CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

Berto,

esta é minha homenagem e mensagem a esta honrada e incompreendida profissão!

R. Meu caro, em sendo você do ramo, deve estar dizendo isto com muito conhecimento de causa.

Acredito piamente.

Vôte!!!

3 pensou em “MARCOS ANDRÉ – RECIFE-PE

  1. É vero, Berto.

    O advogado também faz papel de padre.
    Declarações inconfessáveis são ouvidas digeridas e guardadas.

    Fazemos juramento ante o Código de Ética e Disciplina, norteado por princípios formadores da consciência profissional do advogado e que representam imperativos de sua conduta.

    Não por acaso, predomina nas paredes dos cárceres a frase: Amor, só de mãe!

    São as que mais sofrem.

  2. Mas o dinheiro não importa .
    E pensar que criminosos pagam os advogados com o dinheiro do crime !. Bom segundo o Insofismável Mestre Goyambú , dinheiro é dinheiro , e dinheiro não comete crime portanto o advogado do criminoso está apenas sendo pago com dinheiro honesto roubado pelo criminoso. Tão ruim de engolir como uma cápsula de antibiótico.

    • Bastante pertinente e controverso é este tema, Sr. Joaquimfrancisco

      Realmente fica complicado questionar o Mestre Goyambú.

      Nos Estados Unidos nenhum advogado privado trabalha para criminoso que não consiga explicar a origem lícita do dinheiro que pagará seu trabalho.

      No Brasil o contrato de honorário é feito com a família. Honorários advocatícios são previstos pelo Estatuto da Advocacia e da OAB (Art. 22. Caput da Lei n. 8.906 de 1994).

      De qualquer forma, como qualquer cidadão honesto, o ladrão do dinheiro público ou privado, vai ás compras, e…
      Ao comprar num shopping center o que menos vai interessar ao lojista é a origem do dinheiro;

      O carrão comprado na concessionária, o dono ou vendedor quer receber o pagamento sem questionar…

      O supermercado/comerciante não vai questionar se o valor recebido pelo pagamento da mercadoria é de origem ilícita;

      O Imóvel adquirido: A imobiliária/corretor também não questiona. Ela quer receber sua parte;

      O hospital privado não questiona a origem do dinheiro pago pelo paciente (ex:retirar bala);

      A farmácia também, não (mesmo que fosse uma caixinha de cápsula de antibiótico);

      O contador, menos ainda;

      Restaurante, padaria…

      O advogado faz parte do universo.

      O Sr. sempre com bastante participativo e muita lucidez no cometário.
      .
      Muito obrigado!

Deixe uma resposta