CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

QUEM É O DONO DO CURRÍCULO?

Nascimento: 24 de junho de 1898. (Serra da Colônia, Município de Afogados da Ingazeira, Estado de Pernambuco).

Falecimento: 04 de dezembro de 1970, Garanhuns/PE.

Aos oito anos, trabalhando com os pais, os camponeses Henrique Bezerra da Silva e Marcolina Bezerra da Silva, aprendera a manejar armas com um parente.

Aos quatorze anos, depois de moído por uma edificante sova de relho, aplicada pelo pai por contravir ordens de não se inclinar para as bandas de uma moça, desertou para a capital, Recife.

Tempos depois, 1919, alicerçado de algum estudo, ingressou na Polícia Militar de Alagoas onde permaneceu por mais de trinta e cinco anos. Ainda jovem, assustou a todos do seu chão natalício matando uma onça que dizimava os animais. Isso lhe rendeu gordas prendas por parte dos criadores da região.

Essas breves citações referem-se à pessoa de João Bezerra da Silva que, em julho de 1938, ainda tenente, deu cabo do cangaceiro Lampião e seus sequazes, em combate mortífero travado na Grota de Angicos, atual município de Poço Redondo, estado de Sergipe.

Com uma Folha de Serviços apinhada de elogios, promoções, condecorações e atos de inexcedível coragem, além de delegatário em doze cidades, e interventor de Piranhas, fora recebido e condecorado pelo então Presidente Getúlio Vargas, no Palácio do Catete, Rio de Janeiro, 1938, ocasião em que o mandatário brasileiro estadeou, orgulhosamente, para a imprensa nacional e internacional, a pessoa do destemeroso tenente João Bezerra. Na sequência, o homenageado fora convidado pelo Presidente Vargas para um churrasco na sua casa de campo, Petrópolis, RJ.

Curiosidades:

a) quando ainda soldado, numa missão, parou numa casa para pedir água ao que foi atendido por uma linda menina que brincava de boneca à porta: Cyra Gomes de Britto, 1935 -1970. Tempos depois Cyra tornou-se a amada esposa de João Bezerra;

b) por encontrar-se longo tempo em missão de rastejar o banditismo nas longínquas caatingas, veio a conhecer a sua primeira filha somente quando esta tinha vários meses de nascida.

Lázaro, o matador que vem aterrorizando comunidades do estado de Goiás, instou-me a estes lampejos de história com os quais ponho em relevo e exalto a figura desse heroico legionário, João Bezerra, de olhos claros, o xerife da volante que exterminou o bando nômade e sanguinário, embora os escritores de esquerda prefiram enfatizar as façanhas dos cangaceiros ao invés de enaltecer o trabalho árduo dos valorosos militares que arriscaram suas vidas para combater as hordas facinorosas que infligiam agruras às comunidades pacatas, indefesas.

2 pensou em “JACOB FORTES – BRASÍLIA-DF

  1. Esse combate das polícias e o Lázaro bem que poderia receber trilha sonora de autoria do cantor Zé Ramalho, na pisada de sua épica história “A peleja do diabo com o dono do Céu”.
    Como é que tropas ditas treinadas e especializadas em combate “nos matos” leva tanto drible de um único matuto, que as faz de tontas e perdidas.
    Dá até para pensar que elas foram treinadas naquele bosque existente perto do Zoológico de Brasília, com os bichos desse parque fazendo figuração cinematográfica.
    Que falta faz o Tenente PM Bezerra, talvez com a companhia do nosso Sargento Febrônio (PM/Pb) e orientação daquele delegado pernambucano que gostava de ensinar os presos a nadar, usando um rebocador do Porto do Recife como barco de apoio às aulas.

Deixe uma resposta para Arael M. da Costa Cancelar resposta