ADONIS OLIVEIRA - LÍNGUA FERINA

A cada dia que passa, tenho visto cada vez mais as liberdades individuais serem tolhidas, reprimidas, ameaçadas, aviltadas, criminalizadas, por tarados a mando só Deus sabe de quem.

As instituições governamentais, cuja missão precípua deveria ser exatamente a proteção destas mesmas liberdades básicas, tornou-se a origem da opressão. São suas instituições que se arvoram o direito de imiscuir-se cada vez mais, e de forma cada vez mais violenta e ameaçadora, em todas as minhas decisões individuais e, o que pior ainda, em minhas opiniões e crenças.

Hoje, o simples fato de considerar aberrantes e desviantes da normalidade todas as inumeráveis “opções” sexuais, atualmente oferecidas no imenso cardápio das aberrações e taras sexuais, todas defendidas com unhas e dentes pelos imbecis de plantão, torna-me passível de prisão por “Homofobia” e execração pública “ad aeternum”, como se eu tivesse MEDO (Φόβος) dessas pobres criaturas atormentadas e de personalidade fragmentada, em lugar da imensa compaixão que sinto por eles. Outrossim, basta mencionar o baixíssimo percentual de negros ganhadores de Prêmios Nobel (ou equivalentes), assim como o altíssimo e diferenciado desempenho de atletas negros nas diferentes modalidades de esporte, que fazem-me acreditar existir uma forte predisposição genética subjacente a estes fatos, para que seja imediatamente tachado de PRECONCEITUOSO e seja obrigado a acreditar em algo que os fatos desmentem. Só isto já seria suficiente para me qualificar como seríssimo candidato a encarar um processo e uma cadeia. Basta citar a frase de Rui Barbosa, quando ele afirmou que “Igualdade é tratar desigualmente coisas que são desiguais, proporcionalmente às suas desigualdades!” e serei imediatamente taxado de machista, homofóbico e outros apupos de igual jaez, todos constantes em destaque no repertório de chavões imbecis das mulas esquerdopatas.

Recentemente, em São Paulo, uma senhora foi demitida por “Justa Causa” por se recusar a tomar vacina contra a COVID-19, cuja eficácia e segurança está bem longe da unanimidade nos meios científicos mundiais.

Em São José do Rio Preto, um Vereador está sendo processado porque defendeu sua família tradicional (pai, mãe e filhos) contra as infinitas formas de perversão sexual atualmente idolatradas pelas demoníacas hostes que nos assolam a todos. Segunda página do UOL (clique aqui para ler)

“A Secretaria da Justiça e Cidadania de São José do Rio Preto, por meio da Coordenação de Políticas para a Diversidade Sexual (CPAS), informa que recebeu denúncia sobre a conduta em uma postagem de vereador. A CDPS [Comissão de Diversidade Sexual e de Gênero] já abriu o expediente, registrou a denúncia na Ouvidoria da Secretaria da Justiça e vai requerer a instauração de processo administrativo para investigar sobre o caso”….

Vejam que existe toda uma estrutura administrativa com a missão de emitir “Políticas” incentivando a assim chamada “Diversidade”. Até a OAB local, também defensora da baitolagem “Chapa Branca”, considerou ser parte das suas atribuições e julgou-se no direito de meter a colher nesse angu:

“A OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) do município também repudiou a postagem do vereador e, por meio da Comissão de Diversidade Sexual e de Gênero, protocolou uma representação criminal no Ministério Público. A OAB afirma que a postagem ataca as famílias (família ?) LGBTQIA+… e cita ainda a Declaração dos Direitos Humanos que reafirma o direito à igualdade. A Prefeitura de São José do Rio Preto, por meio da Secretaria Municipal dos Direitos e Políticas para Mulheres, Pessoa com Deficiência, Raça e Etnia emitiu uma nota de repúdio contra a postagem do vereador. “Manifestamos publicamente e com veemência nosso repúdio a qualquer tipo de postagem em redes e mídias sociais que discriminem a diversidade sexual e a população negra. Acreditamos em direitos humanos a todas as pessoas sendo o objetivo principal do trabalho dessa pasta atender pessoas que tem seus direitos violados, sofrendo discriminações, injúria e racismo”, diz a nota….

