9 pensou em “MADURO DÁ BOM DIA A CAVALO

  1. Se nem um cavalo entende o que este Tirano fala, sobra quem? Sobram o pessoal do PT, PSOL. PCdoB, PDT e o C. Eduardo, de Paty dos Alferes – RJ, que outro dia falou aqui que Bolsonaro há uns 20 anos teria elogiado Chaves. Bolsonaro evoluiu, já ele….

    • Frequento blogs cubanos e venezuelanos e no somatório de sandices e desgoverno em tai plagas, onde a praga comunista se instalou com total sucesso, PARA SOFRIMENTO DE DÉCADAS DE UM POVO entregue a propria sorte, me pergunto para que serve a ONU, que a tudo assiste e nada faz pelo povo de tais países (incluo aí a Nicarágua no mesmo balaio vermelho).

      Para que serve a ONU?

      • Ora, Sancho.

        Para dar emprego a esquerdista que perdeu a boquinha eu seus países, veja:

        António Guterres – Secretário Geral – ex-primeiro ministro de Portugal e membro do partido socialista português;
        Michele Bachelet – ACNUR – Alto Comissariado para Refugiados – ex-presidente do Chile e membro do partido socialista chileno;
        Henrietta Fore – Unicef – ex-diretora da USAID ligada ao partido democrata (é o PT dos Estados Unidos);
        Audrey Azoulay – Unesco – francesa, foi ministra do Emmanuel Macron do partido socialista francês;
        Tedros Adaounam – OMS – etíope, serviu como ministro da saúde da Etiópia no governo socialista daquele país….

        e por aí vai… a ONU é só uma repartição burocrática atulhada de esquerdistas que come dinheiro dos países membros e serve para porra nenhuma, só para encher o saco das pessoas.

  2. Vocês ainda não entenderam o porquê do Maduro estar falando com o cavalo.

    Simples:

    1º – O “pajarito” com quem ele falava antes – e que ele dizia ser o Chaves reencarnado – já foi abatido e serviu para ser consumido (como único ingrediente) em uma rala sopa de uma “sortuda” família de miseráveis esfomeados, entre os milhões de idênticos, atualmente, maioria absoluta na socialista Venezuela;

    2º – Então, o Chaves, para não perder a comunicação entre ambos, encarnou-se em um cavalo – que deve ter um regimento fortíssimamente armado o protejendo – pois vocês já imaginaram o festão prolongado que os esquálidos venezuelanos fariam com ele, com tanta carne, ossos e couro?

    Daria, folgadaente, para, no mínimo por muitos meses, isso se os “sortudos” – em um ato de supremo desapego, solidariedade e caridade – não convidassem os iguais do bairro inteiro, pois daria para fazer centenas, talvez milhares de toneis de sopa.

    E a carne, os ossos e o couro – depois – de tanto ferverem – tirarem todo o “suco”, seria picotado para dar algum volume nos estômagos vazios.

    Naturalmente, os ossos só serviriam para serem roídos pelos que têm algum dente ou cacos deles.

    3º – O Chaves demonstrando que continua burro – e apesar de estar convivendo no colinho de diabos tarados – ainda não perdeu a empáfia e a soberba.

    Devia ter reencarnado em um bicho dificil de ser achado e/ou capturado (não vale cães, gatos, ratos, cobras, lagartos, minhocas e outros assemelhados, pois esses já foram comidos).

    Quanto aos peixes, sapos e outros aquáticos, também, não há qualquer dúvida que já foram pro “bucho”.

    Dos que sobram – se é que ainda existem!!! – sugiro baratas, abelhas, borboletas, marimbondos, moscas, gafanhotos e outros parecidos.

    Pelo menos a sua reencarnação duraria muito mais tempo, se bem que na marcha que vai a Venezuela, se a população não fugir toda para os países vizinhos, vão ter que apelar pro canibalismo dos esqueléticos que morrerem e/ou que sobrarem – e que serão, indubitavemente, mutuamente, caçados.

    E viva o solcialismo/comunismo.

  3. Não é novidade… o esquerdismo adoece o cérebro e a pessoa fica maluco. E isso, nem inédito é… eu vi um monte de gente, lá em Curitiba, todo dia dar bom dia a um jumento.

    • Na Venezuela: Maduro, que dava bom dia ao pajarito, agora dá bom dia a cavalo.
      Também já se viu um monte de gente, lá em Curitiba, todo dia dar bom dia a um jumento.
      Já em Brasília, o mito prevaricador foi visto dando bom dia e tentando oferecer cloroquina a uma ema.

      Raul Seixas: Quando acabar, o maluco sou eu…

  4. O A Carlos, de Paty do Alferes poder traduzir as palavras do seu Madruga, para o equino imbecil que não entendeu as palavras do grande idiota que hoje, escraviza um pais que já foi um dos mais ricos da América Latina.

Deixe uma resposta