A PALAVRA DO EDITOR

Hoje cedo, ao dar o meu habitual passeio pelo noticiário do dia, me deparei com duas manchetes estranhas.

Muito estranhas mesmo.

A primeira foi no G1 da Globo.

Esta aqui:

Prestem atenção: o Globo estampando em manchete de primeira página uma pesquisa do Datafolha.

Vôte!!!

E a segunda foi estampada pela Folha de S.Paulo.

Esta aqui:

Se o Datafolha, que nós conhecemos muito bem, apurou que 37% da população considera o atual governo bom/ótimo, podemos, no mínimo – com toda certeza e sem qualquer sombra de dúvidas -, dobrar este percentual.

Que danado é que está acontecendo com a grande mídia extremista e oposicionista???

Por que simplesmente não ficaram calados e omitiram do públicos os números da pesquisa?

Decidiram não mais lutar contra as evidências?

Renderam-se à gritante realidade???

Resolveram abandonar a mentira e publicar somente a verdade daqui pra frente???

Ou será que mudaram de tática no planejamento do golpe?

Confesso a vocês: eu não sei mesmo o que dizer.

Vou deixar a conclusão a cargo dos argutos leitores desta gazeta escrota.

E, pra ajudar vocês, fecho a postagem com estas três chamadas publicadas hoje no UOL: 

9 pensou em “INCRÍVEL: PUBLICARAM PESQUISA FAVORÁVEL AO PRESIDENTE

  1. Quando o Temer colocou a lei do Teto para os gastos do governo, que diz que o governo terá de limite para o próximo ano o que gastou no ano anterior mais a inflação, a imprensa e os deputados e senadores foram contra. Agora aparecem de heróis defendendo algo que eram contra. O Presidente sabe mesmo como fazer os hipócritas tirarem a máscara.

  2. Esta questão da tal “popularidade” é uma realidade e a imprensa tem que lidar com isso, mas não sem antes tentar impor uma narrativa.

    “Ah, mas é o auxílio emergencial de 60 bi por mês, isso alavanca qualquer governo.”

    Estão preparando o tereno para quando o auxílio terminar, jogar todo o bombardeio dos insatisfeitos contra o governo, revertendo uma situação ora criada.

    Mas será que vão conseguir? Fica a questão, pois o tempo corre e com ele várias coisas são efetivadas

    Esta alta popularidade do JB tem efeitos imediatos; aquela sanha de cassar a chapa JB/Mourão este ano foi para o espaço.

    Com a popularidade em alta, fica ruim em época de eleição ser contra um presidente querido e a tendência é a oposição desidratar mais ainda nas cidades.

    O Centrão, que precisa de votos do povo para sobreviver, se aliou ao PR para votar as reformas que o estado precisa e que vão dr gás para o crescimento sustentado, sem a necessidade de estourar o limite do teto de gastos.

    Ano que vem será difícil para a oposição no congresso, pois Maia e Alcolumbre sairão das presidências da Câmara e Senado e alguém mais afeito ao Presidente será eleito, o que não é difícil e destravará as pautas, talvez até saiam os processos de impeachment contra ministros do STF.

    A popularidade do PR vai cair? sim vai, mas o que interessa é 2022. O Jornalista “isentista” Carlos Brickmann, em sua coluna de quarta 12/08 aqui neste espaço disse em tom enigmático:

    “A face oculta

    Por que esperar a eleição? Ora, caro leitor, não faça perguntas difíceis.”

    Face oculta de que? Que eleição seria esta? Porque antecipação? Haveria um golpe em curso? Só o colunista “isento” e bem informado saberia dizer.

    • Quem é o Centrão que nem o Zé Maria dos Pingos sabe definir ?
      Você em alguma eleição ouviu algum deputado federal dizer na sua propaganda : ” Eu pertenço ao Centro e fiz e aquilo ” ?
      O ” abraço ” do Bolsonaro ao Temer é de um Centro que precisa sobfreviver
      sobreviver ou o contrário ?

