A PALAVRA DO EDITOR

Declararam guerra mesmo! Com quase 90 milhões de seguidores, sendo o presidente dos Estados Unidos, ainda assim Trump teve sua conta no Twitter banida. O hipster com barba de bode acha que manda no mundo. E talvez mande mesmo! Ao menos até a reação, que certamente virá.

Candace Owens resumiu muito bem a coisa: “Os esquerdistas estão tão cegos por seu ódio por Trump que não entendem o quão absolutamente aterrorizante é que as empresas de tecnologia possam censurar o atual Presidente dos Estados Unidos. Eles não vão entender até que TODAS as suas liberdades acabem. Eles estão cegos pelo ódio”.

Era para ser uma esperança de liberdade. As redes sociais furaram a bolha hegemônica “progressista” da mídia e deram voz a milhões de pessoas que se sentiam totalmente órfãos de espaço na imprensa. Agora a coisa virou uma distopia totalitária, nos moldes de 1984 de Orwell, controlada por um hipster com barba de bode e um nerd esquisitão…

Carlos Bolsonaro, acusado por vários jornalistas de comandar um gabinete de ódio, deu o merecido troco: “Depois do ‘ódio do bem’, da ‘aglomeração do bem’, da ‘destruição de bens públicos e privados do bem’, agora blogueiros gargantas profundas pedem a ‘censura do bem’! A mesma escória que diz lutar por… liberdade!” Ele está certo. Que moral essa turma tem agora para falar em censura, em gabinete do ódio, em gado?

Quem está calado hoje já é cúmplice; quem está aplaudindo e vibrando é um tirano enrustido, que só não manda gente para o gulag na Sibéria por falta de oportunidade e poder. Gabriel Kanner, do Brasil 200, resumiu: “Incrível quantas máscaras estão caindo. Vivi para ver “liberais” defendendo a censura e aplaudindo feito palhaços, enquanto são levados para a beira do precipício sem perceber que qualquer voz dissonante da agenda progressista poderá ser simplesmente extirpada do debate público”.

Mas tem idiota que diz “é só o Trump, nós ainda estamos aqui, não é censura”. Ditaduras opressoras nunca precisaram perseguir todos; basta dar alguns exemplos destruindo os adversários mais fortes. Putin fez assim, e tantos outros. Banir Trump é um sinal, um alerta claro: ninguém está á salvo.

Filipe G. Martins, assessor da Presidência, foi direto ao ponto: “Donald Trump permanentemente banido do Twitter. No tribunal das grandes corporações não há critérios claros, respeito às leis locais ou garantia de devido processo legal. Se eles fazem isso com o presidente dos EUA, o que não farão contra cidadãos comuns e sem recursos de defesa?”

Outro aspecto fundamental é que essas empresas não agem mais como plataformas, e sim como veículos de comunicação que editam conteúdo, ou seja, devem estar sujeitas a outras regulações. Filipe Martins também tocou nesse ponto: “Empresas devem ser totalmente isentas da responsabilidade pelo que ocorre em seus domínios? Não é óbvio que quando uma empresa opta por fazer curadoria do conteúdo a ser publicado em sua plataforma, ela deve também se responsabilizar pelo conteúdo cuja publicação ela permite?”

Causa espécie a comemoração de supostos “liberais”. “É fácil ser um defensor da liberdade de expressão quando isso se aplica aos direitos daqueles com quem estamos de acordo”, resumiu Walter Block. Natan Sharansky, autor de The Case for Democracy, criou um método simples de se avaliar quão livre é uma nação: verificar se o indivíduo pode ir em praça pública e contrariar o governo, ou o consenso. Podem xingar Trump e Bolsonaro à vontade. Já STF, OMS e companhia…

O pior de tudo é a falta de critério. O aiatolá do regime iraniano, opressor e ditatorial, pode usar o Twitter para destilar ódio contra Israel, a única democracia sólida na região; o ditador socialista Nicolás Maduro segue com sua conta ativa, espalhando mentiras; mas Trump foi banido da rede!

O quão grave é ver jornalistas e deputados aplaudindo isso?! Estão assanhados, querem calar toda a direita, não se importam mais em expor sua faceta autoritária. Eis alguns exemplos, entre tantos:

A Suprema Corte tinha impedido Trump de bloquear jornalistas pois considerou que ele usava a conta para coisas de governo, certo? Logo, era uma conta oficial. Portanto, o Twitter baniu a conta do POTUS, o presidente dos Estados Unidos, não do Trump, o indivíduo. É ainda mais grave!

Mas não pensem que será tão fácil assim calar toda a direita. Em A Arte da Guerra, Sun Tzu alerta: nunca deixe seu inimigo sem alternativas. Estão cutucando a fera com vara curta. Nigel Farage alertou: transformem Trump em mártir e virá algo muito pior. Estão provocando demais, esticando a corda a ponto de rompe-la, se é que já não rompeu.

As últimas máscaras caíram. Quem aplaude um “critério” que bane o presidente dos Estados Unidos mas mantém o ditador Maduro e o aiatolá iraniano que quer varrer Israel do mapa é um comunista desgraçado. Sem mais. Será inevitável escolher um lado. Ou fica com o clubinho, a patota “progressista”, os tucanos autoritários, os globalistas, os “jornalistas” arrogantes, os inquisidores e canceladores; ou fica contra o totalitarismo e a favor da liberdade. Com todas as nossas divergências, é hora de união!

