CARLITO LIMA - HISTÓRIAS DO VELHO CAPITA

Gonguila será enredo do Carnaval da Escola de Samba Beija Flor de Nilópolis no Carnaval de 2024

Uma cidade não é feita apenas de prédios, ruas, praças, calçadas, parques, praias e jardins. Toda cidade tem uma alma criada por suas figuras humanas, por seus costumes, por suas histórias.

Na charmosa, adorável e alegre Maceió conheci e convivi com figuras notáveis; às vezes anônimos, às vezes famosos, que contribuíram para os genes de minha cidade.

Um ser humano especial, inesquecível era um engraxate com banca na Rua do Comércio; meu amigo Rás Gonguila.

Negrão forte, alto, espadaúdo, tornou-se uma figura popular e importante em sua comunidade, a região lagunar, no bairro da Ponta Grossa. Ele se dizia príncipe africano, descendente de Reis e Rainhas da Etiópia, fazia questão de ser reverenciado pelo título nobiliárquico africano: Rás (príncipe etíope). Sua ancestralidade vem da Etiópia e da República dos Palmares, onde os escravos fujões formaram uma comunidade na Serra da Barriga. Sua família vinda do Quilombo de Santa Luzia do Norte se estabeleceu em Maceió no inicio do século XX quando Gonguila nasceu.

O Negão era bom, os clientes faziam fila, esperando sua vez, para sentar na cadeira na Rua do Comércio. Eram funcionários, poetas, amigos; ficavam na fila, conversando potocas. A cadeira de graxa do Negão tornou-se ponto de encontro.

Gonguila era um ser divertido, gostava do Carnaval e de folguedos natalinos. Criou e comandou o “Bloco Carnavalesco Cavaleiros dos Montes”. Todo ano o bloco começava a desfilar, a ensaiar pelas ruas da cidade antes do Natal com uma orquestra tocando frevos vibrantes. A moçada caía no passo. Naquela época um bloco de carnaval era nivelador da sociedade, pulavam e dançavam juntos: pedreiros, engenheiros, médicas, enfermeiras, desempregados, filhinhos de papai, putas, soldados. A elite e o povão.

O Negão era um líder na Ponta Grossa, respeitado, ouvido e querido. Naquele tempo não havia associação de moradores, eles se reunião em busca da sobrevivência, da melhoria de qualidade de vida e diversão de sua comunidade.

Theobaldo Barbosa, político sagaz, inteligente, coordenava a campanha de Arnon de Mello para governador em 1950. Falou para o chefe, que havia feito excelente contato com um cabo eleitoral, a maior liderança do bairro da Ponta Grossa e Vergel do Lago, um negro forte chamado Gonguila. Marcaram uma reunião numa noite de sexta-feira. O galpão lotou de gente, pescadores, marisqueiros da lagoa Mundaú, havia mais de 400 pessoas.

Arnon e Theobaldo desceram do carro ao lado do mal iluminado galpão, onde a turma estava esperando. Arnon admirou a estatura elegante do líder, Gonguila vestido de branco. No momento Arnon esqueceu o nome do Negrão e perguntou em voz baixa para Theobaldo, que cochichou no ouvido de Arnon: Gonguila!

O Negão aproximou-se e estendeu a mão a Arnon, dando “boa noite”. Arnon ofereceu sua mão respondendo: “Boa Noite, Seu GORILA”. Ao ouvir o nome GORILA, Gonguila ficou puto da vida, retrucou quase gritando: “ARNON, GORILA É O CARALHO! MEU NOME É GONGUILA, RÁS GONGUILA!” Apesar das caras amarradas, alguém soltou uma salvadora gargalhada, que quebrou o gelo. Arnon desculpou-se várias vezes, deu um abraço no Negão, conversou com os catadores de sururu, e catou os votos.

Em Maceió no domingo anterior ao carnaval a Prefeitura organizava O Banho de Mar à Fantasia na Avenida da Paz, com desfile de blocos, escolas de samba, troças. Depois do Cavaleiro dos Montes desfilar perante a Comissão Julgadora, Gonguila rumava para minha casa, onde estava esperando bebida e comida para os músicos. A orquestra tocava 3 ou 4 frevos, a juventude dançava e cantava no amplo terraço de minha casa.

Gonguila arrumava uns trocados como porteiro de festas nos clubes, na Assembleia, em casas de ricos. Tinha um uniforme especial com botões dourados para essas ocasiões.

Assim era o Negão: não tinha papa na língua, nem se intimidava com figurões. Apesar de analfabeto, preto, pobre, impunha respeito por sua liderança e amor à cidade. Os nomes dos figurões daquela época estão nas placas de ruas, colégios, praças. O nome de Rás Gonguila ficou apenas na lembrança e nos corações dos seus amigos.

• OBS – A crônica acima sobre meu amigo Gonguila escrevi em 2006, publicada no livro Viventes de Maceió. Hoje tive a alegria em saber que Goguila será o enredo da Escola de Samba Beija Flor de Nilópolis em 2024.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *