ADONIS OLIVEIRA - LÍNGUA FERINA

“Definitivamente, o Brasil não precisa de mais leis! Precisa de mais guilhotinas! ”

Aos crápulas que pretendem manietar nossa população pela miséria e doença, aproveitando-se desta maldita pandemia engenheirada pelos parceiros comunistas lá da China, sempre visando impor sua maldita ditadura.

Prezados senhores,

Tratem de pôr suas barbas de molho! A hora da verdade está chegando, e está vindo muito mais rápido do que supõe vossa vã filosofia, encastelados que os senhores estão em toda a sua imensa arrogância e soberba.

Nós, o povo brasileiro, estamos (por enquanto) demandando apenas que sejam devidamente “Impichados” alguns componentes da súcia de bandidos do famigerado STF, usurpadores de poderes que a eles não foi delegado pelo povo.

A etapa seguinte, quando a corda arrebentar, será uma reação explosiva! Será difícil até entender o que estará acontecendo, tal a velocidade com que os eventos se desenrolarão. A magnitude do que acontecerá arrostará a nós todos, assim como nossos familiares e entes queridos. Hoje, os senhores não podem sair às ruas, por medo de serem apupados. Amanhã, a população ensandecida, correrá nas ruas, atrás dos senhores para executá-los.

ACAUTELEM-SE, SENHORES!

A HORA ESTÁ CHEGANDO E VAI SER TERRÍVEL!

Se ainda tiverem algum resquício de bom senso, façam como Joaquim Barbosa: requeiram suas gordas aposentadorias e vão para casa! Usufruam as imensas fortunas que açambarcaram do povo brasileiro, sempre mamando nas gordas tetas da nação e através de todos os atos famigerados que praticaram.

Isso, se quiserem morrer de doença ou velhice, numa cama e com a cabeça ligada ao restante de seus nauseabundos corpos por todos os seus ligamentos naturais.

A ira da população com os senhores está se avolumando de uma maneira tal que, a persistirem nesta senda maldita em que enveredaram, certo como vem um dia após outro, os senhores terminarão seus dias abruptamente e tendo suas cabeças exibidas ao populacho na ponta de uma vara.

Repetimos para os senhores exatamente a mesma palavra de ordem com que os senhores utilizaram para provocar o caos e o desastre econômico na nossa nação.

VÃO PARA CASA!

De forma semelhante, o mesmo conselho se aplica aos patifes entronizados nas posições de comando nos estados e municípios, sempre e cada vez mais imiscuindo-se nos direitos mais comezinhos da população.

Primeiro, obrigaram o Presidente a um papel de mero observador e repassador de bilionárias verbas públicas. Depois, após roubarem descaradamente uma boa parte desses mesmos bilhões, que poderiam ter salvo uma imensidão de pessoas dos malefícios da pandemia, deblateram histericamente que a culpa seria do mesmo presidente, chegando a imputar-lhe caluniosamente o epíteto de “Genocida”, quando o grande e verdadeiro genocida são eles mesmos, ao torrarem (e darem sumiço) como se não houvesse amanhã, aos bilhões de Reais que o STF obrigou a Presidência a repassar-lhes.

Para onde foi toda essa imensa montanha de dinheiro? Ninguém sabe! Ninguém viu! Prestação de contas, que é bom, fica para as famosas calendas de março. Quer dizer: Dia de São Nunca!

Apoderaram-se de uma fatia significativa do PIB nacional, verdadeiras montanhas de dinheiro, que ninguém sabe para onde foi ou em que foi utilizado. A suposta “Pandemia” justifica plenamente a não existência de Licitação Pública na aplicação desses recursos. Criou-se um verdadeiro paraíso para os políticos ladrões, artigo que sempre tivemos em abundância neste país.

Não satisfeitos com essa roubalheira desregrada, a súcia de patifes se mancomunou para formar um grupelho que denominou “Grupo dos Governadores”, cujo único objetivo é infernizar a vida e a atuação do Governo Bolsonaro, sempre visando sua substituição pelo larápio de “Nove Dedos”, parceiro e cúmplice no projeto de poder execrado pela maioria da população.

O grande receio é que todo este imenso volume de recursos esteja sendo desviado para subsidiar as ações de formação de forças de guerrilha que, no devido momento, deverão fazer frente às nossas Forças Armadas, quando detonar a conflagração da luta pelo poder, conforme a palavras da Incontinência Verbal do crápula mor por trás deste movimento: José Dirceu.