8 pensou em “INQUISIDORES DAS BIG TECH DECLARAM GUERRA À LIBERDADE

  1. O Ceguinho Teimoso pode ver em qual país que vai aceitar as Big-Techs depois o que fizeram com o Trump?
    Imagina se fizeram isto com o cara mais poderoso do Mundo, que teve seus canais sociais cancelados, o que vão fazer com os presidentes do paises nanicos. Vão decidir quem vai ganhar ou perder a eleição???
    O povão vai continuar sendo manipulado????
    Será que o Biden vai deixar estas Big-Techs soltas para no futuro também tentarem derrubá-lo????

  2. Constantino é recorrente.
    Já disse que o Tweitter é uma empresa e seu dono pode decidir se quiser manter ou não uma conta. POTUS ou não, Compare-a à Ford. Quando quis, independentemente de incentivos recebidos, decidiu sair do Brasil

    Vamos parar de choramingas.

    Agora, em relação ao Trump, uma curiosidade:

    Se Hillary Clinton tivesse não reconhecido a derrota sob alegação de interferência russa e ingerência do FBI, insuflado um ataque ao Congresso e esse tivesse sido executado com 5 mortes, o que estariam dizendo hoje os que colocam o rosto do Trump no Twitter?

    Ah, não, o Trumo é um anjinho…..

  3. UM DIA ELES DESCOBRIRÃO O JBF… Tremei todos vós, fubânicos. Quando será o dia da minha sorte? Sei que antes da minha morte. Eu sei que esse dia chegará. Mas quando será? Tenho sonhos recorrentes com com grupos fardados em vestes de couro pretas invadindo a sede do JBF e capando o Polodoro, fechando as pernas da Xolinha e retirando o brilhante cérebro da Chupicleide. E o sonho torna-se mais tenebroso quando em tal grupo se destacam 5 loiras lindas, de olhos azuis, peitudas e ninfomaníacas, que forçam nosso amado editor-chefe a sexo ininterrupto por dez dias seguidos..

  4. Como o Trump possui, segundo o Constantino, 90 milhões de seguidores e sabedores que somos que HA OUTROS MILHÕES que, apesar de não o seguirem nas redes sociais, VOTARAM NELES, pergunto a Berto, que é professor de matemática: como um cabra com tal potencial eleitoral, E QUE em seu governo conseguiu melhorar a economia americana, não foi REELEITO? Algum matemático fubânico pode explicar ao lesado Sancho? Mistérios da Meia-Noite Que voam longe. Que você nunca. Não sabe nunca. Se vão se ficam. Quem vai quem foi.

  5. E para não dizer que só o Sancho ttem senso de humor, lá vai a verdade sobre a invasão do Capitólio, por Renato Terra:

    Só aqui você lê a Verdade que a mídia internacional quer esconder. Eis o que aconteceu de fato.

    Tudo começou em 2018, quando o Foro de São Paulo se uniu a George Soros e criou o ‘Soros de São Paulo’. O objetivo era clonar Guilherme Boulos num ritual satânico para espalhar o comunismo e atacar os cristãos. Para a empreitada, um laboratório clandestino foi montado em Wuhan.

    Foram, então, criados três Guilherme Boulos, cinco Jean Wyllys e dois Leonardos di Caprio. Ainda sobraram 5 minutos no final do expediente para ressuscitar Lênin.

    O plano era o seguinte: enquanto um Guilherme Boulos ficava em São Paulo para sedimentar uma candidatura de fachada a prefeito, os outros dois invadiam os Estados Unidos usando o passaporte da Beyoncé. Uma vez nos EUA, se infiltrariam nos movimentos revolucionários para criar o MTSTT: Movimento Tresloucados dos Sem Tico e Teco.

    Em dois anos, os Guilhermes Boulos se alternaram numa conspiração internacional com o único objetivo de eliminar Donald Trump do twitter.

    Foi quando aconteceu.

    A Verdade é que tudo corria de forma ordeira no dia 6 de janeiro. Um arco-íris despontou no céu enquanto pássaros pousavam nas madeixas de Donald Trump anunciando a alvorada da democracia. Cervos virgens corriam por Washington carregando provas de fraude nas eleições em seus genitais imaculados.

    Foi quando Boulos, fantasiado de Bisão, ordenou a invasão. Usando máscaras que emulavam os rostos de membros revolucionários pró-Trump, os clones de Boulos, Jean Wyllys e Leonardo DiCaprio invadiram o Capitólio.

    Há provas de tudo isso.

    😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂

    Berto, podes tranquilizar o Constantino, tudo se esclareceu……

      • Sancho,
        (Apenas um palpite, sem juizo de valor)

        Quando você tem 90 milhões de seguidores, isto pode significar alguns milhões no estrangeiro (não votam nos EUA) e alguns milhões de seguidores que estão lá para ver o que ele pensa e, talvez, criticar, mas não vão votar nele.

        Seguidor não é voto certo.

        O fato é que apesar do confuso sistema eleitoral americano, ele teve menos votos e (isto independe dos votos, como viu a Clinton) conquistou menos representantes para ser eleito.

        Agora, não há matemática que explique.

        Talvez tenhamos que apelar para um similar do gato de Schrödinger, que está mas não está.

        Assim creio

Deixe uma resposta