Diante da imensa pressão exercida por hordas de furibundos defensores de todas as formas aberrantes de sexualidade imagináveis, o nobre vereador tratou de dar marcha ré. Escreveu ele, quase se desculpando por ser hétero e gostar de sexo com mulher:

“Em nenhum momento tive o intuito de ou incitei a discriminação, estimulei hostilidade ou provoquei a violência física ou moral contra qualquer pessoa em razão de sua orientação sexual ou de sua identidade de gênero. A minha manifestação externa as convicções religiosas que vigem no seio da minha família (vide a expressão ‘nossa família’, no singular) e não tem o intuito de impor qualquer modelo familiar como ideal ou único a núcleos que não o meu. Com relação à postagem da imagem não quis fazer qualquer alusão sobre raça, cor ou orientação sexual, mas sim sobre a proteção da família e das crianças em detrimento do mal. Não há qualquer conotação das cores com a mensagem.

Em Brasília, projeto de lei pretende implementar cotas para aberrações sexuais em empresas públicas. Quer dizer que, a partir de agora, se depender dessa lei, seremos todos obrigados a contratar todo tipo de “Freak” nas empresas públicas brasileiras. (Clique aqui para ler)

“Se aprovado, o texto do deputado federal e ex-ministro da Saúde, Alexandre Padilha (PT-SP) vai implementar uma reserva de 3% das vagas em empresas ligadas ao governo para travestis e transexuais. Vale lembrar: todos os direitos assegurados para pessoas LGBTQIA+ no Brasil foram aprovados pelo STF (Supremo Tribunal Federal) e não pelo Congresso Nacional. Câmara e Senado nunca aprovaram leis que pautam (SIC) direitos (privilégios?) para esta população. No Brasil, pelo menos 12 universidades públicas têm cotas para trans e travestis, nos mesmos moldes da reserva de vagas para pessoas negras”.

A mãe natureza, em sua infinita sabedoria, programou a vida de forma tal forma que, implacável, destina à extinção imediata todas as formas de mutações que se mostrem não contributivas para o processo de evolução. Permite a reprodução apenas das mutações que se mostrem vantajosas para o processo de evolução. Foi assim que, saindo de formas unicelulares de vida extremamente simples, conseguiu fazer com que estas evoluíssem até o ser humano. Para que isto ocorresse, tornou estéreis todos os eventuais desvios da sua ortodoxia. Essa foi a maneira que adotou para não permitir a propagação de características indesejáveis nas gerações seguintes. O que esta cambada de imbecis está fazendo é afrontar a mais elementar regra da natureza: a sobrevivência apenas dos mais aptos. Ao permitir a adoção de todas as formas de reprodução não ortodoxas para estes seres disfuncionais, estão permitindo, e até mesmo incentivando, a reprodução de formas distorcidas e deformadas de sexualidade. Inverteram a eugenia natural! Estão mergulhando a humanidade num pântano de decadência que só com muita dificuldade conseguimos vislumbrar o horror em que a humanidade está se transformando.

Como toda essa degeneração moral irá terminar, daqui a mais algumas gerações? Só Deus (ou o Diabo) sabe!

Ao longo de meus muitos anos, convivi, e continuo convivendo, pacífica e harmoniosamente com inúmeros funcionários, colegas, alunos, irmão, primo, amigos, conhecidos, e todo o tipo de relacionamento social que se possa imaginar, com pessoas assumidamente gay. São pessoas maravilhosas e pelas quais eu tenho o mais alto grau de estima e consideração. Isto não me impede de considerar o fato de terem seus feromônios atuando em direção diferente, como disfuncional e, portanto, condenando-os à extinção, pois todos os seus relacionamentos serão obrigatoriamente estéreis. Sou avassalado por uma imensa comiseração por todos eles, pois bem percebo o quanto sofrem por serem desviantes da normalidade da maioria.

O melhor que posso fazer por eles, e faço sempre que posso, é tratá-los EXATAMENTE como trato a todos os demais: com urbanidade e educação. Creio firmemente que, agindo assim, estou fazendo muito mais pela autoestima deles, que todas as legislações demagógicas e discriminantes. Creio também que isso é exatamente o que desejam, caso não sejam mais um dos aproveitadores das demagogias governamentais.

