FALOU O ÓBVIO ULULANTE

Sergio Moro, em entrevista à Veja, repetiu aquilo que todos sabemos:

“Lula está preso porque cometeu crimes.”

Ele disse:

“Estou bem tranquilo com minha consciência quanto ao que fiz. O ex-deputado Eduardo Cunha também diz que é inocente. Aliás, na cadeia todo mundo diz que é inocente, mas a Petrobras foi saqueada. Sempre que há um julgamento importante, dizem que a Lava Jato vai acabar, que tudo vai acabar. As pessoas pensam tudo pela perspectiva do Lula, embora seja possível que o julgamento do STF sobre a ordem das alegações finais leve à anulação da sentença sobre o sítio de Atibaia. Lula está preso porque cometeu crimes.”

Ele negou que a Lava Jato tenha cometido excessos:

“Não houve excesso, ninguém foi preso injustamente. Opinião de militante político não conta, pois desconsidera as provas. Agora vem essa discussão de que a ordem das alegações finais seria um erro da Lava Jato. Os avanços anticorrupção não são de propriedade de juízes ou procuradores. É uma conquista da sociedade, do país. é o país que perde com eventuais retrocessos.”

* * *

Falou apenas o óbvio.

Nada mais que o óbvio.

Como diria Nelson Rodrigues, falou o óbvio ululante

A sabedoria popular resume tudo:

“O pior cego é aquele que não quer ver”

3 pensou em “FALOU O ÓBVIO ULULANTE

  1. No caso do lulistas: o pior cego é aquele que VÊ.
    Vê propaganda do partido e acredita.
    Vê sites da esgotofera e acredita.
    Vê os comentaristas da Grobbo e acredita
    Vê os politicos cumuni-socialista dizendo que o Lula foi condenado sem provas e acredita.

    Por outro lado eles veêm coisas mas não acreditam.
    Vê o Brasil mudando para melhor e não acredita.
    Vê que os crimes diminuiram e não acredita
    Vê que o desemprego diminuiu e não acredita.

  2. como eu venho dizendo ja a algum tempo ,ou o brasil acaba com estes cumplices de criminosos travestidos de juizes de suprema corte ou estes ,, cumplices de criminosos travestidos de juizes de suprema corte acabam com o futuro do brasil como naçao .

Deixe uma resposta