GRANDE NEGÓCIO (2)

Negociata é um bom negócio para o qual não fomos convidados!
Apparício Torelli – O Barão de Itararé.

No artigo de ontem recomendei a meus prezados leitores que adquirissem ações da BR Distribuidora. Hoje venho alertá-los sobre o momento certo de vender essas ações.

Quando Bolsonaro deixar a presidência e Paulo Guedes for apenas uma lembrança ruim, um grupo de maganos, possuidores de ações da BR, vai procurar o novo presidente com a seguinte argumentação: Sabe presidente, nós andamos pensando no assunto e concluímos que esse negócio de distribuição de combustíveis não é o nosso “core business”. Assim queremos vender nossas ações de volta para a Petrobrás. Se a Petrobrás recomprar nossas ações, uma comissão justa será depositada numa conta numerada na Suiça para você e para o presidente da empresa.

Então, imbuído do mais elevado espírito patriótico, o novo presidente fará um discurso em cadeia nacional dizendo que Bolsonaro foi um irresponsável em privatizar uma empresa da importância estratégica da BR Distribuidora e que, pensando no interesse público, ele irá reparar este erro histórico. Assim a Petrobrás recomprará destes maganos suas ações pagando alguma coisa em torno de 300% acima do valor da venda em 2019. Grande negócio!

É claro que os pequenos investidores como você e eu ficarão indignados, não só porque ninguém vai nos comprar as ações pelo mesmo valor, como também o preço das ações em bolsa cairá em cerca de 50% por causa da reestatização. Nesse momento aparecerá um renomado escritório de advocacia propondo que os acionistas minoritários fundem a Associação dos Acionistas Minoritários da BR Distribuidora (AAMBRD) para entrar com ações na justiça e na Comissão de Valores Mobiliários exigindo o “tag along”, isto é: que a Petrobrás compre as ações dos minoritários pagando o mesmo que pagou aos maganos. É claro que este escritório cobrará seus honorários adiantado e muitos brasileiros que acreditam em Contos da Carochinha vão cair nessa.

Após cerca de 12 anos de embromação, um juiz do STF, do alto de seu notório saber jurídico, proferirá uma sentença sábia: Trata-se de uma decisão gerencial da empresa que decidiu retomar o controle acionário da distribuidora. Assim ela não pode ser obrigada a adquiri mais que o número mínimo de ações necessárias a exercer esse controle. Pode haver sentença mais perfeita? Irretocável, sem dúvida.

E assim, leitor, se você não vender suas ações na hora certa ficará com o mico na mão. Como sei que isto vai acontecer? Ora, porque vi exatamente isso acontecer na área petroquímica do país (várias vezes). É o famoso Capitalismo de Compadrio em ação: o Estado vende barato e compra caro (de poucos privilegiados, é claro).

Os cariocas com mais de 50 anos devem se lembrar da reestatização da Light. Esta empresa é a responsável pela distribuição de energia elétrica na cidade do Rio de janeiro e alguns outros lugares. Havia um contrato de concessão deste serviço por 70 anos com a empresa canadense Brascan (atual Brookfield). O contrato estipulava que, ao final do período de concessão, toda a infraestrutura da empresa seria de propriedade do estado do Rio de Janeiro, não cabendo nenhum ressarcimento à concessionária. A medida que o contrato se aproximava do fim, a Brascan deixou de investir em infraestrutura e manutenção e os serviços pioraram consideravelmente. Assim, em 1979, faltando apenas três anos para o contrato vencer, o então ministro de Minas e Energia, Shigeaki Ueki, imbuído do mais elevado espírito púbico, pensando no bem-estar da população do Rio de Janeiro e levando em conta os péssimos serviços da empresa, decidiu reestatizar a Light, indenizando a Brascan por toda infraestrutura construída durante o período de concessão. Isso é que é um homem público de princípios.

Assim, leitor, entendo que devemos aproveitar as oportunidades que a vida nos apresenta. Ganhar dinheiro não é pecado (já dizia o Bispo Macedo). Só não podemos ser otários. A BR Distribuidora, com um mínimo de gerenciamento adequado, pode pagar dividendos bem maiores do que você ganharia num fundo de investimentos de seu banco que, quando muito, entrega apenas o CDI.

Só é preciso ficar atento ao momento de sair do barco. Este momento pode ser após as eleições de 2022 ou, certamente, em 2026.

Saudações Jurássicas.

Deixe uma resposta