VIOLANTE PIMENTEL - CENAS DO CAMINHO

Sonhei que estavam faltando feijão e arroz em todos os supermercados de Natal. Mas, ouvia no rádio a notícia de que, naquela manhã, estaria chegando ao porto de Natal um navio, transportando esses dois produtos, diretamente da China. A partir das 13 horas, o feijão e o arroz estariam nas prateleiras dos supermercados. Alimentação básica do nordestino, o feijão e o arroz fortificam e dão sustança.

No supermercado, os fregueses, usando máscaras, aguardavam ansiosos que os dois produtos fossem postos nas prateleiras. O limite para compra seria de 2 quilos de cada produto, por pessoa.

De repente, houve um grande alvoroço, pois iam colocar nas prateleiras o feijão e o arroz, vindos da China, Pátria do Corona Vírus.

Os fregueses mudaram de cor, quando souberam da procedência dos dois produtos, ligando-os ao terrível vírus, fabricado em laboratório da China. Apesar da enorme fila, ninguém teve coragem de tocar, nem de leve, nas embalagens dos dois produtos chineses. A fila “congelou”, sem sair do canto, até que, no final, apareceu um herói, que gritou:

– Saiam da frente, que eu quero comprar feijão e arroz! Pouco importa que tenham vindo da China ou da Baixa da Égua! E empurrando o carrinho do supermercado, o homem pôde levar a quantidade de feijão e arroz que bem quis, enquanto os outros fregueses continuavam acuados, com medo do “Corona Vírus”, que devia estar dentro das embalagens.

De repente, houve outro tumulto, com empurrões, pancadarias, correrias e até desmaios, pois os indecisos resolveram também comprar os produtos chineses.

O ser humano é um “animal” invejoso. Quando os fregueses viram o “herói” enfrentar o vírus chinês e ter coragem de encher o carrinho do supermercado de feijão e arroz, voltaram-se contra ele e tentaram agredi-lo. A luta foi em vão. O “herói”, único freguês que não pensou duas vezes ao comprar os produtos chineses, reagiu à altura e entrou em luta corporal com um dos agressores, conseguindo fugir da multidão. Os caixas ainda estavam vazios, e isso contribuiu para que ele pudesse pagar os produtos normalmente, sem limite de quantidade.

Graças a ele, o supermercado conseguiu vender todo o carregamento de feijão e arroz, de procedência chinesa.

Em meia hora, o arroz e o feijão sumiram das prateleiras. A revolta dos que não conseguiram comprar explodiu. O gerente, com medo da fúria dos fregueses, reuniu os empregados e pediu um voluntário, para avisar ao povo que o feijão e o arroz haviam acabado.

A revolta dos fregueses aumentou ainda mais. O supermercado fechou as portas, para forçar a saída dos fregueses revoltados.

De lá, foram protestar numa praça, para combinar o que fazer diante dessa falta de feijão e arroz. Com certeza, esses produtos não estavam sendo vendidos em farmácias, padarias nem açougues. Alguém, então, sugeriu:

– Vamos todos reclamar na Governadoria! A Governadora deve ter lá um estoque de feijão e arroz escondido, junto com as pipocas Bokus.

E saíram em passeata para a Governadoria, com gritos de protesto contra a Governadora.