ALEXANDRE GARCIA

janela partidária

As federações partidárias, invenção da última lei eleitoral, já estão começando a causar confusões. Diferente das coligações, que se juntam apenas para as eleições proporcionais e depois se desfazem, o novo dispositivo estabelece que os partidos fiquem unidos por no mínimo quatro anos, ou seja, durante todo o mandato.

Alguns casos que exemplificam essas confusões: o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) chamou o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) para ser coordenador da campanha dele. A Rede está negociando a formação de uma federação junto com o Psol, que também apoia Lula. Mas a criadora da Rede, Marina Silva, disse que quer ser companheira de chapa de Ciro Gomes (PDT), que vai ser adversário de Lula.

Outro caso ocorre no Espírito Santo, em função das negociações de uma federação entre PT e PSB. O governador Renato Casagrande (PSB), candidato à reeleição, está apoiando Lula. Só que o senador do PT, Fabiano Contarato, disse que vai ser candidato ao governo do estado. E aí como é que fica? PSB x PT. Fica a pergunta no ar.

* * *

Meia-entrada para advogados em Alagoas

Na Assembleia Legislativa de Alagoas, em uma sessão com 20 deputados, 17 aprovaram um projeto “maluco” de meia-entrada para advogados. Quem tem inscrição na OAB regional tem meia-entrada no circo, no estádio de futebol, no teatro, na casa de show, no cinema, no museu. O autor do projeto, o deputado estadual Marcos Barbosa (Cidadania), argumenta que o benefício é uma contribuição para o desenvolvimento cultural e social do advogado e de sua família.

O ridículo foi aprovado. Se quisesse fazer uma contribuição social e cultural com a meia-entrada, que fosse para aquele advogado que comprovasse que ganha um salário mínimo. Além de tudo, isso está valendo para as empresas privadas de shows, espetáculos. E a empresa vai ser obrigada a abrir mão se sua receita para beneficiar o advogado?

É ridículo, como era ridículo desconto em passagem aérea para jornalista, que valia nos anos 1940 e 1950, para tentar comprar o jornalista. O projeto vai agora para análise do governador Renan Filho (MDB). Ele decidirá se sanciona ou veta esse “absurdo”.

2 pensou em “FEDERAÇÕES PARTIDÁRIAS COMEÇAM A CAUSAR CONFUSÃO

  1. Este projeto é inconstitucional, pois cria diferenças entre cidadãos. Como é que fica o “todos são iguais perante a lei, tendo os mesmos direitos”?

    Logo os Advogados vão ser os diferentes? O Brasil precisa mudar.

    Nunca foi tão fácil escolher os candidatos na próxima eleição. É só ver quem não apoia este tipo de coisa.

  2. Briga de foice em um quarto escuro, e ponto final. Triste o sistema político de nosso país, e quando inventam penduricalhos é para piorar o que já não presta..

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *