RODRIGO CONSTANTINO

O número de assassinatos no Brasil caiu 7% em 2021 na comparação com o ano anterior. É o que mostra o índice nacional de homicídios criado pelo G1, com base em dados oficiais dos 26 estados e do Distrito Federal.

Em todo o ano passado, foram registradas 41,1 mil mortes violentas intencionais no país – 3 mil a menos que em 2020. Trata-se do menor número de toda a série histórica do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, que coleta os dados desde 2007.

Segundo especialistas do FBSP e do NEV-USP, ouvidos pelo G1, o menor número de mortes é motivado por um conjunto de fatores, incluindo: profissionalização do mercado de drogas brasileiro; maior controle e influência dos governos sobre os criminosos; apaziguamento de conflitos entre facções; políticas públicas de segurança e sociais; e redução do número de jovens na população.

Em primeiro lugar, vale dizer o óbvio: mais de 40 mil assassinatos num ano não é um patamar aceitável. Mas como o Brasil já bateu a marca de 60 mil mortes, claro que é legítimo comemorar a tendência de queda. O Brasil ainda é um país muito violento, com bastante impunidade, com a maioria dos homicídios sem solução legal, e esse é o maior convite ao crime que existe, pois o crime é uma escolha.

Em segundo lugar, os especialistas apontam vários motivos, mas só não mencionam a maior quantidade de armas na mão de cidadãos ordeiros. O instrumento encontrado pelo governo Bolsonaro, que apoia esse caminho, foi facilitar a compra de armas pelos CACs, já que algumas medidas provisórias foram derrubadas por um Supremo ativista e desarmamentista, tão imbuído da mentalidade “progressista” sobre criminalidade que chegou a vetar operações policiais com helicópteros em favelas.

Durante décadas escutamos falar da letalidade da polícia, da vitimização dos marginais, que seriam “vítimas da sociedade”, e da narrativa fajuta e preconceituosa de que o crime é uma consequência da pobreza – basta verificar que a maioria dos moradores de favelas é gente trabalhadora e honesta para rebater esse discurso.

O que os conservadores entendem é que crime se combate com mais firmeza na punição, com mais risco para o criminoso, inclusive na possibilidade de uma reação em legítima defesa. Se aceitarmos o crime como uma escolha racional de alguém sem muito escrúpulo, então fica evidente que é necessário aumentar o custo/risco do ponto de vista do criminoso. E uma população de cordeiros desarmados é o oposto disso, uma tentação para qualquer marginal.

Em 2020, alta na posse de armamentos foi de 97,1% após flexibilização de regras promovidas por Bolsonaro, segundo o anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Claro que é preciso tomar cuidado com causa e efeito, pois correlação nem sempre é causalidade. Mas a esquerda garantiu que mais armas nas mãos da população significaria mais crimes violentos, e o que observamos é justamente o contrário. Não acredito que esse seja o único ou mesmo o principal fator de redução na taxa de homicídio, mas são os esquerdistas que devem boas explicações – e eles sempre fogem pela tangente.

O que podemos afirmar, com toda a convicção, é que temos hoje mais brasileiros decentes armados, e menos assassinatos no país. Especialistas defensores do direito de legítima defesa não ficaram surpresos…

Um comentário em “MAIS ARMAS, MENOS MORTES

  1. Nos últimos 3 anos a média de mortes foi em torno de 42 mil. Nos últimos 3 anos do PT 15/16/17 foi média de 57 mil.

    Isso significa que Bolsonaro salvou a vida de 45 mil pessoas que estariam mortas caso o PT continuasse. Entre esses 45 mil, estão negros e pardos (a maioria); mulheres, gays, crianças.

    Agora eu pergunto: quem é o genocida, racista, misógino, homofóbico? Salvou 45 mil (a tendência é ser mais de 60 mil pessoas em 4 anos) pessoas, é gente pra caramba.

    Nunca foi tão fácil escolher candidatos para votar este ano.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *