FILHUXOS, ENCOLHI AS AMEAÇAS!

Talvez sejam os problemas judiciais, talvez a prisão de alguns dos devotos mais radicais, talvez a apreensão de arquivos virtuais – mas, seja qual for o motivo, o presidente Bolsonaro está em nova fase: a de Mito Paz e Amor. O novo ministro da Educação que escolheu pode ser bom ou ruim, mas é uma pessoa normal, que jamais chamaria a mãe de um crítico de “égua sarnenta”. Ministros seus fizeram gestos de paz a Supremo e Congresso, e – surpresa! – Bolsonaro até se mostrou solidário com os 50 mil mortos do coronavírus, e pediu ao presidente da Embratur, Gilson Machado, que tocasse na sanfona a belíssima Ave Maria, de Gounod. Está bem, Machado está longe de ser um Dominguinhos, não tem a voz de um Caruso, mas valeu pela homenagem.

Com Bolsonaro nunca se sabe, mas aparentemente optou pela suspensão das ameaças. Aproximou-se do Centrão, que prefere um ótimo acordo a uma boa briga, mantém-se mais afastado dos devotos do cercadinho, onde costumava fazer declarações explosivas. E, vários dias depois da prisão de Fabrício Queiroz, nada comentou – nem sobre o preso, nem sobre Frederick Wassef, ao mesmo tempo advogado de Flávio Bolsonaro, de Queiroz e do próprio Bolsonaro. Carluxo, o mais belicoso dos filhos, retornou às atividades na Câmara Municipal do Rio, longe do Planalto. Os devotos continuam ferozes, pedindo briga, mas, sem apoio presidencial, até quando?

Conciliação

Os novos ministros são mais conciliadores que os anteriores. Fábio Farias, das Comunicações, tem ótimo relacionamento no Congresso. Carlos Alberto Decotelli, da Educação, deixou boa impressão no meio político, dos tempos em que esteve na presidência do FNDE, Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação – embora ainda não tenha explicado quem foi o responsável por uma concorrência que o Tribunal de Contas anulou, na qual seriam comprados vários computadores para cada aluno. E, além de ter deixado boa impressão, tem outras vantagens: não é Weintraub nem olavista.

Um bom momento

A corda foi muito esticada, mas talvez ainda seja possível o retorno – se os filhos colaborarem, se o próprio presidente se contiver, se os inquéritos e ações judiciais não puserem seu mandato em risco. E há alguns pontos, neste momento, em favor de Bolsonaro: embora a pesquisa Datafolha indique que ampla maioria acha que ele sabia onde Queiroz estava, isso não abalou sua popularidade. Houve uma ligeira queda, de um ponto percentual, dentro da margem de erro. E, por esses dias, o presidente inaugurou o primeiro reservatório no Ceará que recebe água da transposição do rio São Francisco – obra que se arrastava desde D. Pedro 2º. Justo no Ceará, comandado pela família do adversário Ciro Gomes. Isso deve elevar seu índice nas pesquisas.

Uma vitória

O senador Flávio Bolsonaro ganhou no Tribunal de Justiça do Rio e terá direito a foro privilegiado, por ser deputado estadual na época do episódio das rachadinhas. A decisão permite que o julgamento ocorra em segunda instância, pulando a etapa do juiz único. Talvez essa vitória, que o afasta do juiz Flávio Itabaiana, leve também à anulação da prisão preventiva, ordenada pelo juiz, no mesmo processo, de Fabrício Queiroz. Mas a questão deve ser observada com cautela: o Supremo já decidiu várias vezes que, ao deixar o cargo que lhe dá direito ao foro especial, o cidadão passa a ser julgado em primeira instância (o que acontece, por exemplo, com o ex-presidente Michel Temer). Há uma diferença entre ambos: Temer não mais ocupa cargo público e Flávio passou de deputado estadual a senador, sendo que senador também tem foro especial. Mas o foro vale para problemas ocorridos em função do mandato. O caso de Flávio ocorreu em outro mandato. Que dirá o STF?

A marcha da gripezinha

Em Brasília, no dia 25 de maio, com tudo fechado, houve 6.930 casos de Covid, com 114 mortes. No dia 26 houve o afrouxamento das restrições, com abertura do comércio. Um mês depois, 24 de junho, houve 37.254 casos, com 495 mortes. As associações de comerciantes haviam prometido erguer um hospital de campanha com 300 leitos de UTI, o impacto previsível. O impacto foi pouco maior, porém os lojistas não cumpriram a promessa. No dia 25 de junho, havia 95 pessoas esperando lugar na UTI. Mas o problema não é apenas de promessas descumpridas: Israel, que havia levantado boa parte das restrições, fechou-se de novo; Portugal também; e, nos EUA, o número de casos e de mortes bateu recordes neste fim de semana.

