CARLOS IVAN - ENQUANTO ISSO

MEL

Quem não pode manter a saúde à base de remédios vendidos na farmácia, caros, se vira no mel. De cana-de-açúcar e o de abelha. Gostosíssimos. A abelha é um inseto social que adora viver em grandes comunidades.

O mel de abelha é produzido com o néctar das flores. O inseto colhe o néctar, mistura com enzimas digestivas do próprio corpo e depois acondiciona em favos localizados dentro das colmeias. Também do néctar, a abelha aproveita para produzir pólen, alimento altamente nutritivo, rico em proteínas, destinado a alimentar as abelhas jovens.

O mel natural traz provoca inúmeros benefícios ao corpo da gente. Além de ser alimento probiótico, mantem a flora intestinal em ordem, além de também possuir propriedades curativas.

Serve para tratar a acne, regular o açúcar no sangue, deixar a mente joinha, funcionando a todo vapor, tratar da tosse e da dor de garganta, cicatrizar feridas leves, combater o estresse e a insônia, melhorar a digestão e finalmente fortalecer o sistema imunológico. O mel é tão bom que chega a prevenir até doenças cardiovasculares.

É um santo remédio no meio rural. É barato, por ser presenteado pela natureza. Ao ingerir mel, o indivíduo tem a certeza de que está obtendo uma dieta saudável. Ao contrário do mel industrializado, que no processo de produção perde alguma quantidade de vitaminas e antioxidantes.

O problema é o excesso no consumo. Além de aumentar o nível de açúcar no sangue, o mel favorece o sobrepeso. Se brincar, leva a pessoa ao diabetes. Aliás, para os diabéticos, os especialistas recomendam se manter afastado do produto, porque pode alterar a taxa de glicemia. Nas crianças, caso não haja vigilância familiar, pode ocorrer o botulismo infantil.

Existem diversos tipos de mel. As floradas silvestres geralmente dão o melhor mel. O mel da laranjeira, eucalipto e caju são excelentes. No entanto, dois tipos de mel impactam. Produzidos por abelhas nativas, sem ferrão.

O mel da abelha uruçu, Inseto de tamanho gigantesco, tipo comum no litoral nordestino, produz um mel de cor clara e amarelada, sendo apelidado de mel de ouro. Saboroso, o mel de uruçu é medicinal. Tem propriedades bactericidas, energéticas e antioxidantes

Por sua vez, o mel da abelha jataí atrai. A abelha jataí, encontrada na região da Mata Atlântica, produz própolis, cera e pólen que fascinam. É anti-anêmico, revigora o organismo, favorece o crescimento da criança, solta o intestino preso, cura infecções intestinais. O mel da abelha jataí é apreciado inclusive pela indústria farmacologia e cosmética. Por vários motivos. Possui nutrientes básicos. Açúcar, proteínas, vitaminas e gordura. Por outro lado, apresenta também propriedades antibacterianas. Combate doenças pulmonares.

O interessante é que o Brasil registra 400 espécies de abelhas. Todavia, além das doenças provocadas por bactérias, fungos e vírus, outros problemas afetam a apicultura brasileira. Baixam a produtividade. Além das formigas e os cupins que são inimigos naturais da abelha.

O perigo do desmatamento, queimadas, mudanças climáticas e pesticidas representam a pior peste. Até a ONU mostrou-se preocupada com o perigo da extinção de abelhas.

Por causa de inseticidas, em 2014, no município de Santa Cruz da Conceição, São Paulo, o excessivo uso de inseticidas matou cinco milhões de abelhas. O prejuízo foi enorme não só para os apicultores, como também para a natureza. Por serem insetos polinizadores, as abelhas transportam grãos de pólen de um lugar a outro, multiplicando a multiplicação de árvores. Aumentam as florestas.

Caso não impeçam a mortandade das abelhas, a produção de alimentos pode cair. Por um simples motivo. Reduzindo a quantidade de plantas frutíferas, os frutos à venda diminuem. Aliás, quanto a este detalhe a Embrapa-Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária advertiu. Cerca de 75% das culturas dependem da polinização.

Então, extintas as abelhas, as plantações de maçã, melão e laranja sofrerão uma baita queda. Haverá menos dessas deliciosas frutas nas feiras para o consumidor comprar e matar a sua vontade de saboreá-las. Quando quiser.

Contudo, enquanto houver abelhas no mundo, os maiores produtores de mel, conforme dados de 2013, são a China, Brasil, Espanha, Hungria, Alemanha, Polônia e Grécia. No Brasil, figuram como destaques os estados do Rio Grande do Sul, Paraná e Minhas Gerais. No Nordeste, figuram na liderança, a Bahia, Ceará e o Piauí. No Piauí, o município que mais produz mel é Picos.

Deixe uma resposta