Esta semana, iniciamos as comemorações dos 150 anos (18 de março a 28 de maio de 1871) da revolta conhecida como “A Comuna de Paris”. Este foi o primeiro grande passo em direção à tomada do poder pelos comunistas, na França alquebrada pela derrota frente ao exército Prussiano. A grande consequência desta aventura dos marxistas franceses foi morticínio de proporções bíblicas. A “Semana Sangrenta”, como ficou conhecido o período entre 22 e 28 de maio, entrou para a história pelos mais de 20 mil parisienses mortos. Ao fim da Comuna, 17 mil parisienses foram executados, mais de 40 mil foram feitos prisioneiros e mais de 13 mil condenações se efetivaram. Este foi o “Grande” resultado da loucura dos comunistas parisienses. Este é o futuro que nos espera.

Tal como os vermes, os canalhas comunistas se alimentam da derrocada da nação. Sua grande chance de açambarcar o poder à força é nos momentos de destruição. É para este destino inglório que estão empurrando nosso povo. É para esta imensa catástrofe que nos encaminhamos aceleradamente. Esperamos que os militares honrem seu juramento e se antecipem aos movimentos desses amaldiçoados, sempre dispostos a qualquer patifaria para açambarcar o poder.

Sou Cristão e Espírita Kardecista. Minha crença não admite um ser humano matar outro, seja por que motivo for, mas, da mesma forma que Moisés matou um egípcio que espancava um judeu e foi perdoado por Deus; guilhotinar essa multidão de patifes, totalmente cínicos, sem Deus e sem nenhum princípio moral, será apenas se antecipar e evitar a realização de uma catástrofe sobre o nosso povo, tal qual os exemplos abaixo.

O Holodomor (em ucraniano: Голодомо́р, transliterado para Holodomór; derivado de морити голодом, moryty holodom, “matar pela fome”). Vítimas (Estimado): De 1,8 milhões até 12 milhões. 1932-1933

A Revolução Cultural Chinesa: Durou de 1966 a 1967. Danificou seriamente a economia e a cultura tradicional da China, com um número estimado de mortos variando de centenas de milhares a 20 milhões.

O Genocídio Cambojano: Assassinato em massa promovido no Camboja pelo regime do Khmer Vermelho, liderado por Pol Pot, de 1975 e 1979. Empurrou radicalmente o Camboja para o comunismo. Estima-se que, em quatro anos, cerca de 1,7 a 2 milhões de pessoas foram executadas – cerca de 25% da população da época.

O Grande Expurgo ou Grande Terror (em russo: Большой террор. Os historiadores estimam o número total de mortes devido à repressão stalinista, em 1937-1938, entre 950 000 e 1 200 000. A “Operação Kulak”.

Esses facínoras, em sua busca desesperada pelo poder a qualquer preço, estão destruindo a nossa nação. Precisamos dar um basta ao terrorismo que estão nos impondo. GUILHOTINA JÁ!!!!

15 pensou em “GUILHOTINA JÁ!

  1. Caro Adônis
    Estou angustiado que só a pôrra, pois faz mais de um bocado tempo que engraxei o coturno, esperando a missão e nada dela chegar.
    Meu único problema é dar uns tirinhos com o Fal e com a Beretta, para me reacostumar, pois fui do tempo do mosquetão e da velha e estimada Colt .45, embora acredite que lá pelo ninho dos urubús, vai bastar o jipe parando na porta, que o carreirão será grande.
    Não vai precisar do que diz o velho Adoniran, “bala de revórve.”

    • Cabo Arael, eu fui recusado sumariamente pelo exército (seis graus de miopia), mas entendo alguma coisa de estratégia. Se precisarem de alguém para ajudar no planejamento, é só chamar.

      Também sei dar uns tirinhos.

  2. Caro Sr. Adônis Oliveira.
    Espetacular e revigorante esse seu relato histórico de fatos e acontecimentos presentes, recentes e passados.
    Para nos reabilitar a fé de que algo grande realmente irá acontecer para resgatar o povo desse jugo comunista.

    Dá dó de ver, nesses últimos dias. O Presidente parecendo pregar no deserto.
    Como pode? Após aquela reunião imposta e de aparência tão séria. Com todos representantes dessa “República”?

    Algum tempo depois do discurso lido e não de improviso, como é comum ao Presidente.
    Os dois outros presidentes das duas casas legislativas. Que substituíram os outros dois calhordas presidentes anteriores.
    Efusivamente comemorados pelos serviços que iriam prestar ao povo e ao Mandatário da Nação. Atendendo as suas pautas e projetos para o desenvolvimento do País e da população.