De minha parte, reservo-me o pleno direito de considerar patéticos os ingentes esforços que alguns desta turma fazem para tentar se transformar em algo que, DECIDIDAMENTE, não são e nem nunca serão. Agindo assim, o máximo que conseguem é se transformarem em grotescas e bizarras caricaturas de algo que, quando natural, é a mais sublime obra da criação divina: Um belo homem (másculo) e uma bela mulher (feminina)! Não esses delicados efebos, falando em falsete e se requebrando, ou essas mulheres com jeitão de estivadores, dominantes e agressivas. Se você gosta, leve para sua casa e não nos encha mais o saco!

4 pensou em “LIBERDADE INDIVIDUAL

  1. Bom dia,
    A liberdade de expressão aqui em Banania foi para a Cucuia. Está bem claro e a cada dia pior. Exceto a opinião das minorias barulhentas.
    Eu acho que a natureza é que se encarregou de produzir estes relacionamentos não reprodutivos. Tem gente demais nesse planeta e isso é uma forma de frear o crescimento da população.

  2. Caro Sérgio,

    Considero simplesmente genial a tua conclusão!

    Parece que a própria natureza se encarregou de criar um plano “B”, para ser usado quando chegássemos a uma situação de superpopulação. Começaria então a distorcer a sexualidade tradicional a fim de não permitir a reprodução acelerada e fora de controle.

    Grande abraço, caro amigo! E cuidado com o frio.

  3. Prezado Prof. Adonis, tenho 74 anos, sou do tempo em que viado era viado, baitola era baitola, sapatão era franchone (mais escondida que orelha de freira) e vivíamos felizes, hoje não,, criaram tantas denominações, que perdi a conta e eu achando que “binário” era um tipo de programação de computador. mas não, tem o viado binário.. Vão se lascar LGBTXYZ,! Espero que a natureza, seguindo as leis de Darwin, coloque um fim nestas excrescências.

  4. Cada um com seu cada um… Ao longo de meus muitos anos (interessante minha Desengano, tão avessa a modernismos, que só conheci a fauna e flora sexual dos não héterosdepois que saí do conservador e ínfimo povoado) , convivi, e continuo convivendo, pacífica e harmoniosamente com inúmeros funcionários, colegas, alunos, primos, sobrinhos, amigos, conhecidos, e todo o tipo de relacionamento social que se possa imaginar, com pessoas gay (eita termo fora de moda, Adônis), assumidas (hoje virou sopa de letrinhas) , enrustidas ou trancadas a sete chaves dentro de armários de aço inox.

    Outro dia, revirando meus guardados, deparei-me com foto de Adônis e Berto reunidos e irmanados por ocasião de visita do “pugilista da palavra;” ao editor-chefe. Não caberia na foto um beijo de língua, pois o nível de testosterona ali presente jamais o permitiria, sendo ambos viciados em mulher. Cada um com seu cada um, que aqui neste JBF de muita testosterona, 9 entre 10 …

    Encerro com Ultraje….

    (…)

    Nem quero que você me leve a mal
    Eu sei que hoje em dia isso nem é normal
    Eu sou assim meio atrasadão
    Conservador, reacionário e caretão
    Pra quê ser diferente
    Se eu fico sem mulher eu fico até doente
    Mulher que lava roupa, mulher que guia carro
    Mulher que tira a roupa, mulher pra tirar sarro
    Mulher eu já provei
    Eu sei que é bom demais, agora o resto eu não sei
    Sei que eu não vou mudar
    Sei que eu não vou nem tentar
    Desculpe esse meu defeito
    Eu juro que não é bem preconceito
    Eu tenho amigo homem, EU TENHO AMIGO GAY
    Olha eu sei lá, eu sei que eu não sei
    Eu gosto é de mulher eu gosto é de mulher
    Ooo ooo ooo oo
    Eu gosto é de mulher
    Ooo ooo ooo oo
    Eu gosto é de mulher
    Ooo ooo ooo oo
    Eu gosto é de mulher
    Ooo ooo ooo oo
    Eu gosto é de mulher
    Eu adoro mulher
    Eu não vivo sem mulher

Deixe uma resposta