor para inflar sua auto-estima, decidiu ser “resistência”, ou seja, ser contra o governo sempre, não importa o quê seja. É uma grande massa de tolos repetindo slogans sem sentido que leram nas redes sociais. Na próxima vez que você escutar alguém gritando “Regime de capitalização nunca! Olhem o Chile!”, pergunte: “É mesmo? O que aconteceu no Chile?”. Provavelmente você verá um jovem engasgado, porque só disseram para ele repetir “Olhem o Chile!”, sem explicar. Se ele tiver um pouco de iniciativa, vai repetir alguns clichês sobre “prejudicar os pobres”, “enriquecer os banqueiros” e coisas assim. Provavelmente estes clichês serão fundamentados apenas em uma enorme esperança de que sejam verdade, porque na verdade o pobre jovem não é capaz de dizer uma só frase contendo fatos sobre a previdência chilena.

Um conselho? Procure pelos FATOS e pelos NÚMEROS. Sem números, as pessoas dizem “é só tirar daqui e colocar lá”, sem ter idéia de quanto tem aqui ou de quanto precisa lá.

Então, para ajudar (e lembrando que não sou especialista em coisa nenhuma), alguns fatos e números:

– O governo arrecada dinheiro sob dois nomes principais: “impostos” e “previdência”. No fundo é a mesma coisa: o governo – que não produz nada – tomando de quem produz.

– O governo usa o dinheiro que arrecadou em duas coisas: Pagar seus próprios salários (e gabinetes, carros oficiais, lagostas e vinhos premiados) e fornecer serviços que as pessoas pensam que é “de graça”, incluindo aposentadorias.

– Em 2018, o governo gastou 10 bilhões em segurança, 100 bilhões em educação, 110 bilhões em saúde e 716 bilhões em aposentadorias. (leia de novo, com calma: o governo gastou com aposentadorias mais que o triplo de saúde e educação juntas). Tem gente que argumenta que contabilmente não há déficit da previdência, o que há é que o governa desvia recursos da previdência para outras áreas. Em outras palavras, para resolver o problema da previdência é só tirar da saúde, da educação, da segurança e de onde mais precisar.
– Estes 716 bilhões representaram 53% das despesas primárias do governo federal em 2018.

– Se o sistema atual for mantido, daqui a sete anos esta despesa atingirá 80%. (Isto não é um chute: é só pegar o cadastro dos contribuintes e somar quantas pessoas vão atingir as condições para se aposentar).

– Para resolver isso, ou se gasta menos (é o que a reforma quer fazer) ou se arrecada mais (aumentando impostos). Caso alguém diga “dá para arrecadar mais se a economia crescer”, pergunto: fácil assim? como?

– Para comparar: O Brasil gasta 13% do PIB em aposentadorias, contra 10% da Alemanha e 9% do Japão. Há países que gastam tanto ou mais que o Brasil? Sim: França, Portugal, Itália e Grécia. Todos estão quebrados. Note também que todos estes países tem uma população idosa muito maior que o Brasil, o que significa que eles não tem muito como piorar, enquanto nós sim. Note também que em todos eles a idade mínima para se aposentar já é acima dos sessenta há décadas. No Brasil, a idade média das aposentadorias por tempo de serviço é 54 anos.

Importante: estes números deveriam estar sendo divulgados todo dia na TV. Ao invés disso, o governo coloca nos seus sites balanços enormes tão cheios de rubricas e sub-rubricas, que dá para tirar um monte de números diferentes para cada coisa, dependendo do que incluir ou não em cada um. Por isso, não estranhe se você encontrar na internet números diferentes destes que eu mostrei.

Concluo com minha opinião pessoal: o problema não é a previdência, é a mania de achar que o governo nos dá coisas de graça. Solução: capitalização individual, privada, com a maior liberdade possível, garantida por uma rede privada de seguros e resseguros. E para quem não tem capacidade de organizar sua própria vida e seu próprio futuro, salário mínimo pago pelo governo, com o nome de assistência social, não previdência.

Deixe uma resposta