CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

Saudações, eminente Papa Berto I

Em dias agitados como este, com chacina em escola, incêndio, enchente e etc., às vezes coisas importantes passam desapercebidas. Como essa declaração do Rodrigo Maia:

“… peço que essas pessoas pensem um pouquinho nas vítimas dessa tragédia e compreendam que o monopólio da segurança pública é do Estado, não é responsabilidade do cidadão. Se o Estado não está dando segurança, a responsabilidade é dos gestores da segurança pública”

Vejam bem o pensamento de nossos políticos: MONOPÓLIO da segurança pública. Não obrigação, ou responsabilidade. A constituição diz que saúde é obrigação do estado, mas eu posso pagar um médico particular se quiser, felizmente (no Canadá é proibido). Idem para a educação.

Mas nossos políticos falam com a maior naturalidade em monopólio, mesmo que nada na constituição diga isso (é verdade que estamos acostumados com políticos e juízes inventando coisas que a constituição não diz, interpretando os muitos “princípios” que ela proclama mas não explica).

Se levarmos a declaração do Maia a sério – e não é uma opinião qualquer, é a opinião do presidente da Câmara dos Deputados – não podemos sequer dar um grito se virmos alguém pulando o muro de nossa casa; estaríamos ferindo o monopólio do estado. Estamos, segundo a opinião do Rodrigo Maia, proibidos de nos defender.

Peço a publicação desta mensagem por quê gostaria de ouvir a opinião dos colunistas e leitores do JBF.

Grato,

Deixe uma resposta