FRED MONTEIRO – RECIFE-PE

Grande (mesmo!) Papa Berto..

Somente pra não dizer que esqueci do povo da nação nordestina, mando esse potpourri de xotes do Gonzagão que gravei no meu home-estúdio.

Vale dizer que foi a primeira experiência pra valer mesmo. Toquei aí na real o banjo tenor e a gaita de boca (harmônica ou realejo, como queiram).

Na virtual, foram os demais instrumentos: zabumba, triângulo, baixo elétrico, sanfona e flautas.

Vou fazer uma série de potpourris de todas a músicas que marcaram minha vida..

À medida que for finalizando, vou mandando por aqui.

Não sei se a negada vai gostar, mas dá pra soltar o som na vitrola e dançar um xote macio num tijolo só, jambregando com a costela (tem uns por aí pelo mundo e até na França, que preferem dançar com o costelo…)

Vôte, fasta Satanás !!!

Abraço grande a todos os companheiros dessa gazeta escrota e terrivelmente amada!

R. É como eu digo sempre e vivo a repetir: nesta gazeta escrota só tem cabra talentoso e malassombrado.

Um trabalho arretado é esse seu, meu querido amigo.

Já estou ansioso pra receber e postar os próximos.

Mande sempre pra gente todas as suas criações, pra alegrar o nosso expediente.

E lá vai som!!!

6 pensou em “FRED MONTEIRO – RECIFE-PE

  1. FRED MONTEIRO, amado mestre,

    Você não sabe o bem que você nos faz, e quando aparece, é só alegria!

    A Nação Fubânica agradece!

  2. E lá foi Sancho, som na vitrola velha, cheia de cupim, dançando,com artrite, artrose i us bicudipapagai um xote macio num tijolo só, jambregando com a costela à moda Monteiro.

    Vamu qui vamu, manu véi!!!!!!!!!!!!!!!!

  3. Fred, não se vá. Que seu ‘pé de vento’ seja sempre de volta pro JBF, seu cabra. Com Fred comecei minha carreira de compositor, gravando umas besteirinhas no estúdio que ele tinha ali naquela rua que antecede a Aurora, perto de uns armazéns de madeira (não lembro o nome da rua). O estúdio hoje é de Bozó, um gênio do cavaco e sete cordas. Abraço, Fred Monteiro.

  4. Fred, não se vá. Que seu ‘pé de vento’ seja sempre de volta pro JBF, seu cabra. Com Fred comecei minha carreira de compositor, gravando umas besteirinhas no estúdio que ele tinha ali naquela rua que antecede a Aurora, perto de uns armazéns de madeira (não lembro o nome da rua). O estúdio hoje é de Bozó, um gênio do cavaco e sete cordas. Abraço, Fred Monteiro.

Deixe uma resposta