J.R. GUZZO

Marina Silva

A ministra Marina Silva, burocrata-mor do Meio Ambiente e figura colada há anos no ecossistema ambientalista, teve duas realizações notáveis em sua curta permanência no governo Lula. A primeira foi dizer, para os “bilionários do bem” que se reúnem todos os anos numa estação de esqui na Suíça, que havia “120 milhões” de pessoas passando fome no Brasil. (As agências de “verificação de fatos”, ligadas o tempo todo na fiscalização do que dizem os adversários do PT e suas vizinhanças, não fizeram nenhuma objeção – a ministra é uma dessas personalidades que foi canonizada em vida pela maior parte da mídia, e não pode ser criticada, nunca.)

A segunda realização de Marina, antes de se completarem seis meses de governo, foi ver o seu ministério amputado de funções essenciais. Para se ter uma ideia mais precisa das coisas: o Ministério do Meio Ambiente, hoje, é menos do que era no governo anterior, o mais amaldiçoado da história pelos ecologistas, militantes da natureza e salvadores do planeta. Pode?

As ONGs etc. etc. etc. estão indignadas, é claro. Exigem que o governo Lula defenda a “integridade” do MMA e lhe devolva as atribuições expropriadas; aparentemente, até agora, não conseguiram estabelecer uma relação de causa e efeito sobre o que aconteceu. Se foi o próprio governo quem decidiu esvaziar o ministério de Marina, como ele pode ser chamado para lhe prestar socorro? Não faz nexo. Mas o fato é que muito pouca coisa faz nexo em relação à Marina Silva.

Aos 65 anos de idade, e uns 50 como profissional das causas ecológicas no Brasil e no mundo, ela continua querendo ser amiga de Lula e do PT para receber alguma vantagem – e continua se dando mal todas as vezes em que tenta. Agora, mais uma vez, está na posição de pedir o boné e tornar-se ex-ministra, ou engolir o sapo e continuar grudada no governo. É uma situação inviável, até porque a ministra é uma figura inviável. Sua única função na vida pública tem sido fazer oposição ao progresso, sempre – e, aí, até o “socialismo” do PT fica incomodado.

“Qualquer tentativa de desmontar o serviço nacional de meio ambiente é um desserviço à sociedade brasileira” protestou Marina. “Isso pode criar gravíssimos prejuízos para o país”. É mesmo? Mas quem está prestando o que ela chama de “desserviço” não é a “direita”, nem o “agronegócio”, nem a oposição – é o governo Lula, do qual faz parte.

Como é que fica, então? A ministra, como já aconteceu em outras oportunidades, tentou fazer parte do Sistema Lula. Está vendo que não faz. Sua função é enfeitar o ministério com uma pegada ambientalista – e só isso.

8 pensou em “MARINA SILVA NO GOVERNO LULA: PEDIR PARA SAIR OU ENGOLIR SAPO?

  1. Esta análise do Guzzo colocou Marina Silva em seu devido lugar; um ser sazonal, que se coloca acima do bem e do mal, porém precisou sair de seu estado natal, o Acre para poder se eleger deputada por SP com 237 mil votos de veganos de araque que acreditam que o colágeno usado em cremes para retardar envelhecimento cai do céu.

    Marina é uma fraude ambulante, cujo marido extraia madeira ilegal no Acre.

  2. Guzzo disseca primorosamente a “eteia” do Pará: essa é o estrume da bosta do cavalo do bandido, oportunista como todos os petralhas.

    • Ao invés de Pará, leia-se Acre, Estado natal de marina, como bem disse o certo João Francisco, que faz comentários primorosos aqui.

  3. A perereca do Acre já detonou o país ao impor pelo Ibama, a redução drástica de geração na Usina Belo Monte. Agora esta ambientalista “paga” pelos europeus contra nosso país, volta a proibir a extração de petróleo nas costas nordeste do Amapá. Deve estar com as burras cheias neste lobby contra o país. Obedece rigorosamente ao macron, klaus schwab, charles, etc. do que a imperiosa necessidade do povo amapaense e brasileiro.

  4. Alem de tudo e fraca da memória. Quem nao se lembra de Lula falando que se pudesse ele acabaria com o Ibama, numa das disputa entre Marina e Dilma do MME

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *