A PALAVRA DO EDITOR

Para o Natal e o Ano Novo, os fanáticos do lockdown abandonaram o fique em casa. Esse slogan não serve mais e se tornou até perigoso. O certo agora é fique em casa sozinho – de preferência deprimido.

Os empáticos estão cada vez mais rigorosos na sua ética paralisante. Eles não vão parar de salvar vidas, até que não haja mais nenhuma vida para salvar. Ou seja: até que esteja todo mundo morto.

Você tem que agradecer a essa gente. Continuar vivendo estava muito perigoso. Vai que você faz uma ceia natalina com as pessoas que você gosta e tem uma emoção forte… Isso poderia te levar a um infarto do miocárdio e talvez à morte. Mas agora, com os cuidados dos empáticos paralisantes, você não correrá mais esse risco porque já estará morto. Clinicamente ou não, isso é irrelevante. O importante é que proibido de viver você não tem nada a perder.

O governador da Califórnia, um dos maiores salvadores de vidas do mundo, proibiu os cidadãos daquele estado progressista, libertário, charmoso e descolado de cantar na noite de Natal. Entendeu como o fique em casa já era? Se tornou totalmente anacrônico. Agora é, no mínimo, fique em casa calado. Gavin Newson não quer ouvir um pio nesse Natal. Os libertários não estão de brincadeira.

Newsom foi visto confraternizando alegremente num dos restaurantes mais caros dos EUA, sem máscara. O ambiente fechado aconchegava mais de uma dezena de convivas bem juntinhos – como se viu nas fotos – incluindo médicos. Ou seja: fique em casa sozinho, triste e de bico calado porque a cota de alegria e vida já está preenchida pelos que estão salvando você. Poucos e bons.

O governador de São Paulo também aumentou o rigor na sua missão empática. Nada o demove da determinação de salvar os cidadãos de si mesmos. Quem celebrar o Natal ou o Réveillon vai se ver com ele – e a ordem foi clara: seja em local público, seja em ambiente privado. Ou seja: Dória vai invadir a sua casa. E você aí preocupado com Boulos.

Mas um grande líder determinado a salvar o seu povo precisa se alimentar. E o alimento mais eficaz para esses seres especiais é muvuca. A receita é simples: celebrar, das as mãos aos companheiros, abraçar, aglomerar, gritar e cantar. Mas só se o seu candidato tiver vencido as eleições e você for um desses raros seres ungidos para salvar vidas. Do contrário, a receita para você é aquela já informada: fique em casa isolado e deprimido. Senão o Dória manda os salva-vidas dele acabarem com a sua raça.

Alguns outros iluminados acrescentaram novas formas de empatia marcial. O governador do Paraná, por exemplo, decretou toque de recolher à noite. Perguntaram a ele se o vírus era notívago e ele respondeu que não. A medida é para evitar batidas de carro e festas que sobrecarreguem as UTIs. Ou seja: para Ratinho Júnior, um líder abnegado dos seus semelhantes, a liberdade noturna é letal.

Descanse em paz na sua solitária salvadora. E sonhe com um mundo onde os humanos não se deixem subjugar como ratos.

3 pensou em “JINGLE BELL AMORDAÇADO

  1. Digo e repito que a solução para o lockdown e a vacinação que estão querendo nos aplicar, passa por uma atitude (simplória) do #elenão, o Coiso: Bolsonaro deve passar a apoiar tais arbitrariedades!
    Será uma mudança instantânea de postura dos que, hoje, apoiam tais medidas. Passarão a comparar os dados efetivos de locais onde lockdowns foram, ou não, aplicados e principalmente questionar se a “muleta”, vendida como salvação, pelo picareta que te quebrou as pernas, realmente vai resolver teus problemas de locomoção…
    Simples assim!

Deixe uma resposta