XICO COM X, BIZERRA COM I

Estarei à beira do luar
na hora em que morrer o dia.
E no incerto instante em que o sol se for,
rezarei uma Ave-Maria.

Pedirei a Deus que, ao dia que virá,
seja-lhe concedida a sorte
que a este foi negada
antes de sua iminente morte.

Não acenderei velas
na hora em que o dia for embora:
de luzes, ele não precisará
além da que vem da lua e lhe devora.

A ele bastará o silencioso som
que só se ouve quando o dia tem seu fim.
Assim, a Ave-Maria rezarei no mais baixo tom
e só as estrelas escutarão o meu rezar
na hora em que o dia acabar.

E dele, ao finar-se,
não verei o seu fenecer:
estarei festejando com as estrelas
o dia novo que está por nascer.

3 pensou em “FIM DO DIA

  1. O sol e o poema têm luz própria.

    Ambos nos dão alegria e esperança, além de nós aquecer de esperança.

    Também estarei à beira do luar na hora em que morrer o dia.

    Parabéns, mestre Xico Por FIM DO DIA!

Deixe uma resposta para Schirley Cancelar resposta