CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

Prezado escritor, poeta e disseminador do bem, Papa Berto.

A cultura pernambucana poderá perder mais um grande acervo.

PERNAMBUCO PERDERÁ MAIS UM ACERVO CULTURAL

Depois de perder as obras do artista plástico pernambucano Abelardo da Hora, cujo acervo foi para a Paraíba, agora nosso estado perderá o acervo de um Patrimônio Vivo de Pernambuco, para o Rio Grande do Norte.

Trata-se do poeta cordelista, xilógrafo e autor de almanaques populares, José Costa Leite.

Nascido em Sapé, na Paraíba, Costa Leite radicou-se em Condado, Pernambuco, a partir de 1955.

Hoje, aos 93 anos, lúcido e ainda produzindo cordéis, Costa Leite estuda a proposta que recebeu do Museu Câmara Cascudo, do Rio Grande do Norte, para que toda sua obra seja preservada lá.

A voz de Costa Leite foi imortalizada, na década 70, em três LPs gravados no Conservatório Pernambucano de Música, nos quais deixou registradas grandes histórias de cordel.

Suas xilogravuras rodam por todo o mundo, assim como seus cordéis que também têm fama internacional.

Costa Leite ainda escreve quase diariamente, apesar da idade. Semanalmente vem ao Recife entregar originais ou receber edições produzidas na Editora Coqueiro.

Independentemente de quem imprima seus cordéis, todas as publicações autorais recebem o selo A voz da poesia nordestina, de José Costa Leite. As quais exibem na capa, xilogravuras do próprio autor.

No campo da astrologia, continua escrevendo o Almanaque e Calendário Nordestino, distribuído para todos os estados do Nordeste, Rio de Janeiro e São Paulo.

Costa Leite já publicou mais de 500 cordéis, além dos muitos manuscritos inéditos que guarda nas gavetas, mas não tem ideia da quantidade exata de suas publicações.

Andarilho da Literatura de Cordel, Costa Leite mantém viva essa tradição, tendo conquistado, merecidamente, o título de *Patrimônio Vivo de Pernambuco*.

Hoje, lamentamos que seu acervo seja encaminhado para um museu do Rio Grande do Norte, por não haver recebido proposta para preservação no Estado de Pernambuco.

8 pensou em “ISMAEL GAIÃO DA COSTA – RECIFE-PE

  1. É lamentável o estado não olhar esse tipo de coisa. Diga-se que muitos músicos do carnaval de 2019 estavam sem receber seus cachês até o final do ano. Não sei se regularizaram

  2. Quando a ação do governo não retorna em votos nas eleições, não interessa aos governantes.
    É lamentável, caro Maurício Assuero.

    • Os fubânicos Jesus e Violante certamente ficarão eufóricos com tal acervo…
      E aé Berto, a turma de pernambuco vai deixar isso acontecer? Ou é fato consumado?

  3. Tenho fé em Jesus e em Violante, que o acervo de Costa Leite será bem cuidado.
    Mas ainda não é fato consumado, Sancho. Foi uma proposta do Museu Câmara Cascudo. Costa Leite está avaliando. Se não houver uma proposta do Governo de Pernambuco, certamente o acervo irá para o Rio Grande do Norte.

  4. Mesmo tendo a certeza de que esse monumento histórico, pernambucano, seria preservado, à altura, pelo Museu Câmara Cascudo, do Rio Grande do Norte, não acredito que e a Cultura Pernambucana abra mão desse precioso patrimônio! Seria um descaso imperdoável!.

    “Costa Leite já publicou mais de 500 cordéis, além dos muitos manuscritos inéditos que guarda nas gavetas, mas não tem ideia da quantidade exata de suas publicações.

    Andarilho da Literatura de Cordel, Costa Leite mantém viva essa tradição, tendo conquistado, merecidamente, o título de *Patrimônio Vivo de Pernambuco*.

    Que a Cultura Pernambucana não cometa esta injustiça!.

  5. Por enquanto, o Governo de Pernambuco não moveu uma palha, Violante.
    E pra quem deixou ir embora o valioso acervo de Abelardo da Hora, não será nenhuma novidade.
    A família de Abelardo da Hora doou todo seu acervo, avaliado em cinco milhões de reais, ao Governo da Paraíba, que fez o Museu Abelardo da Hora, algo que Pernambuco não quis fazer. Queriam guardar todo acervo no Museu Cais do Sertão, o que não seria a mesma coisa.

  6. Prezado Ismael:

    Se a proposta, de fato, existe, a cultura pernambucana está sendo omissa ou desinformada..
    O caso é estranho, pois, como você disse, o poeta cordelista, xilógrafo e autor de almanaques populares da Literatura de Cordel, Costa Leite, inclusive, já conquistou o título de *Patrimônio Vivo de Pernambuco.” Seria o caso, então, da tal proposta ser divulgada na mídia pernambucana.
    Tenho certeza de que Pernambuco não abrirá mão desse seu “Patrimônio vivo”, que, aos 93 anos, continua produzindo e publicando seus trabalhos. Seria o cúmulo do descaso!!!

    Um abraço e uma ótima semana!

    Violante Pimentel

Deixe uma resposta