O grande reinício

Se a questão do emprego é difícil para todos, imagine quem tem mais de 50 anos e já era discriminado antes da pandemia. Pois é: um grande evento de trabalho e reinvenção profissional para os maiores de 50 anos vai-se realizar de 6 a 9 de julho. São mais de 50 palestras ao vivo pelo Instagram, na Kaleydos.

30 pensou em “FILHUXOS, ENCOLHI AS AMEAÇAS!

  1. FAz duas semanas que Carlos Brickmann voltou a esta gazeta escrota.

    Estou esperando o Jornalista isento falar do inquérito ilegal do fim do mundo do STF ou dos 8 prisioneiros políticos que o Sinistro Alexandre de Moraes fez, inclusive a de um jornalista investigativo que fazia uma reportagem sobre a mulher do careca; porém nada.

    Poderia falar também sobre o meliante que ateou fogo em um ônibus em frente ao Planalto aos gritos de abaixo Bolsonaro e que foi solto logo depois.

    Parece que só tem um assunto: o Queirós. Em todas as suas colunas falou do dito cujo. Ô falta de assunto.

    Carlos, Queirós já disse que não tem o que delatar em relação ao Presidente. Vão atrás da mulher dele para pressioná-lo ainda mais.

    Estou longe de ser um devoto feroz, entendo que na política as coisas têm seu tempo; porém não sou idiota e vejo o que acontece na imprensa.

    • João, admita, é um devoto feroz, sim. Tudo bem, não é crime. Mas mentir é feio. E considerar que onze ministros do Supremo estão errados porque não concordam com sua augusta opinião é meio muito, não acha? Ao que se saiba, o Queiroz está negociando uma delação premiada. Esperemos para ver se faz acordo e se o que diz é ou não importante. Presos políticos? Perfeito, o pessoal do Lula também achava que ele era preso político. Faz parte. Quando ao incendiário do ônibus, foi libertado depois que a coluna já tinha sido enviada aos destinatários. João, desculpe não ter seu talento, mas não consigo prever o futuro.

      • Prevê o futuro sim. Tanto que já fala da delação do Queiros.

        De onde vem esta previsão?

        Afinal, qual o motivo da prisão, se ele ainda não foi julgado?

        Está doente e é do grupo de risco.

        Até estupradores foram soltos.

        Qual o risco que ele representa?

        Jamais fugiu.

        • A informação de que há negociação vem de fontes oficiais. Se vai dar certo é outra coisa. João, leia com os olhos, não com o fígado. Visão não é função hepática. Dizer que há negociação não é a mesma coisa que prever que haverá delação. Simples, né?

    • Vê mas não lê, né? O que se sabe é Fabrício Queiroz está negociando uma delação premiada. Caro João Francisco, quem diz que o inquérito é ilegal? O sr. mesmo? Mas os ministros do Supremo dizem que é legal. Prefiro acreditar em quem tem a prerrogativa constitucional de dizer o que é e o que não é legal. Quem só acha, quem fica bravo sempre que seus ídolos são prejudicados, tudo bem: tem o direito de opinar, por que não? Já não disseram até que o Covid é uma gripezinha?

      • “quem diz que o inquérito é ilegal? O sr. mesmo? Mas os ministros do Supremo dizem que é legal. Prefiro acreditar em quem tem a prerrogativa constitucional de dizer o que é e o que não é legal.”

        Meu Deus…

        Nunca que um dia eu acharia que Papai Noel, duendes, planeta Nibiru e Saci poderiam ser fatos cientificamente comprovados.

        Perto disso, um fundamentalista islâmico, um homem-bomba, um terrorista do ISIS tem a austeridade de um Arthur Clarke ou Isaac Asimov!

        Não existe beato ou integrante de seita nesse planeta que se iguale a esse grau de crendice!

  2. Talvez seja a canalhice,talvez a abstinência do dinheiro pública, talvez seja a saudades de LADRÕES nos governando e embolsando NOSSO RICO dinheirinho,ou talvez seja apenas a espera da morte para que essa essência MALIGNA VÁ PARA OS QUINTOS DOS INFERNOS.

    • Como disse (corretamente) o presidente Bolsonaro, um dia todos morreremos. Para onde vamos? As várias religiões têm várias versões, mas saber mesmo só saberemos quando não pudermos mais contar a ninguém.

  3. Sr Carlos Brickman,

    Já fui admirador de sua coluna e leitor diário.