    Inexplicavelmente, um deles, deputado, liga para o país ching ling, responsável direto por todo esse horror que o mundo enfrenta e combate.
    O outro, senador, contata a presidente vice, “cavala arre égua”. Representante recém eleita daquela ex-democracia, mas de partido democrata. Onde conseguiram o milagre através do “são bidê” de erradicar o vírus pestilento do “morceling” de laboratório.
    Para pedirem arrêgo, implorarem, ficarem de quatro diante desses dois “poderosos representantes do sistema n.o.m.”

    Na sequência dos dias. O próprio Presidente anuncia a vacina Brasileira e a capacidade do País produzir 500 milhões de vacinas e ainda dar conta de fabricar para todos os anos que se seguirem. Fazendo frente às várias mutações e cepas que essa bosta desse vírus venha desenvolver.

    É tudo muito estranho e tenebroso. Seu relato nos dá ânimo e força. Pois, precisamos sentir o cheiro de pólvora no ar, de novo. Desesperadamente acreditarmos, que algo grandioso e libertador irá acontecer em breve.

    Como tenho por hábito não respeitar quem ou o quê, não me respeita. Escrevo sempre em letras minúsculas quando isso acontece. Digo isso, para dar-lhe uma satisfação e a quem chegar à ler.

    Um ótimo domingo. Antevisando uma semana proveitosa.

  3. Escreves: A etapa seguinte, quando a corda arrebentar, será uma reação explosiva! Será difícil até entender o que estará acontecendo, tal a velocidade com que os eventos se desenrolarão.

    Caro Adônis, ouso discordar, e muito.
    Ora, Sancho, como discordar?
    Explico: quando foi que esse tal povo brasileiro chegou às vias de fato como nação? Revoltas ocorridas no passado foram pontuais e regionais. Não há esse tão decantado “povo brasileiro”.

    Utopia e ilusão, apenas, meu caro. Somos uma gente que vende voto, que faz gato na eletricidade, que faz gatonet, que rouba celular, que dá golpe em aposentado, que desvia doses de vacinas, que fura fila, que sonha com cargos comissionados, que liga para residência enchendo o saco com planos de internet e celular via telemarketing, que vota em tranqueiras, que joga lixo nas ruas, que pixa muros, que oferece pixuleco, que tenta subornar o guarda, que phodde o pais em benefício próprio. Somos frágeis como ajuntamento de pessoas (não me alongo mais nas mazelas brasileiras, pois tornaria o texto gigantesco).

    E para piorar, as gerações que vieram depois da nossa são formadas por bebês chorões e mimiizentos, escravos do politicamente correto, que lutam apenas em videojogos.

    E não se esqueçam que somos desarmados, pois o estatuto do desarmamento tirou as armas de quem a possuía e tal brinquedinho, se comprado de forma legal é caríssimo, impeditivo para a maioria dos nossos bolsos.

    Ficamos craques em choro através do teclado. E só.

    Depois do que ocorreu com a Nação Mais Poderosa do Planeta (quem apostaria naquela tragicômica eleição?). Estamos apenas esperando o futuro ditador mostrar a cara para que sejamos a próxima Cuba, Nicarágua, Argentina, Bolívia ou Venezuela.

    O desempenho do povo brasileiro diante dos arroubos autoritários de certos governantes nesta pandemia não me deixam mentir ou ser chamado de mentiroso.

    Um dominical abraço sanchiano ao gigante adônico.

  4. Enquanto lia o belo texto do Adônis, já redigia mentalmente a resposta pessimista. Ao chegar aos comentários, vejo que um “Loco” mais lúcido que a maioria dos normais já disse o que precisava ser dito.

    Mestre Adônis prega certo para a platéia errada, pois o povo brasileiro não é digno de receber seus conselhos. Aliás, está circulando pela internet a frase “o Brasil não tem povo, tem platéia”, porque os brasileiros não participam, apenas assistem.

    Nossa independência de Portugal foi feita no grito. A república foi proclamada no grito. Getúlio derrubou a república velha no grito, e foi derrubado no grito 15 anos depois. Em 64, os militares tomaram o poder no grito.

    E assim, de grito em grito, esse navio sem leme e sem velas vai seguindo seu rumo incerto.

    Emigre, Adônis. Emigre e me leve como ajudante de ordens/secretário particular/mordomo/motorista/carregador de malas. Este país não merece seus conselhos.

