CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

Berto,

não sei se você sabe, mas não sou o único artista da minha família.

Meu irmão – o mais velho e também o único – chamado Materson, é o verdadeiro cantor dos dois filhos de Francisco (no caso, Francisco Mansueto).

Confira aí essa apresentação dele em um programa da TV Ceará.

Depois, mostre, por favor, aos leitores fubânicos.

Obrigado!

R. Quer dizer que o talento tá no sangue, num é?

Uma abençoada família de artistas e gente boa.

Parabéns, estimado colunista fubânico, magistrado, artista, escritor, cantor, poeta!

E vamos ao vídeo que você nos mandou, com um samba arretado pra começarmos o expediente desta quinta-feira com animação e alegria.

5 pensou em “MARCOS MAIRTON – BRASÍLIA-DF

    • E os dois cada vez mais parecidos com o velho Mansueto, que teria feito 82 anos anteontem, se ainda estivesse neste mundo.
      Aliás, se meu irmão tirar o chapéu ficamos ainda mais parecidos. Mas ele esconde a careca.

  1. Lembrei de uma música: No velho Oeste ele nasceu / E entre bravos se criou / Seu nome lenda se tornou / Bat Masterson. Lembram?

    E esta esculhambação cada dia mais esculhambada. Foi só o Goiano mostrar airmã cantando (e como canta, a moça!!!), para todos os fubãnicos botarem as asinhas e musiquinhas de fora.
    Dizem até que o Jose Hinácio vai cantar música do Valdick Soriano (eu não sou cachorro do lula não).
    Agora, como crítico musical dos mais abalizados, Sancho não se furtaria a dar nota para o rapaz irmão do MM. Como canta bem o cabra. Eita, que gostei demais da conta. Se alguém perguntar por Sancho “diz que fui por aí aplaudindo o sambista Morcego Materson.

    JBF Records, Roc Nation, BMG, Cash Money e Disney Music Group estão entre as gravadoras independentes que estão de olho no Morcego Materson.

    • O nome dele tem mesmo a ver com o Bat Masterson, Sancho.
      O velho Mansueto – na época um jovem que jogava de zagueiro no time do bairro e fazia gols de cabeça, mas nunca cantou nada – era fã do seriado. Queria que o nome fosse Masterson, mas o rapaz do cartório não soube escrever. Ou o Mansueto não soube pronunciar. Nunca se soube o que ocorreu de fato.
      Quando eu nasci, quatro anos depois, meu irmão já era conhecido como Bat. Só me restou aprender, por ouvir dos outros, como sói acontecer com as crianças.
      Mas o Bat é, de fato, bom cantor (embora não viva disso), e vinha se apresentando há mais de um ano, com um grupo de samba, em Fortaleza.
      Com a chegada da epidemia, o bar onde eles se apresentavam nas tardes de sábado fechou, e, veja que trágico, apesar de tentar se manter isolado, o dono, um português de cinquenta e poucos anos, apaixonado por samba, morreu de COVID19.
      Acredito que quado tudo isso passar, o Bat e seus companheiros de samba farão uma bela homenagem ao Portuga. Porque será homenagem é merecida, e porque, como se sabe, a vida continua e o show não pode parar.
      Abraço!

      • Também fui muito fã do seriado e agora sou fã de seu irmão. mande mais coisa dele para o Berto publicar na “JBF Records”. Sempre um prazer ouvir música da boa, principalmente neste tempos estranhos, onde o governador trancou Sancho no apartamento e meus lugares favoritos (os cabarés da vida) entraram em recesso.

Deixe uma resposta