    Hoje, constato que o senhor está cada dia mais parcial e ferino, utilizando da mesma terminologia esquerdopata e chegando ao ápice do partidarismo ao citar as estatísticas fajutas da enganadora datafolha em apoio aos seus argumentos.

    Perdeu totalmente a credibilidade antes angariada e tornou-se asqueroso pela parcialidade.

    Generalizar rotulando de “DEVOTO” a todos aqueles que se indignaram com as ilegalidades praticadas pelo famigerado STF é típico de militantes choramingando pela volta do PT.

    Tudo o que tenho a lhe dizer é: DEVOTO É… É…

    Deixa pra lá…

    • Caro Adônis, eu também já li a admirei o Brickmann, mas também tem: Reinaldo Azevedo, Nerval, Diogo, Sabino, Sardemberg, Felipe Moura Brasil, dentre outros que tramam dia e noite a queda do Bolsonaro.

      Viraram vivanderias do FHC.

      • Prezado João,

        Que $erá que aconteceu com essa turma toda?

        Por que $erá que uns caras, antes tão indignados com todo o tipo de patifaria$, pa$$aram a defender com unha$ e dente$ a canalha esquerdopata!

        Deve ser aquela velha frase do Henfil: EU TENHO DE SOBREVIVER, ENTENDE?

          • Sr. Carlos,

            Eu adoraria que todas as pessoas tivessem o método de trabalho daqueles que escrevem no Jornal da
            Besta Fubana; De graça e por idealismo, mesmo estando sujeitas a terem suas casas invadidas, seus computadores apreendidos, e até a serem presos e processados pelo tribunal da inquisição brasileira, apenas por discordarem do mar de patifarias que assola nosso país.
            Infelizmente, nem sempre é assim! Tem muita gente virando a casaca a partir de interesses inconfessáveis e tentando derrubar, de qualquer maneira, o presidente constitucionalmente eleito..

    • Devoto é…é… devoto. Devoto é quem acha que o seu ídolo sempre está certo. Devoto é quem acha que todos que rompem com Bolsonaro já entraram no Governo para traí-lo. Devoto é quem não percebe que, pensando assim, dá ao presidente o rótulo de incompetente, que não sabe escolher auxiliares e cuja Abin só descobre aquilo que saiu no jornal. Devoto é quem acha que o coronavírus é uma invenção comunista e não existe de fato – no fundo, não passa de uma gripinha, a ser combatida com sanduíches de hidrocloralquina três vezes ao dia. Devoto é quem acha que Folha, Estado, Veja e Globo são comunistas. Devoto é quem acha que qualquer pesquisa que indique queda de popularidade do presidente é falsa. Devoto é quem não se dá ao trabalho de checar notícias e acredita, entre outras coisas, que a FDA americana aprovou o uso de cloroquina para combater o Conviv. Devoto é…é… devoto é o senhor, por exemplo. Ama Bolsonaro como os lulistas amam Lula – incondicionalmente, irracionalmente.

  4. Sr. Carlos, senti falta de sua coluna no JBF.

    Gosto narrativa que separa o texto em tópicos

    Tão logo notei a falta de sua coluna no Jornal, encontrei seu site e resolvi meu problema.

    Espero que tenhamos todos uma boa semana, mas….

  5. Prezado Carlos Brickmann

    Quando comecei a trabalhar em jornal, eita!, já se vão quantos anos? Deixa pra lá….A primeira coisa que me ocorreu nas primeiras semanas era que ninguém estava falando nada sobre o meu trabalho, entrevistas, reportagens, textos etc… Nenhum elogio, nenhuma crítica, nada…Aí relatei minha preocupação a um colega mais velho. A resposta dele pode servir de comentário sobre as críticas que você vem recebendo de uns e outros por aí.

    “Se não falam nada, é porque você está atendendo à expectativa. Ninguém elogia ninguém nesse meio. Elogio sincero é aumento no salário. Se falarem algo, se criticarem, é porque está acontecendo justamente o contrário”.

    Marcon Beraldo

  6. Aguarde Brickmann, Os ministros do STF que vc aprova já estão mandando prender jornalistas. Talvez vc seja o proximo. Detalhe: prenderam por emitir opinião. Isso é sim prisão politica. Agora comparar com o carniça, supondo ter sido preso politico? Que decepção Brickmann…Carniça não foi preso por ter suas opinioes mas porque é corrupto julgado e condenado.

    • JM, quem disse que eu aprovo os ministros do STF? Não aprovo nem desaprovo: eles estão lá e cumprem sua função, para a qual foram legalmente nomeados. Não discuto Direito: não sou um dos 210 milhões de juristas.