    • Com muita experiência na boléia do Quixote Véi di Guerra, sigo o relator Bertoluci e me candidato a motorista do ricaço Adônis. Sugiro pagamento em euros, se possível for…

  5. Meus queridos amigos,

    Para desencanto geral, inclusive meu, informo-lhes que sou um lascado! Fudido e mau pago!
    Tive excelentes oportunidades para tal mas, infelizmente, nunca roubei.
    Assim, a minha aposentadoria, que mau e porcamente dava para fazer a feira, acabou de virar farinha com a alta do dólar. Na próxima subida do câmbio, se transformará em areia.
    Assim, não será possível nem eu mesmo emigrar, quanto mais levando pessoas deste imenso valor para me auxiliarem.
    Por tudo isso, informo-lhes que:

    1- PODE DAR O CARALHO DE ASA, mas eu vou sair dando porradas se essa esquerda nojenta se mobilizar para assumir de vez o comando desta merda, nem que seja na base do estilingue.

    2- Se esse bando de cagões ficar em casa, só se lamuriando e se limpando da caganeira nervosa, EU VOU SÓ!

    Depois… DÊ NO QUE DER! FODA-SE O MUNDO QUE EU NÃO ME CHAMO RAIMUNDO!

    Precisamos de milhares de Yamaguchis!

    • Para desencanto geral, inclusive seu (principalmente o seu), informou-nos que és um lascado! Fudido e mau pago!
      Teve excelentes oportunidades para tal, mas (honestíssimo mas), (in)felizmente, nunca roubastes um centavo de real.
      Neste país de tantos corruptos e corruptores,ÉS UMA VERGONHA para A FAMA corrupta do país. Onde já se viu TER OPORTUNIDADE e não tramar uns puxulecos licitatórios, uns milhõezinhos “por fora”, uns faz-me rir’ para saciar amantes em Paris. Não teve Adonis a necessaria safadeza para guardar em apartamento uma mala de dinheiro para comprar silêncios e amizades.
      A “mui afamada” ACB (Associação dos Corruptos do Brasil) se envergonha de um cidadão como TU, ADÕNIS.
      A AMRPF (Associação Monetária das Riquezas em Paraísos Fiscais) jamais o aceitará por membro, caríssimo.
      E,
      sanchianamente ouvindo, por todo este domingo, Bonnye Tyler e sua linda e rouca voz Rod Stewartiana, Sancho TE SAÚDA, com o orgulho dos que AMAM ESSA NAÇÃO, CARÍSSIMO ADÔNIS.

  6. Curto que nem coice de porco e grosso que nem parede de igreja.

    Sr. Adônis, só há uma coisa da qual sempre discordarei de ti: o método de defenestrar esses elementos ignominiosos para o Tártaro.

    A guilhotina é muito romântica para essa facção de entidades hircosas.

    Tem que ser a forca sem cadafalso e feita a base de lençóis de presídio, conduzidos previamente a base de uma avalanche de insultos e pancadas.

    Uma morte lenta, dolorosa, suja (com muito mijatório e caganeira do funesto) e, para sacramentar seus desterros da história da civilização, que seus cadáveres sejam desovados no desgraçado Vale de Hinom, onde o fogo de enxofre nunca apaga e a aniquilação é absoluta.

    É o único meio razoável para essa matula de rapinantes pagar sua dantesca dívida para com o povo brasileiro.

    • Prezado Nikolai,

      Curvo-me perante as sábias palavras do amigo.

      ESQUEÇAM A GUILHOTINA! Vamos acabar com esta raça nefasta utilizando os métodos mais sofisticados já desenvolvidos por instituições respeitabilíssimas como a Igreja Católica: Forçá-los a beber chumbo derretido, alguns tratos bem dados de “Polé”, assá-los em fogo brando, e coisas assim.

      Vamos nessa, Nikolai!

  7. Mestre Adônis,

    Elogiá-lo os artigos publicados aqui no JBF aos domingos seria pura redundância.

    Todos são ótimos! Uma aula de história e conhecimento.

    Ao invés, prefiro fazer-lhe uma sugestão: escrever um artigo sobre o livro “A Grande Fome de Mao” e o “Holodomor Ucraniano”, modos esquerdopatas de trancar as pessoas dentro de casa para minar-lhe as forças, matar-lhe de forme e depois dominá-la e depois subjugado com fome.

  8. Mestre Adônis,

    Elogiá-lo os artigos publicados aqui no JBF aos domingos seria pura retórica.

    Todos são ótimos! Uma aula de história e conhecimento.

    Ao invés, prefiro fazer-lhe uma sugestão: que o nobre colunista escreva um artigo sobre o que foi “A Grande Fome de Mao” e o “Holodomor Ucraniano”, modos esquerdopatas de trancar as pessoas dentro de casa para deixá-lo com fome, dominá-lo e depois subjugado, como estão fazendo os governadores e prefeitos criminosos brasileiros em plena pandemia.

Deixe uma resposta