      • O Centrão é um grupo de deputados que não têm maiores preocupações a não ser se perpetuar no cargo de deputado e para isso precisam mostrar muito serviço (através de emendas) em suas bases eleitorais.

        Também precisam estar próximo a quem tem o povo junto de si para manter suas posições.

        São pragmáticos e adoram indicar ministros, presidentes e diretores de estatais a amigos. Caso não seja possível, vale pelo menos indicações para o 3º escalão, principalmente se for próximo À sua base eleitoral. Não votam por convicção ideológica ou programa de governo e sim de acordo com seus interesses.

        O número varia entre 200 e 350 deputados, de acordo com a movimentação da câmara.

        Seu maior medo? Perder eleição, a vaga de deputado e acabar a boquinha.

  3. Caríssimo Berto e por enquanto os senhores dois comentaristas: “Era contra agora sou à favor…” e o Sr. João Francisco. Concordo plenamente com suas pertinentes análises. O quadro de possibilidades tem um espectro muito amplo. Temos que ficar atentos e acompanharmos de perto o desenrolar dos acontecimentos. Uma coisa é certa, na minha modesta opniao. Não devemos confiar em nada e em ninguém. Disfarçada e traiçoeiramente estão querendo reverter as situações e assumirem novamente os protagonismos político, intelectual e geográfico. Todas suas máscaras caíram e continuam caindo. Precisam inventar outras, o desespero é patente, salta-nos aos olhos. Principalmente, porque o povo já não é o mesmo. Paulatinamente, o cidadão vem tomando as rédeas do seu destino. As cobras estão trocando suas peles. Berto, suas perguntas/motivos sôbre essa estranhice toda dos inimigos de plantão, bem salienta suas desconfianças e incredulidades. Vem provar a derrocada geral desses zisquerdóides e o fim medíocre da auto-confiança em acharem que tinham o domínio total sobre a população. A mudança de tática para o planejamento do golpe, como você bem indagou. É bem típico desses sêres rasteiros, rastejantes, peçonhentos, de sangue frio. Que em seus ninhos chocam seus ovos da maldade, da traição, da infâmia, da hipocrisia, do egoísmo, da avareza, da cleptomania e etc….!!! Não foi à toa, dá nojo em mencionar esse sujeito, felizmente não preciso falar o nome. Auto intitulou-se de jararaca. Se o grande Escritor Nélson Rodrigues fosse vivo nos dias de hoje, acho que reformularia uma das suas célebres frases: “Toda unanimidade é burra”. Deus, Pátria e Família.

    • Brilhante texto de Luiz Carlos, com aplausos sanchianos: “Paulatinamente, o cidadão vem tomando as rédeas do seu destino.”
      Sancho também bate nestas teclas: Deus, Pátria e Família.

      • Um adendo:
        Era contra agora sou à favor seria o Goiano?
        É você, parisino?
        Mesmo não sendo, deixo aqui registrado meu beijo para o Goiano.

  4. Não podemos confiar em nada que parta desses fariseus sanguinolentos. A manha deles já começa a se apresentar. Acabei de ouvir partes da cantilena da mírian leitão, aquela que humilha os pobres suínos com seu sobrenome. A narrativa dela, como bem disse o João Francisco, é que essa popularidade vem do auxílio emergencial que está sendo usado para fins políticos, que o governo é populista, Bolsonaro está usando as dificuldades da população para se auto promover e por ai foi destilando todo seu ódio pelo PR. Não se assustem se ficarem contra e começarem a botar obstáculos para a continuidade deste auxílio.

  5. O Teto de gastos não será mexido . Bolsonaro não quer ser impichado .
    A frase dos outros só teria algum valor se antes e agora dissessem que a única razão da popularidade do Lula é o Bolsa-família .

Deixe uma resposta