      • Sr. “Homemm-tijolo”,

        começarás não só a discutir Direito, como te esforçarás a dedicar carreira nessa área, quando a possibilidade de te tornares parte da pira sacrificial, acendida por esses onze abutres, bater a tua porta.

        • Sr. Nikolai Inferno, já fui processado pelo PT, pelo PSDB, por Jânio Quadros. Sempre entreguei a defesa a advogados, que, estes sim, dedicam a vida ao estudo do Direito.

          • Sr. “Homemm-tijolo”,

            e quando essa lei for o “humor” do integrante do Supremo Tolete Fedorento?

            Seus advogados também estudarão essa parte? Ou seria melhor contratar psicólogos para integrar sua equipe de defesa?

            Ingenuidade é pouco para definir sua crença de que no Brasil atual exista alguma estabilidade jurídica.

            • Caro Nikolai Inferno, em sua opinião a estabilidade jurídica se funda na ausência de tribunais? Concordo que a falta de segurança jurídica seja um dos mais graves problemas do país. Mas isso exige um trabalho que não se restringe a xingar o Supremo. Começa, por exemplo, com um sistema tributário que não tenha novas normas todos os dias. Continua com a consolidação da legislação, para que leis não aceitas pela Constituição sejam formalmente revogadas. O deputado Faria Lima iniciou este trabalho. Mas, depois que deixou a Câmara, o trabalho foi interrompido. Gostaria de ter um aplicativo que existe nos EUA. Nele você lança as receitas e despesas da casa e na hora de fazer a declaração de renda está tudo quase pronto. Que tal começar por aí a segurança jurídica?

              • Sr. “Homemm-tijolo”,

                os onze reis autistas que atualmente violentam de forma compulsiva nossa débil Carta Magna costumam se assumir como a própria instituição, o STF. Algo similar ao autor de “L’État c’est moi”.

                Portanto, em seu raciocínio cometeste um erro crasso que não esperava vir de alguém com sua bagagem intelectual: confundir a sumária e imediata destituição dessas onze aves de rapina com a dissolução da instituição.

                Instituições são nada mais do que mecanismos ou estruturas constituídas por seres humanos. Não entidades autômatas dotadas de consciência ou senciência que nascem e morrem como tu e eu. Desse modo, dizer que pessoas como o Sr. Adônis ou eu querem a total ausência de tribunais é, na melhor das hipóteses, um erro grosseiro (para não dizer “desonestidade intelectual” ou “sofisma”).

                No restante, concordo. Particularmente quanto ao aplicativo. Eu mesmo sou a favor de fazer um app com o qual se faça um recall de déspota tupiniquim a pontapés e bicudas, curando depois suas feridas no SUS (sem proteção contra Covid-19) de alguma capital e ser reinserido na sociedade como autônomo de dono de bancas de revista (para assim saber o valor de cada centavo que surrupiava enquanto goro estatal).

      • É um ISENTÃO!!!

        E precisa ser jurista para saber o que é canalhice em estado puro, meu caro? Desde quando não sabemos mais o que é o certo e o errado?

        Desde quando precisamos da tutela desse bando de crápulas para definir o que é vergonha na cara, honradez e honestidade?

        Ora!!!! Não me venha com xurumelas. Arranje outro argumento porque esse foi de lascar!

        • Adonis, não precisamos de tribunais, então. Totalitarismo em estado puro. Assuma que quer ditadura, que quer um Stalin ou Mussolini mandando e pronto. Fidel Castro também implantou um regime que não precisava de tribunais. Como este que você gostaria de ter.

          • A propósito, Adônis, “xurumelas” não é algo que, se escrito por alguém alfabetizado, seria “chorumelas”?

            • Sr. Carlos,

              Já que o senhor partiu para ser didático e magistral, adotarei o mesmo estilo com o senhor.

              A falácia de tentar levar ao ridículo o argumento oponente reduzindo-o ao absurdo, é uma das falácias mais fracas e simplórias.

              O fato de discordar DESTE tribunal, não significa de forma alguma que não se queira NENHUM tribunal.

              Quando alguém supostamente alfabetizado a utiliza, é por ignorância ou simples malícia e covardia intelectual.

            • Quanto ao “Xurumelas”, adotei a forma popular utilizada em antigo programa humorístico.
              Foi o que bastou para ser apodado de analfabeto a fim de ridicularizar com meus argumentos racionais.
              Mais uma falácia simplória!

              O senhor pode fazer melhor que isso.

Deixe uma resposta